O conveniente silêncio do Escola Sem Partido sobre a “Escolinha do professor Bolsonaro”

esp bolsonaroDeputado federal Eduardo Bolsonaro durante debate realizado em 2017 sobre Projeto Escola sem Partido na Comissão Especial da Câmara dos Deputados

O movimento “Escola Sem Partido” ganhou notoriedade nos últimos anos no Brasil por seu suposto esforço para eliminar das escolas brasileiras a contaminação político-ideológica provocada por “um exército organizado de militantes travestidos de professores prevalece-se da liberdade de cátedra e da cortina de segredo das salas de aula para impingir-lhes a sua própria visão de mundo.”

Mas agora que o governo Bolsonaro está literalmente destroçando a autonomia universitária e encurtando ainda mais os investimentos em educação, o “ESP” mantém-se em uma posição silenciosa, enquanto continua atuante na tentativa de impor leis inconstitucionais que firam o pouco da liberdade de cátedra que seus membros tanto abominam.

O interessante é que neste momento, tanto na presidência da república como no Ministério da Educação (MEC) estão dois personagens que não hesitam em utilizar termos os quais certamente o ESP não iria querer ver sendo proferidas em sala de aula, mas, que, entretanto, não motivou ainda nenhum pedido de polidez pública por parte de um movimento que não hesitaria em pedir a demissão de qualquer professor que fizesse isso em sala de aula (vejam exemplo no vídeo abaixo que reproduz sequencialmente  falas do presidente Jair Bolsonaro durante a agora famosa reunião ministerial de 22 de abril).

Esse absoluto silêncio do ESP sobre a “Escolinha do professor Bolsonaro” é particularmente revelador da dupla moral que orienta seus militantes. É que o ESP afirma em sua declaração programática que “basta informar e educar os alunos sobre o direito que eles têm de não ser doutrinados por seus professores; basta informar e educar os professores sobre os limites éticos e jurídicos da sua liberdade de ensinar.” 

Entretanto, isso só parece valer para aqueles conteúdos que soam de “esquerda” para os militantes do ESP, pois o silêncio para o que emerge da “escolinha do professor Bolsonaro”, não há contrariedade alguma para ser explicitada. Isto é, por sua vez, revelador das reais intenções de um movimento que se apresenta como contrário à doutrinação, mas objetivamente possui elementos doutrinários claros. E estes seguem na mesma linha do “pofexor” Bolsonaro, apesar do rompimento público que supostamente ocorreu em 2019.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s