O pequeno Duce de São Paulo

A história quase esquecida do fascismo brasileiro

Captura de tela 2020-10-24 10.40

Por Niklas Franzen para o Neues Deutschland

O staccato monótono deve ter sido audível de longe: batidas de tambor, gritos de guerra, canções de marchas. Em fileiras de dois e em passos de ganso, homens em uniformes verdes e pretos marcharam pelas ruas, os braços repetidamente estendidos no ar em saudação romana. Dezenas de milhares se mudaram para São Paulo em 7 de outubro de 1934. Foi uma das primeiras manifestações de poder de um grupo que logo se transformaria no maior movimento fascista fora da Europa: os integralistas.

Em seu livro recém-publicado “Fascismo à brasileira” – Fascismo no Brasil – o jornalista Pedro Doria traça esse capítulo, quase esquecido até no Brasil. A história do fascismo brasileiro é também a história de um homem baixo e magro do interior de São Paulo. Plínio Salgado era filho de família abastada, de raízes portuguesas, estritamente católica. Quando jovem, devorou ​​livros de Karl Marx e  Mikhaiç Bakunin, trabalhou para vários jornais e teve seus primeiros sucessos como escritor. Politicamente, ele logo deveria deixar o marxismo para trás.

Na década de 1920, o Brasil era uma jovem república, impopular entre os comunistas, monarquistas e também os movimentos fascistas emergentes. O país de imigração fervilhava e havia repetidos levantes. E os acontecimentos na Europa não foram sem consequências: em 1930 o jovem Salgado viajou para a Itália, onde conheceu Benito Mussolini. O brasileiro teve uma audiência de apenas meia hora, mas o encontro impressionou profundamente Salgado e cimentou seu plano: um estado fascista no Brasil.

Mas no início sua ascensão ao Duce brasileiro foi difícil. Com seus colegas, ele viajou por todo o país: com barcos pela Amazônia, em caravanas pelo interior empoeirado, com ônibus frágeis para o sul de influência europeia. Era claro para Salgado que seu projeto só poderia ser realizado com a mobilização das massas.

Em 1930, Getúlio Vargas chegou ao poder com a ajuda dos militares, um ardente anticomunista e nacionalista. Ao mesmo tempo, ele estabeleceu a estrutura básica de um estado de bem-estar, foi celebrado como o “pai dos pobres” e habilmente incorporou sindicatos e grandes setores do movimento operário. Salgado viu este regime de forma crítica. Para ele, as democracias eram relíquias do passado. Mas ele manteve contato próximo com confidentes do presidente e compartilhou suas idéias de um Estado forte e centralizado.

Uma marcha interrompida em Roma

Dois anos depois, Salgado fundou a Ação Integralista Brasileira (AIB), que, como um partido de unidade como na Itália e na Alemanha, deveria pavimentar o caminho para o fascismo. Com marchas espetaculares, disciplina militar e cultivo de tradições míticas, Salgado apelou para uma base de massa. Os uniformes verdes e pretos e o símbolo Sigma circulado tornaram-se marcas de identificação. Um nacionalismo agressivo deve cimentar a sociedade internamente. No futuro estado do estritamente católico Salgado, a religião deve desempenhar um papel importante.

Mas, embora muitos soldados da Segunda Guerra Mundial e setores da classe trabalhadora na Europa estivessem entusiasmados com os partidos fascistas, os integralistas eram principalmente um movimento de intelectuais das classes média e alta. Os trabalhadores costumavam criticar o AIB – e resistiam.

Aquele 7 de outubro de 1934 em São Paulo era para ser uma procissão triunfal, uma marcha brasileira sobre Roma, assim Salgado tinha em mente. Mas grupos antifascistas planejaram uma emboscada. Esquerdistas radicais vêm oferecendo resistência armada há meses. O imigrante italiano Francesco Frola conseguiu unir stalinistas, trotskistas e anarquistas para formar a Frente Única Antifascista. Quando os fascistas chegaram à praça central da Sé, gritos puderam ser ouvidos: “Viva o comunismo!”, “Morte ao fascismo!” Em seguida, dispararam. O pânico estourou. No final, morreram três fascistas, um comunista e três policiais. Os fascistas foram ridicularizados nos jornais de esquerda, os fascistas passaram a ser “galinhas verdes” – uma humilhação para Salgado.

Mesmo assim, o AIB cresceu. Em 1934, o movimento tinha 180.000 membros, em 1937 mais de um milhão – de uma população total de cerca de 30 milhões na época. Surgiram escolas, clubes esportivos e colônias de férias: um mundo fascista paralelo no meio do país.

As primeiras sinagogas queimariam em breve na Europa. E no Brasil? Gustavo Barroso, número dois do movimento, era um antissemita notório. Os imigrantes alemães, em particular, incitaram o ódio contra os judeus, e uma hostilidade cristã fundamentalista contra os judeus também encontrou um lar com os integralistas. No entanto, o anti-semitismo foi muito menos formativo no Brasil do que na Europa, e em partes do AIB até mesmo desaprovado. O racismo também não desempenhou o papel principal, a AIB ainda tinha numerosos membros negros – e Salgado, como neto de um povo indígena, referia-se com segurança às suas raízes. A exclamação “Anauê!” – na língua indígena tupi significa: “Você é meu irmão” – virou até o grito de guerra dos integralistas. Salgado via os povos indígenas como os verdadeiros guardiães de uma identidade brasileira.

Em 1935, os comunistas tentaram um golpe, com o apoio da União Soviética e do Comintern. O golpe planejado pelo brasileiro Luis Carlos Prestes e pela judia alemã Olga Benario fracassou miseravelmente. O resultado foi uma lei de segurança nacional que puniu severamente distúrbios e protestos sociais. Salgado e seus integralistas haviam chegado a um acordo com o governo Vargas e pareciam cada vez mais autoconfiantes. Suas marchas faziam parte do cotidiano de muitas cidades. Salgado sonhava em concorrer às eleições de 1938 – com a abolição definitiva da democracia e a instauração de um estado fascista. Mas Vargas tinha outros planos. Em 1938, seu governo usou uma teoria da conspiração anti-semita – conhecida como Plano Cohen – para dar um golpe. Foi o início do Estado Novo. Eleições livres foram abolidas, uma nova constituição introduzida e os direitos civis suspensos. Surgiu uma ditadura – mas não aquela com que Salgado sonhou. 

Embora concordasse com Vargas em muitos pontos – centralismo, anticomunismo, clericalismo – havia diferenças significativas. Vargas dependia menos da mobilização do povo, deixava intocados os privilégios das velhas elites, apesar de sua política social e não tinha fundamento ideológico. Salgado, por outro lado, se via como revolucionário e queria construir uma nova sociedade fascista. Clericalismo – houve diferenças significativas. Vargas dependia menos da mobilização do povo, deixava intocados os privilégios das velhas elites, apesar de sua política social e não tinha fundamento ideológico. Salgado, por outro lado, se via como revolucionário e queria construir uma nova sociedade fascista. Clericalismo – houve diferenças significativas. Vargas dependia menos da mobilização do povo, deixava intocados os privilégios das velhas elites, apesar de sua política social e não tinha fundamento ideológico. Salgado, por outro lado, se via como revolucionário e queria construir uma nova sociedade fascista.

Para Vargas, os integralistas haviam sido aliados úteis contra os comunistas. No entanto, eles estavam começando a representar uma ameaça, principalmente porque receberam apoio financeiro da Alemanha nazista e da Itália de Mussolini. Vargas, que por muito tempo também manteve bons contatos com os governos fascistas na Europa, ficou do lado dos EUA na iminente guerra mundial. Os integralistas tiveram de ir – e o implacável estrategista Vargas atacou rapidamente. Em pouco tempo, o AIB e suas marchas foram proibidos, invasões realizadas em seus prédios e vários integralistas foram para a prisão. Os fascistas não tinham nada para se opor ao estado autoritário.

A coloração esverdeada de Bolsonaro

Salgado retirou-se, foi detido brevemente e teve de partir para Portugal. Meses depois, um grupo de integralistas e opositores de Vargas tentou outro golpe. Eles ocuparam o palácio presidencial por várias horas e pararam com rifles em frente ao quarto de Vargas. Mas essa revolta também falhou. Isso encerrou o capítulo do integralismo brasileiro – pelo menos por enquanto. Muitos ex-fascistas deveriam participar do golpe de 1964 contra o presidente João Goulart, eleito democraticamente, e ocupar cargos na junta militar de direita, que governou o Brasil com mão de ferro até 1985.

E mais de 80 anos depois de Salgado e suas camisas verdes marcharem pelas cidades brasileiras, outro político do sertão paulista está se firmando: Jair Bolsonaro. O presidente extremista de direita, com sua agenda neoliberal e sua orientação norte-americana fundamental, pode, de certa forma, lembrar mais Vargas do que Salgado, mas seu flerte com o golpe de 1964 torna compreensível por que um grupo foi capaz de celebrar um pequeno renascimento que duraria décadas parecia esquecido: em outubro de 2019 um punhado de rapazes de uniforme verde, braços erguidos em saudação romana, estava no centro de São Paulo – eram os integralistas. Algumas semanas depois, um integralista realizou um incêndio criminoso em uma produtora, que havia feito um filme de Natal satírico sobre um Jesus gay.  A rede integralista está em todo o país por meio da internet. Os grupos são pequenos e não são levados a sério pela maioria dos brasileiros. No entanto: o Brasil de Bolsonaro  tem uma leve coloração esverdeada.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!  ].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s