Mudança climática extinguirá principalmente espécies típicas

Estudo detalha o impacto da crise do clima sobre a biodiversidade e aponta os mico-leões entre os mais vulneráveis no Brasil

endemic
As mudanças climáticas podem extinguir espécies de plantas e animais nos lugares mais biodiversos do mundo, alerta um novo estudo, publicado hoje (9/4) na revista Biological Conservation. A equipe global de cientistas, liderada por Stella Manes e Mariana Vale, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), analisou quase 300 hotspots de biodiversidade – lugares com números excepcionalmente altos de espécies animais e vegetais – em terra e no mar. Os pesquisadores verificaram que os animais endêmicos, aqueles que só ocorrem em regiões exclusivas do planeta, têm 2,7 vezes mais probabilidade de extinção do que outras espécies se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a aumentar, impactando seus habitats únicos.

mannes et al
O impacto do nível de aquecimento nas espécies. (a) Efeito médio padronizado tamanhos com diferentes níveis de aquecimento onde níveis leve, moderado, alto e muito alto correspondem a <1,5 ◦C, 1,5–2 ◦C, 2–3 ◦C e> 3 ◦C, respectivamente. (b) Diagrama indicando as proporções relativas de espécies em risco de extinção extremamente alto para cada um dos diferentes níveis de aquecimento. Espécies com projeções de risco superiores a 80% de perda de alcance ou abundância são consideradas em risco de extinção extremamente alto (endêmicas) e risco de extinção local (nativos não endêmicos) dentro dos pontos ricos.
As políticas atuais colocam o mundo no caminho de 3°C de aquecimento. Neste cenário, um terço das espécies endêmicas que vivem em terra e cerca da metade das espécies endêmicas que vivem no mar enfrentarão a extinção. Nas montanhas, 84% dos animais e plantas endêmicas podem ser extintas a essas temperaturas, enquanto nas ilhas esse número sobe para 100%. Em geral, 92% das espécies endêmicas terrestres e 95% das endêmicas marinhas sofrerão consequências negativas, como redução de populações.

mannet et al 2
As mudanças climáticas impactam as espécies em áreas marinhas ricas. Tamanhos de efeito padronizados médios de (a) todas as espécies, (b) espécies endêmicas, (c) espécies nativas. A escala de cores é padronizada para todos os mapas e varia de Positivo (maior que 2%, azul) a Negativo (menor que -2%, vermelho). Os valores máximo e mínimo para os tamanhos de efeito padronizados projetados médios variam de 3,2% (Nativo – Bosques e Pradarias Montanas de Drakensberg) a -2,2% 
“A mudança climática ameaça áreas transbordantes de espécies que não podem ser encontradas em nenhum outro lugar do mundo. O risco de que tais espécies se percam para sempre aumenta mais de dez vezes se falharmos os objetivos do Acordo de Paris”, afirma Manes, autora principal do estudo. Para ela, há pouco conhecimento sobre o valor da biodiversidade.

“Quanto maior for a diversidade de espécies, maior será a saúde da natureza. A diversidade também protege contra ameaças como as mudanças climáticas”, explica Manes. “Uma natureza saudável fornece contribuições indispensáveis às pessoas, como água, alimentos, materiais, proteção contra desastres, recreação e conexões culturais e espirituais.”

As espécies endêmicas incluem alguns dos animais e plantas mais icônicos do mundo, como os mico-leões do Brasil, que podem perder mais de 70% de seu habitat até 2080, segundo o estudo. A América do Sul será uma das regiões mais afetadas exatamente por ter importantes hotspots de biodiversidade, com até 30% de todas as suas espécies endêmicas em alto risco de extinção. As ilhas do Caribe podem perder a maioria de suas plantas endêmicas até metade do século, e os recifes de coral da região também podem desaparecer.

“Confirmamos nossas suspeitas de que espécies endêmicas estariam particularmente ameaçadas pelas mudanças climáticas. Isto poderia aumentar muito as taxas de extinção em todo o mundo, uma vez que essas regiões ricas em biodiversidade estão repletas de espécies endêmicas”, explica Mariana Vale, uma das autoras da pesquisa e também pesquisadora da UFRJ. “Infelizmente, nosso estudo mostra que esses pontos ricos de biodiversidade não poderão atuar como porto seguro contra as mudanças climáticas”.

As tartarugas marinhas, que aninham em muitas praias da América do Sul e Central, são vulneráveis ao aumento da temperatura. No Havaí, plantas nativas icônicas, como a palavra-de-prata Haleakalā, poderiam se extinguir, assim como aves nativas simbólicas, como os honeycreepers havaianos. Outras espécies ameaçadas de extinção pelas mudanças climáticas incluem lêmures, exclusivos de Madagascar, o leopardo da neve, característico dos Himalaias, além de plantas medicinais como o líquen Lobaria pindarensis, usado para aliviar a artrite.

Wolfgang Kiessling, especialista em vida marinha da Universidade Friedrich-Alexander Erlangen-Nürnberg e coautor do estudo, explica que espécies exóticas introduzidas em um determinado habitat se beneficiam quando as espécies endêmicas são extintas. “Nosso estudo mostra que um mundo uniforme e provavelmente sem graça está à nossa frente devido à mudança climática.”

“Por natureza, estas espécies não podem se deslocar facilmente para ambientes mais favoráveis”, explica Mark Costello, especialista em vida marinha da Universidade Nord e da Universidade de Auckland e também coautor da pesquisa. “As análises indicam que 20% de todas as espécies estão ameaçadas de extinção devido à mudança climática nas próximas décadas, a menos que atuemos agora”.

Mas os cientistas ressaltam que é possível evitar essa extinção em massa. Se os países reduzirem as emissões em conformidade com o Acordo de Paris, então a maioria das espécies endêmicas sobreviverá, afirma a pesquisa. No total, apenas 2% das espécies endêmicas terrestres e 2% das espécies marinhas endêmicas enfrentam a extinção a 1,5ºC, e 4% de cada uma a 2ºC. Fortes compromissos dos líderes globais antes da Conferência do Clima em Glasgow, na Escócia, no final deste ano, poderiam colocar o mundo no caminho certo para cumprir o Acordo de Paris e evitar a destruição generalizada de alguns dos maiores tesouros naturais do mundo.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s