Estudo mostra que atividades humanas influenciam chuvas na Terra

O aquecimento antropogênico do clima tem sido um fator em eventos extremos de precipitação em todo o mundo, dizem os pesquisadores

climate rainfall

Um carro em uma parte inundada da I-94 em Detroit, Michigan, vários dias depois que fortes chuvas inundaram partes da cidade. Fotografia: Matthew Hatcher / Sopa Images / Rex / Shutterstock

Por C h uma r l o t t e B u r t o n para o “The Guardian”

A atividade humana, como as emissões de gases de efeito estufa e as mudanças no uso da terra, foram um fator-chave em eventos extremos de precipitação, como inundações e deslizamentos de terra em todo o mundo, concluiu um estudo.

Nos últimos anos, ocorreram numerosos casos de inundações e deslizamentos de terra: a precipitação extrema, uma quantidade de chuva ou neve que excede o normal para uma determinada região, pode ser a causa de tais eventos.

Variações naturais no clima, como El Niño – Oscilação Sul (Enso), afetam a precipitação. Mas estudos de pesquisa de atribuição, como o último estudo de modelagem, publicado na terça-feira na Nature Communications , trabalham para entender melhor se as ações humanas que impactam o clima, como emissões de gases de efeito estufa e mudanças no uso da terra, contribuem para a probabilidade e gravidade de eventos extremos .

No estudo, os pesquisadores da UCLA analisaram os registros climáticos globais para examinar se a influência antropogênica – mudanças induzidas pelo homem no clima – afetou a precipitação extrema. Ao examinar vários conjuntos de dados de precipitação observada, os pesquisadores foram capazes de construir uma imagem global e encontraram evidências da atividade humana afetando a precipitação extrema em todos eles.

“É vital identificar as mudanças [nos padrões de precipitação] causadas pela ação humana, em comparação com as mudanças causadas pela variabilidade natural do clima”, explicou o pesquisador principal Gavin Madakumbura. “Isso nos permite gerenciar os recursos hídricos e planejar medidas de adaptação às mudanças impulsionadas pelas mudanças climáticas.”

Até agora, o trabalho neste campo tem sido restrito a países, ao invés de aplicado globalmente. Mas a equipe de pesquisa utilizou o aprendizado de máquina para criar um conjunto de dados global.

A mudança climática induzida pelo homem está causando o aumento da temperatura da Terra. Diferentes mecanismos vinculam temperaturas mais altas a precipitações extremas. “O mecanismo dominante [que leva à precipitação extrema] para a maioria das regiões do mundo é que o ar mais quente pode reter mais vapor de água”, disse Madakumbura. “Isso alimenta tempestades.”

Embora existam diferenças regionais e alguns lugares estejam ficando mais secos, os dados do Met Office mostram que, em geral, as chuvas intensas estão aumentando globalmente, o que significa que os dias mais chuvosos do ano estão ficando mais úmidos. Mudanças nos extremos das chuvas – o número de dias com muita chuva – também são um problema. Esses períodos curtos e intensos de chuva podem levar a inundações repentinas, com impactos devastadores na infraestrutura e no meio ambiente.

“Já estamos observando um aquecimento de 1,2ºC em comparação aos níveis pré-industriais”, apontou o Dr. Sihan Li, pesquisador sênior associado da Universidade de Oxford, que não esteve envolvido no estudo. Ela disse: “Se o aquecimento continuar a aumentar, teremos episódios mais intensos de precipitação extrema, mas também eventos de seca extrema.”

Li disse que, embora o método de aprendizado de máquina usado no estudo seja de ponta, ele atualmente não permite a atribuição de fatores individuais que podem influenciar extremos de precipitação, como aerossóis antropogênicos, mudanças no uso da terra ou erupções vulcânicas.

O método de aprendizado de máquina usado no estudo aprendeu apenas com os dados. Madakumbura destacou que, no futuro, “podemos auxiliar nesse aprendizado impondo física do clima no algoritmo, para que ele não apenas saiba se a precipitação extrema mudou, mas também os mecanismos, por que mudou”. “Esse é o próximo passo”, disse ele.

fecho

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s