A essência do pensamento Temer(ário): “quem não tem dinheiro não faz universidade”

mar-2

Acabando de chegar aos 56 anos de idade não tenho muita ilusão na disposição das elites deste país em investir para oferecer educação de qualidade para a maioria pobre da nossa população. É que já estou há muito tempo tratando com parlamentares e (des) governantes para saber que educar a população não é de nem longe um objetivo que eles persigam com sinceridade. Aliás, muito pelo contrário.

Mas antes de chegar ao ponto central desta postagem me permitam compartilhar um pouco da minha história pessoal.  Sou o primeiro dos cinco filhos de um casal típico da classe trabalhadora tradicional: meu pai emigrou para o meio urbano em 1954 e teve o seu apogeu ocupacional na função de mestre de tubulação, apesar de ter tido apenas poucos anos de educação formal. Já a minha mãe passou boa parte de sua a vida cuidando da casa lotada de filhos, com todas as tarefas de quem não tinha um empregada doméstica.

Com esse perfil familiar comecei a trabalhar com 12 anos e tive meu primeiro registro de carteira profissional assinado aos 15 anos. Aos 18 anos decidi que não seguiria a carreira de bancáro (sim naquela época havia essa carreira) e me mandei para o Rio de Janeiro para cursar um curso de bacharelado em Meteorologia na UFRJ. Como aquela não era a minha praia, mudei para o curso de Geografia e permaneci na universidade até o final do mestrado, quando fui para os EUA trabalhar no Laboratório Nacional de Oak Ridge que fica no estado do Tennessee. Como já estava lá, aproveitei uma oportunidade e cursei um doutorado na Virginia Polytechnic Institute and State University. Ao voltar para o Brasil logo fui contratado para trabalhar na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

Para muitos áulicos do capitalismo, eu posso ser uma daquelas provas de que o sistema premia quem trabalha, independente de onde se começa. Eu já penso que sou uma rara exceção, pois existem no Brasil milhões de jovens com o meu perfil social original que jamais sonharão sequer em entrar numa universidade pública, muito menos cursar um doutorado numa boa universidade estadunidense.

Muitos poderão se perguntar sobre as causas de eu ter sido uma exceção. Eu começo dizendo que provavelmente o fato de eu ser branco, já que apesar de ter crescido pobre, eu nunca tive que esconder onde eu morava dado que minha aparência física era de classe média. Além disso, tive uma forte demanda familiar para estudar já que não fazer isso seria considerado uma afronta à disciplina, o que normalmente era punido severamente. Mas eu também tive a extrema felicidade de encontrar pessoas que me incentivaram a exceder as minhas expectativas sociais. Aí entraram vários professores que sempre me empurraram com a doação de livros que eu jamais poderia comprar.  Entre estes muitos apoiadores uma das pessoas fundamentais foi o primeiro orientador, Prof. Irving Foster Brown, que abriu diversas portas importantes, desde a Iniciação Científica até o Doutorado.

Mas em que pese tudo isso, eu sou sim uma exceção. Mas se sou exceção, qual é a regra? A regra é que a maioria nossas crianças e jovens pobres (a maioria negra) está destinada a não ter as oportunidades que eu tive, tendo que se preocupar mais em chegar ao próximo dia sem ser aniquilada, seja pelo aparelho de repressão do Estado, pelo narcotráfico ou pelas milicias. Quando sobrevivem a tudo isso, essa maioria tem sido historicamente impedida de sonhar com um futuro melhor para sí e para seus descendentes.

Entretanto, o que já é ruim está para piorar. É que com a aprovação da PEC 241 estão aparecendo aqueles que dizem com todas as letras quais são os seus planos para a  nossa juventude. Não basta para eles congelar os investimentos em educação, eles querem mais, muito mais. Vejamos, por exemplo, o caso do Nelson Marquezelli (PTB-SP) que afirmou antes da votação da PEC 241 que “quem não tem dinheiro não faz universidade” (Aqui!).  E quem é o deputado Marquezelli?  Ora, um dos muitos políticos paulistas implicados no “Escândalo da Merenda” que roubou milhões de reais dos cofres públicos que deveriam ser usados para alimentar estudantes da rede pública de ensino (Aqui!).

Alguém se surpreende com essa dupla moral? Eu particularmente não. Mas mais do que mostrar a contradição entre quem defende cortes na educação para conter o déficit público para depois ser relacionado ao achaque à coisa pública, o que o caso do deputado Marquezelli bem exemplifica é o fato de que as elites brasileiras estão se lixando para o futuro de milhões de jovens brasileiros, ainda que isto apareça sob o manto de um neoberalismo tosco.

E que ninguém se engane. Se continuarmos apenas assistindo ao desmanche dos poucos avanços que foram trazidos pela Constituição Federal de 1988, daqui a pouco vai tentar a anular a Lei Áurea. É que a disposição social regressiva das elites não tem fim. Simples assim!

Para quem desejar assistir ao vídeo já célebre onde o deputado Nelson Marquezelli discorre suas ideias sobre quem pode ou não estudar, basta clicar (Aqui!)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s