The Guardian revela participação de empresa chinesa na lavagem de “soja pirata” produzida no Cerrado e na Amazônia

Gigantes da alimentação acusados ​​de ligações com o desmatamento ilegal na Amazônia. Cargill, Bunge e Cofco adquiriram grãos de empresas supostamente fornecidas por um agricultor multado por destruir áreas de floresta tropical

cerrado soja

A soja é carregada em caminhão no Rio Grande do Sul, Brasil. O feijão é um ingrediente chave na alimentação de aves, suínos e bovinos, e o Brasil está entre os maiores produtores mundiais. Fotografia: Silvio Avila / AFP / Getty Images

Por Andrew Wasley , Alexandra Heal , Lucy Jordan, Alice Ross, Andre Campos e Daniel Camargos

Três das maiores empresas de alimentos do mundo foram acusadas de comprar soja de um agricultor ligado ao desmatamento ilegal na Amazônia brasileira.

Cargill, Bunge e Cofco adquiriram grãos de soja da chinesa Fiagril e da multinacional Aliança Agrícola do Cerrado, ambas supostamente fornecidas por um agricultor multado e sancionado várias vezes após destruir áreas de floresta tropical, de acordo com uma nova investigação.

A soja é um ingrediente chave na alimentação de aves, suínos e bovinos , especialmente para animais criados em fazendas intensivas.

O destino da Amazônia é objeto de intenso foco enquanto os líderes mundiais lutam para chegar a um acordo sobre como lidar com a emergência climática. Pesquisa publicada na revista acadêmica Nature Climate Change no mês passado revelou que a área desmatada na Amazônia quase quadruplicou em 2019 – o primeiro ano do presidente Bolsonaro no poder – em comparação com o ano anterior.

O Bureau of Investigative Journalism (TBIJ), Unearthed e Repórter Brasil usaram imagens de satélite e registros de fiscalização para descobrir como a soja foi plantada em terras que haviam sido colocadas sob embargo – uma forma de proibição do governo que impede os agricultores que violaram as regras de desmatamento ou causaram outros danos ambientais usando partes de suas terras.

Pelo menos 15 quilômetros quadrados de floresta registrados para um agricultor fornecedor de soja para Aliança e Fiagril foram embargados em 2019 pelo órgão regulador ambiental do Brasil, Ibama, após serem desmatados. Um embargo separado, emitido pelo órgão ambiental estadual de Mato Grosso em 2016, nomeia o mesmo agricultor em relação a mais desmatamento ilegal.

Usando a análise de satélite da MapBiomas , a Repórter Brasil constatou que a soja foi cultivada ilegalmente nesta terra em 2018 e 2019, apesar do embargo. Registros públicos mostram que o agricultor foi multado no total de R $ 12 milhões (£ 1,3 milhão) por violações das regras de proteção florestal – as multas foram em 2013 e 2019.

O agricultor, baseado na remota região de Marcelândia, no estado de Mato Grosso, supostamente vendeu soja para Fiagril e Aliança em 2019 após o embargo do governo à terra. A Bunge comprou soja da Fiagril, e a Cargill e a Cofco compraram soja da Aliança, após as duas empresas terem sido abastecidas pela fazenda em 2019, segundo registros apurados pelo TBIJ.

A Fiagril e a Aliança, assim como a Cargill, Bunge e Cofco, são signatárias da moratória da soja . Os signatários se comprometem a não “vender, comprar e financiar soja de áreas desmatadas no bioma Amazônia após julho de 2008”.

No entanto, as empresas podem comprar soja legitimamente da fazenda porque é a terra que está embargada, e não a fazenda inteira ou o agricultor. Não se sabe se a soja comprada pela Fiagril e pela Aliança veio de terras proibidas.

O sistema de monitoramento da moratória costuma proibir apenas as terras onde ocorreram as violações, excluindo outras propriedades do mesmo agricultor.

“Permitir que propriedades diferentes operadas pela mesma pessoa ou grupo sigam regras diferentes abre uma brecha que os agricultores podem usar para contornar a moratória da soja”, disse Lisa Rausch, pesquisadora da Universidade de Wisconsin.

A Fiagril disse ao TBIJ que condena a atividade ilegal e está “comprometida com a aplicação legal da sustentabilidade na agricultura com nossos clientes e fornecedores”. A empresa negou ter adquirido soja da fazenda embargada.

A Aliança disse que foi auditada regularmente e em conformidade com todas as regulamentações e que “não há fatos ou decisões oficiais que mencionem, conectem ou de qualquer outra forma se refiram à Aliança em quaisquer violações ambientais”. A empresa disse que lida com “inúmeros agricultores e produtores no Brasil” e “negócios fora do controle da Aliança permanecem sob a responsabilidade exclusiva de um determinado agricultor / produtor”

A Cargill disse que não adquiriu soja “diretamente” da fazenda. Ele acrescentou: “Temos mantido firmemente a moratória da soja brasileira na Amazônia desde 2006. Vamos investigar Fiagril e Aliança do Cerrado de acordo com nosso processo de reclamação da soja.”

A Bunge informou que não compra soja da Aliança desde 2017 e que a Fiagril não fornecia soja da região de Marcelândia. “Como signatária da moratória da soja na Amazônia, as compras da Fiagril são auditadas por entidades independentes. Além disso, os contratos da Bunge com fornecedores possuem cláusulas em que o fornecedor se compromete expressamente a fornecer grãos de acordo com a legislação aplicável, inclusive ambiental ”, afirmou a empresa.

Cofco disse: “Realizamos auditorias internas mensais, bem como auditorias externas anuais, sobre o cumprimento da moratória pelos fornecedores. A auditoria de 2019 confirmou que todos os nossos fornecedores cumpriram os requisitos de moratória na temporada passada. ”

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Um pensamento sobre “The Guardian revela participação de empresa chinesa na lavagem de “soja pirata” produzida no Cerrado e na Amazônia

  1. Q R A Mestry Badahra Perguntando : E no Mato Grosso ? Todas as fazendas produtoras, que exportam, são só de Brasileiros ? Por que XING , comprou (e o governo permitiu) o Porto la em Sta catarina , alem do sistema de logística ?
    E não se viu nem um Barulho sobre isso Brevemente, Este tipo de investimento, irá acontecendo, e ai é Recomendável, Lucrativo, e providencial abrir em toda a nação Cursinhos de MANDARIM , para evitar desentediamentos , Né Não ?

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s