O sábio que Sérgio Moro pretendia censurar

Rogério_tratada1

Foto: Verbena Editora / Divulgação

*Por Moisés Mendes

O juiz Sergio Moro não reage com naturalidade quando se sente contrariado. Em outubro do ano passado, o juiz de Curitiba incomodou-se com um artigo que o criticava, publicado na Folha de São Paulo, e fez o que muita gente faz.

Escreveu para o jornal e reclamou. Mas fez também o que uma minoria insegura faz. Sugeriu que o autor do artigo fosse censurado pela Folha, por considerar que o texto era panfletário e tinha conteúdo partidário, entre outros defeitos.

O autor do texto acusara Moro de “intolerância moralista”. O artigo dizia: “A história tem muitos exemplos de justiceiros messiânicos como o juiz Sergio Moro e seus sequazes da Promotoria Pública”.

O juiz devolveu, na carta ao jornal: “Embora críticas a qualquer autoridade pública sejam bem-vindas e ainda que seja importante manter um ambiente pluralista, a publicação de opiniões panfletárias-partidárias e que veiculam somente preconceito e rancor, sem qualquer base factual, deveria ser evitada, ainda mais por jornais com a tradição e a história da Folha”. Evitada como?

O juiz não sabia (o que é grave para quem contesta quem o critica) que o autor do artigo ajudou e continua ajudando a Folha a fazer história. O ‘panfletário’ é integrante do conselho editorial do jornal e um de seus principais articulistas há quatro décadas.

Pois agora a ignorância do juiz Moro poderá ser sanada, porque seu alvo faz história pelo país e merece um livro que conte sua trajetória. Chega amanhã às livrarias Um Aprendiz de Quixote: Memórias de Arruá (Verbena Editora), com as memórias do físico, engenheiro e pensador Rogério Cerqueira Leite.

Cerqueira Leite, o ‘rancoroso’ que acionou o mecanismo autoritário do juiz de Curitiba, é um dos grandes brasileiros do século 20. É cientista respeitado, contribuiu para a resistência à ditadura, defende a democracia em sua plenitude, faz e reflete sobre ciência, universidade, ambiente e as questões essenciais do humanismo. Desde o começo das manobras da direita, fez campanha contra o golpe de agosto.

Moro deveria conhecê-lo, antes de atacá-lo por suas discordâncias em relação à seletividade da Lava-Jato. Não se trata de desinformação, mas de ignorância mesmo. Um juiz não pode dizer que desconhece Rogério Cerqueira Leite.

A Folha trouxe na segunda-feira um breve resumo dos feitos do cientista, destacando um ponto: ele é um dos raros oráculos brasileiros que junta ciência e humanidades, sempre fazendo uma abordagem sociológica e literária dos temas que o inspiram.

Cerqueira Leite criou, nos anos 80, uma das loucuras nacionais, o Laboratório de Luz Síncrotron, em Campinas, que atua em várias frentes da pesquisa científica e é considerado o similar brasileiro dos aceleradores de partículas da Europa.

Mas ele não é apenas um professor pardal metido em discussões sobre energia nuclear, combustíveis fosseis (que abomina) e fontes alternativas de energia, como professor da Universidade de Campinas.

É um provocador, um polemizador, um intelectual ativo no debate das grandes controvérsias. Como fez agora ao provocar Sergio Moro e obter como reposta uma sugestão de que deveria ser eliminado do quadro de colaboradores da Folha.

No artigo que contrariou o juiz, Cerqueira fez referência aos embates de ideias de tempos medievais e alertou Moro para o que aconteceu com Girolamo Savonarola, o padre que desafiou a Igreja e foi queimado vivo em Roma.

O cientista escreveu que, depois da caçada a Lula, o juiz poderia ser abandonado pelos que sustentam sua atuação na Lava-Jato: “Cuidado, Moro, o destino dos moralistas fanáticos é a fogueira. Só vai vosmecê sobreviver enquanto Lula e o PT estiverem vivos e atuantes”.

O juiz levou tão a sério a ameaça da fogueira que, na resposta à Folha, lamentou o fato de o cientista “chegar a sugerir atos de violência contra o ora magistrado”.

Cerqueira teve de escrever de novo à Folha, em carta à seção do leitor, para esclarecer e ironizar, num texto curto e brilhante. Eis um trecho: “O fogo a que me refiro é o fogo da história. Intelectos condicionados por princípios de intolerância não percebem a diferença entre metáforas e ações concretas”.

É como se estivesse falando com uma criança. Mas Sergio Moro, o concreto, deve encontrar tempo para ler o livro deste senhor de 85 anos. Quem sabe se arrependa do dia em que teve a ideia de que seria possível censurar o pensamento de um dos últimos sábios brasileiros.

Peço desculpas por tirar o prazer da surpresa, mas a própria Folha esclarece, ao destacar que Cerqueira Leite tem vocação para a encrenca, que o arruá do subtítulo do livro quer dizer arisco, bravio, indócil e brigão. Com quem um juiz previsível, cartesiano, esquemático e simplório foi se meter.

*Moisés Mendes | Jornalista, autor do livro Todos querem ser Mujica – Crônica da Crise (Diadorim Editora, 154 páginas).

FONTE: http://www.extraclasse.org.br/exclusivoweb/2017/03/o-sabio-que-sergio-moro-pretendia-censurar/

10 pensamentos sobre “O sábio que Sérgio Moro pretendia censurar

  1. Marco Antônio disse:

    Que “o pau que bate em Chico não bate em Francisco” é uma verdade constrangedora para a Operação Lava Jato. Mas, em minha opinião, em se tratando de Brasil já é alguma coisa os resultado obtidos pela Lava Jato. Nunca se fez nada para tentar moralizar o país, talvez o “Aprendiz de Quixote” esteja insatisfeito com a esperança de um novo Brasil, que o começo das investigações “nunca antes feitas na história deste país” plantou nos corações de alguns brasileiro (me incluo entre estes). Moro pode ser o moralista fanático que queimará na fogueira ou o intolerante moralista e o autoritário… mas teve a coragem de tocar a lava jato. Torço para que o Lula e o PT do “Aprendiz de Quixote” queimem também na fogueira da história juntamente com o PMDB o PSDB, PP e demais facções criminosas tratadas como partidos políticos pela mídia (Folha, Globo, Estadão e demais porcarias…). Talvez “O Aprendiz de Quixote” acredite que o “seu” Lula tenha criado a maioria das universidades do Brasil, que “seu” Lula tenha ascendido grande parte dos pobres para a classe média, que “seu” PT tinha como objetivo a “pátria educadora” .

  2. Marco Antônio disse:

    Não votaria em Bolsonaro, até porque se o senhor reparar ele nunca se manifesta sobre as questões importantes para o país. Sem falar que ele é da base (aliado) do Temer. Dois questionamentos Professor Marcos… Existe esquerda no Brasil? Podemos chamar um governo (ou dois) que nunca foi(ram) capaz(es) de propor a taxação progressiva de rendas e riquezas, a transferência paulatina da detenção dos meios de produção para as mãos dos trabalhadores ou a limitação dos ganhos do sistema financeiro de esquerdista(s)?

    • Ah, ok. Marco Antônio, um dos problemas que eu vejo em relação ao PT é considerá-lo de esquerda no sentido revolucionário, pois o partido abandonou essa perspectiva faz tempo, se algum dia já teve. Assim, suas questões me parece estar auto-explicadas a partir desse abandono.

  3. Marco Antônio disse:

    E quem sobraria de sua fogueira Professor Marcos? O Luciano Huck?

  4. Marco Antônio disse:

    Peço que o senhor me de de beber de sua fonte, pois não conheço (perdoe minha ignorância) nenhuma das figuras que o senhor menciona.

  5. Marco Antônio disse:

    Vou pesquisar. Obrigado por compartilhar Professor Marcos.

  6. Abilio Maiworm-Weiand disse:

    Uma boa polêmica. Mas por fim, endosso as palavras do Pedlowski e já que o Marco Antônio mostrou-se aberto ao debate e à pesquisa, também sugiro, muito amigavelmente, que pesquise sobre a carreira intelectual e os escritos jornalísticos do físico em questão. Penso que Cerqueira Leite, assim como Bautista Vidal, sempre foram independentes em relação ao PT. Se fosse para caracterizá-los, com o grave risco da rotulagem, eu diria que são democratas nacionalistas.
    Para finalizar, o Marco Antônio foi a um ponto chave na vida política do batizado no Rio Jordão, Jaja Bobo, cuja cruzada de vida raivosa lembra exatamente tais passagens históricas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s