Uso de slogan nazista em campanha pela volta ao trabalho provoca repúdio de entidade judaica

bolso libertaUso de slogan nazista para defender volta ao trabalho em meio à pandemia da COVID-19 é mais uma trapalhada do governo Bolsonaro na área diplomática

Há algo intrinsecamente estranho no aparente enamoramento de membros do governo Bolsonaro com a mística nazista. Primeiro foi o ex-secretário nacional de Cultura, Roberto Alvim, que foi corrido do cargo por produzir um vídeo esquisitíssimo onde fazia alusão clara aos postulados de Joseph Goebells, ministro da Propaganda de Adolf Hitler.

Agora veio a alusão sem subterfúgios ao slogan nazista que ficava postado nos pórticos de entrada dos campos de concentração, o famigerado “O trabalho liberta” (ou em alemão “Arbeit macht frei“) em uma campanha publicitária para conclamar a volta ao trabalho em plena pandemia da COVID-19.

A peça publicitária em questão é de gosto ainda mais esquisito quando se lembra que o responsável por ela é o Sr. Fábio Wajngarten que é judeu.  O problema é que não há como Wajngarten não conhecer o uso primário do citado slogan na entrada dos campos de concentração contruídos para exterminar pelo menos 6 milhões de judeus.

Obviamente Wajngarten já a tratou de negar qualquer relação da conclamação feita pelo governo Bolsonaro para a volta ao trabalho com o temário nazista, citando, inclusive, o fato que ele possui descendência judaica .  

O problema é que pelo menos uma instituição importante para a comunidade judaica, o American Jewish Committee (AJW), não aceitou as explicações dadas até agora, e enfaticamente considerou o uso do slogan como algo “profundamente ofensiva” (ver figura abaixo).

wp-1589373594538.jpg

As consequências desse posicionamento do AJW provavelmente não se darão de forma ruidosa. A probabilidade é que a ação do AJW se dê adotando uma postura sóbria e discreta, como é de praxe na ação das organizações que defendem os direitos da comunidade judaica. Agora, que consequências existirão, isso me parece inevitável e não serão brandas.

A pergunta que fica é a seguinte: a quem interessa até no interior do governo Bolsonaro arrumar encrencas diplomáticas da proporção que temos visto? Um dia a confusão é com a China, em outro é com a comunidade judaica.  E tudo isso para atender os interesses de quem? 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s