O problema é o capitalismo e não o clima

Dois conclaves mundiais que enfocam o debate sobre o “aquecimento global” coincidiram no final de semana passado, a COP 26 em Glasgow, na Escócia, e o G20, em Roma, na Itália

los angeles

Os EUA são responsáveis ​​por 20% das emissões totais de CO2 do mundo | Foto: Hollywood Hills, Los Angeles, CA

Por Julio Gambina para a AlaiNet

A preocupação comum é o clima, em um quadro de evidente crise econômica, com crescente desigualdade social, preços preocupantes e deterioração ambiental derivada da emissão de gases de efeito estufa produzidos pela forma de produção contemporânea. O impacto no meio ambiente é um problema acelerado desde os tempos da revolução industrial (1750), enorme após o segundo pós-guerra (1945) e de forma descontrolada nas últimas três décadas (1990-2021). A forma de produção capitalista traz esses resultados.

Uma análise resumida e didática apresenta Michael Roberts em seu blog, traçando as estatísticas das responsabilidades na emissão de CO2, com a China à frente na atualidade e os Estados Unidos longe, na acumulação histórica do desenvolvimento capitalista. O autor britânico destaca que a China “é o maior emissor de CO2 do mundo”, desde a sua posição de país com maior população do planeta e fabricante exportador do mundo. Ele acrescenta que “as emissões acumuladas na atmosfera nos últimos 100 anos vêm dos outrora industrializados e agora consumidores de energia ricos do Norte”. Ele destaca que os EUA são responsáveis ​​por acumular a emissão de “20% do total mundial. A China ocupa um segundo lugar relativamente distante com 11%, seguida pela Rússia (7%), Brasil (5%) e Indonésia (4%). ” Nessa estatística, a Argentina aparece em 14º lugar.

cop5

Levando-se em conta as emissões relativas ao uso da Terra, o Brasil foi o quarto maior emissor de CO2 entre 1850 e 2021

O assunto é importante e no blog do FMI você pode ler uma análise sobre o assunto e América Latina e Caribe. No texto, eles afirmam que “As emissões líquidas de gases de efeito estufa (GEE) da região são consistentes com seu tamanho econômico e população, cerca de 8% do total mundial. Mas a composição das emissões na ALC é muito diferente da de outras regiões. ” Enfatiza-se a seguir que “O setor de energia contribui muito menos para as emissões totais na ALC (43%) em comparação com a média mundial (74%). A agricultura, por outro lado, contribui com 25%, em comparação com uma média mundial de 13%. Uso da terra, mudança no uso da terra e silvicultura (LULUCF) contribuem com 19 %, muito mais do que a média mundial, pouco mais de 1%. ”

Última oportunidade

Outras fontes de informação podem ser utilizadas e é claro que a catástrofe que ameaça a humanidade não pode ser escondida, e os Estados nacionais e suas articulações globais vão de cúpula em cúpula para definir compromissos que não cumprem. O resultado é alarmante a ponto de o Secretário-Geral das Nações Unidas afirmar que “Se não agirmos com determinação, estaremos literalmente jogando nossa última chance de mudar o curso das coisas”.

O alarme é uma chamada de atenção para a ordem produtiva, baseada na crescente exploração da força de trabalho, com menos previdência social, e na pilhagem recorrente e generalizada de bens comuns na ordem global, estimulando o consumo das elites que a afetam. condições de vida da sociedade como um todo. Não há solução para o “aquecimento global” se não forem tomadas medidas em áreas estratégicas da produção mundial, como energia, agricultura, transporte, serviços públicos essenciais, saúde, educação, visando limitar e reduzir as emissões de gases de efeito estufa, algo que não pode. ficar nas mãos do “mercado”, ou seja, de investidores privados, empresas transnacionais, em busca do lucro e da rentabilidade de seu capital.

O comentário aponta tanto para o poder das empresas transnacionais de petróleo e gás, alimentos e biotecnologia, entre tantas outras, quanto para a discussão sobre as políticas dos Estados-nação e organizações mundiais sobre para quê, como e quanto energia e produção, orientado para o que precisa satisfazer. São extensos comentários sobre a alimentação e, portanto, mais pensamento e ação na satisfação das demandas sociais e dos direitos à alimentação e energia do que estimular os mercados, justamente em um momento em que a alta dos preços concentra-se tanto em produções estratégicas de reprodução do social quanto. vida diária natural.

A solução virá mais das lutas e resistências populares, especialmente de formas alternativas de produção e reprodução socioeconômica do que de decisões públicas dos Estados capitalistas, em cúpulas como o G20 onde se propõem discutir as desigualdades e a aceleração da recuperação. Ambas as questões são o resultado da forma capitalista de organização da sociedade. É lógico que o regime do capital promova a restauração da taxa de lucro ao invés da satisfação de milhões de empobrecidos nos povos do mundo. Isso é desigualdade, um produto da ordem capitalista. Mudar o modelo de produção e desenvolvimento é a base para organizar uma ordem econômica e social que remedie os danos ecológicos e garanta a reprodução metabólica do planeta. 

compass

Este texto foi escrito inicialmente em espanhol e publicado pela Alainet.org [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s