Estudo mostra que a onça-parda está de volta no município do Rio de Janeiro

Os grandes felinos perambulam pelos restos da floresta no Pão de Açúcar há anos

onça-pardaCaptura na armadilha fotográfica: Um puma (Puma concolor) no Parque Estadual do Desengano, uma área protegida no norte do Rio de Janeiro. Foto: AFP / Inea / Samir Mansur

Por Norbert Suchanek para o Neues Deutschland

A onça-parda (também conhecida como puma) é a segunda maior espécie de felino selvagem nas Américas do Norte e do Sul, depois da onça-pintada . No Brasil está na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção. Na área urbana do Rio de Janeiro, o poderoso felino é considerado extinto desde a década de 1930. Mas os pesquisadores agora refutaram essa suposição. Sem serem notados pelas autoridades e pelo público, as onças-pardas obviamente estão morando novamente no Pão de Açúcar há anos.

O felino de cor castanho claro a castanho-avermelhado escuro, também conhecido como Puma, pode atingir dimensões de até 2,3 metros e peso corporal superior a 70 kg. Apesar de seu tamanho, os biólogos os classificam como pequenos felinos. Há quase exatamente um ano, por acaso, uma câmera de vigilância filmou um desses grandes felinos rondando o parque paisagístico criado pelo arquiteto de jardins Roberto Burle Marx na zona oeste do Rio de Janeiro. Isso causou rebuliço entre os especialistas em predadores da Universidade do Rio de Janeiro (UERJ). Durante anos, eles estiveram na trilha das supostamente extintas onças-pardas da região.

O animal filmado no parque foi apenas uma rara coincidência e apenas em trânsito? Os biólogos seguiram a trilha da onça-parda. Eles percorreram as reservas naturais e remanescentes florestais na área urbana e montaram várias armadilhas fotográficas. E seus esforços valeram a pena. “Nossos dados confirmam que a  onça-parda no Rio de Janeiro não foi exterminada e repovoou a cidade”, relata a equipe de pesquisa em estudo publicado recentemente na revista científica “Check List” (DOI: 10.15560 / 17.5.1353).

“Pudemos mostrar que o felino filmado no Parque Burle-Marx não foi um incidente isolado”, diz o biólogo Jorge Antônio Lourenço Pontes, um dos autores do estudo. As pegadas e arranhões inconfundíveis dos animais nas árvores comprovaram sua presença em pelo menos três pontos da região metropolitana do Rio: nas duas cordilheiras urbanas florestadas parcialmente protegidas Gericinó-Mendanha e Pedra Branca e nas proximidades do Parque Paisagístico Burle Marx, na Reserva Biológica de Guaratiba, localizada na região litorânea, onde ainda existem grandes áreas intactas de manguezais. Pontes já havia registrado uma pista de onças vagando por ali em 2007.

registros de onça-pardaMapa de registros da Onça-parda no município do Rio de Janeiro: 1 e 2 = RBE Guaratiba (2007 e 2008); 3 = PE Mendanha e PNM Serra do Mendanha (2008); 4 = RPPN Bicho Preguiça (2018 e 2020); 5 = Propriedade Roberto Burle Marx, Barra de Guaratiba, contígua a PE Pedra Branca (2020). Os mapas de inserção mostram a localização do estado do Rio de Janeiro no sudeste do Brasil.

Em suas investigações mais recentes em áreas protegidas e áreas naturais do Rio, os pesquisadores também descobriram outra grande espécie de mamífero que aqui foi considerada extinta e fala também pela volta dos grandes felinos: os queixadas. Esse porco selvagem, que pesa até 30 quilos, é uma das presas prediletas do puma.

No entanto, os pesquisadores ainda não sabem dizer quantas onças-pardas vagam pelo Rio de Janeiro. Qualquer número, segundo Pontes, seria apenas um tiro no escuro. “A onça-parda é um animal muito tímido, até achar a pegada é difícil.” Só quando o chão é macio e lamacento é que as pegadas ficam por algum tempo. Os pesquisadores, portanto, encontraram rastros de onças-pardas, principalmente na maré baixa em áreas de mangue ou após chuvas na floresta.

Os biólogos da Universidade do Rio garantem que os gatos ásperos não representam uma ameaça para o homem. “O puma é muito tímido: sua tendência natural é fugir quando vê alguém.”

A ocorrência da segunda maior espécie de felino selvagem da América Latina na cidade, no Pão de Açúcar, ressalta a importância da preservação dos vestígios de Mata Atlântica na metrópole e a necessidade de manutenção e ampliação de corredores entre os fragmentos florestais maiores, destacam os pesquisadores. A proteção de áreas naturais menores, ainda intactas, como a floresta Camboatá na área urbana, é particularmente importante, pois podem servir como escalas para as onças.

Foi justamente essa floresta de Camboatá de 160 hectares, no distrito de Deodoro, que deveria ter sido desmatada este ano para dar lugar a um autódromo de Fórmula 1. Mas as alegações de corrupção contra o então prefeito Marcelo Crivella e sua reeleição perdida salvaram esta ilha de floresta tropical no meio do município do Rio de Janeiro – por enquanto. No início deste ano, o novo prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, se manifestou claramente contra um autódromo em Deodoro e apoiou a ideia de colocar a floresta do Camboatá sob proteção da natureza. No entanto, isso não significa que a sobrevivência e a expansão dos Pumas do Rio de Janeiro estejam garantidas com ele. O prefeito, que já trouxe os Jogos Olímpicos de 2016 econômica e socialmente catastróficos para a metrópole e ampliou rodovias urbanas e derrubou e desmembrou áreas naturais para esse fim, considera possível um novo autódromo na área urbana, mas não em Deodoro. Paes prefere o bairro de Guaratiba para “seu” circuito de Fórmula 1. Mas lá também está um dos três habitats identificados da onça-parda no Rio de Janeiro.

A principal ameaça aos pumas, porém, vem das milícias cariocas. Durante anos, eles exploraram a carência de moradias na metrópole causada pela disparada dos preços dos imóveis e pela retirada ilegal de blocos inteiros de apartamentos do chão sob os olhos da polícia e das autoridades ambientais. O restante das áreas protegidas de floresta tropical da cidade são particularmente afetadas. De acordo com a secretaria de Meio Ambiente do município, as milícias desmataram cerca de 500 hectares de floresta no Rio entre 2017 e 2020 para a construção ilegal de moradias. Quase metade deles está nos três bairros da zona oeste de Campo Grande, Santa Cruz e Guaratiba apenas.

compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s