Estudo mostra impacto cumulativo de 20 anos da criação de camarão em manguezais do Nordeste do Brasil

criadourosVale do rio Jaguaribe, Ceará, onde se vê piscinas de criação havia um pujante manguezal

Os manguezais brasileiros cobrem cerca de 11.100 km 2 e fornecem uma ampla gama de serviços ecossistêmicos. Apesar de sua importância, eles são um dos ecossistemas mais impactados devido às influências combinadas de mudanças climáticas, poluição e conversão e perda direta. Um dos principais impulsionadores dos impactos ambientais é a carcinicultura e isso é particularmente agudo no semi-árido do nordeste do Brasil, onde os manguezais são restritos em uma faixa estreita ao longo de estuários efêmeros que costumam ser afetados por secas plurianuais. Mudanças recentes na legislação brasileira, em particular no Código Florestal, enfraqueceram a proteção aos manguezais e aos ecossistemas “ apicum ” (salinas) associados. 

mapa carcinicultura

No Nordeste do Brasil, a maioria dos tanques de camarão são convertidos de “ apicuns adjacentes aos manguezais”Ao invés dos próprios manguezais com conectividade hidrológica periódica através de canais represados, permitindo a descarga dos efluentes. Como resultado, os principais impactos sobre os manguezais são tipicamente indiretos, por causa de entradas de poluição de efluentes de tanques de camarão e perda associada de serviços ecossistêmicos, incluindo reduções na produtividade primária, capacidade de armazenamento de carbono, resiliência a outros estressores ambientais, sua eficiência como filtros estuarinos, e biodiversidade e abundância do uso de subsistência das espécies marinhas. Os danos ao solo e a infraestrutura remanescente após a desativação do viveiro de camarões prejudicam a recuperação dos manguezais. Isso estende a duração dos danos e permite a ocupação de áreas degradadas por outras atividades que podem prejudicar permanentemente o funcionamento do ecossistema. 

mapa criação de camarão

Agora um artigo publicado na revista “Frontiers in Forests and Global Change” realizada por uma equipe de pesquisadores pelo Professor Luiz Drude de Lacerda, do  Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará (UFC)  aborda os vários aspectos do boom da carcinicultura no Nordeste brasileiro, suas características e consequências, e o futuro dos manguezais na região, considerando as mudanças climáticas e o aumento da pobreza.

Em suas conclusões, o artigo aborda as principais práticas e resultados da criação de camarão em manguezais provavelmente se aplicam a áreas com configurações ambientais semelhantes, por exemplo, regiões semi-áridas em todo o mundo, e particularmente na região da América Latina e Caribe, e  os autores acreditam que suas descobertas podem ser levadas em consideração para melhorar a conservação. e manejo dessas florestas pelo menos em escala regional.

Quem desejar baixar o artigo que é citado nesta postagem, basta clicar [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s