Agrotóxicos na Europa: maioria de estudos de herbicidas dados aos reguladores da UE não são cientificamente ‘confiáveis’

herbicidesGarrafas de Roundup são vistas em uma loja de jardinagem em Lille, França. Fotografia: Philippe Huguen / AFP / Getty Images

Por Carey Gillam para o “The Guardian”

Apenas dois de um grupo de 11 estudos da indústria dados aos reguladores europeus em apoio à reaprovação do ingrediente principal do herbicida Roundup são cientificamente “confiáveis”, de acordo com uma nova análise de estudos apoiados por corporações sobre o glifosato químico.

O glifosato é o herbicida mais amplamente usado no mundo e não é apenas o ingrediente principal do herbicida Roundup, mas também em centenas de outros produtos. É amplamente utilizado por agricultores no cultivo de culturas alimentares comuns.

Em um relatório divulgado na sexta-feira, pesquisadores do Instituto de Pesquisa do Câncer da Universidade Médica de Viena, na Áustria, disseram que a revisão de um conjunto de estudos de segurança submetidos aos reguladores da União Europeia (UE) pela Bayer AG e uma coalizão de outras empresas químicas mostrou que a grande maioria não atendem aos padrões internacionais atuais de validade científica.

Enquanto dois dos estudos corporativos foram considerados confiáveis, seis foram considerados parcialmente confiáveis ​​e três não eram confiáveis, de acordo com o relatório.

Os estudos “confiáveis” foram de 2016 e 2020 e ambos foram patrocinados pela Monsanto , o detentor da patente original do glifosato e fabricante do Roundup. Aqueles considerados não confiáveis ​​foram feitos há mais de uma década: dois foram patrocinados pela antiga DuPont Co e um pela empresa de biotecnologia vegetal Verdia Inc.

Os estudos corporativos analisados ​​no relatório dizem respeito às propriedades genotóxicas do glifosato. As empresas afirmam que o glifosato não é genotóxico, o que significa que não causa danos ao DNA, um fator bem conhecido no desenvolvimento do câncer.

Mas Siegfried Knasmueller, o principal autor do relatório, disse ao The Guardian que não apenas a maioria dos estudos carece de qualidade, mas que a pesquisa da indústria não inclui novos e “provavelmente melhores testes para a detecção de carcinógenos genotóxicos”. Ele disse que há evidências em pesquisas publicadas de que o glifosato pode causar danos ao DNA em células hepáticas de origem humana.

Afirmou que embora vários estudos do setor estivessem “corretos do ponto de vista metodológico no momento em que foram realizados”, “não estão de acordo com a estratégia atual”.

Em julho, Knasmueller escreveu um relatório semelhante analisando 53 estudos com glifosato submetidos aos reguladores.

O novo relatório alegando falhas nos estudos corporativos do glifosato chega em um momento crítico, pois a Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA) e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) estão avaliando se renovam ou não a licença do glifosato na UE quando a aprovação atual expirar 15 de dezembro de 2022.

Em agosto, autoridades da França, Hungria, Holanda e Suécia avaliaram a questão da renovação com um relatório preliminar concluindo que o glifosato não é cancerígeno.

A ECHA e a EFSA permitiram que outras “partes interessadas” consultassem sobre a questão da renovação até 22 de novembro. A análise de Knasmueller, solicitada pelo grupo de defesa sem fins lucrativos SumOfUs, foi apresentada como parte dessa consulta.

Um porta-voz da ECHA recusou-se a comentar o relatório Knasmueller. A agência disse que iria “desenvolver sua opinião” sobre a classificação do glifosato até junho. Um porta-voz da EFSA disse que o relatório Knasmueller seria considerado juntamente com todos os outros comentários enviados como parte da consulta.

A Bayer, o registrante principal para o pedido de renovação europeu, também não fez comentários sobre o relatório.

Dois cientistas independentes questionados sobre o relatório de Knasmuller disseram que não é surpreendente que estudos feitos anos atrás possam não atender às diretrizes atuais, mas isso seria verdade tanto para estudos independentes quanto para estudos corporativos. Eles também disseram que tais estudos não deveriam ser necessariamente ignorados.

Nos últimos anos, tem havido um acalorado debate global sobre se os herbicidas de glifosato, como o Roundup, devem ou não ser restritos ou proibidos, porque algumas pesquisas científicas mostram que a exposição ao herbicida causa problemas de saúde.

Em 2015, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer da Organização Mundial da Saúde apontou vários estudos de pesquisa independentes ao concluir que havia fortes evidências de genotoxicidade com o herbicida e que o glifosato deveria ser considerado um provável carcinógeno humano .

A Bayer, que comprou o fabricante do Roundup Monsanto em 2018, nega que haja qualquer evidência válida de que os herbicidas causem câncer. Mas a empresa concordou em pagar cerca de US $ 14 bilhões para resolver litígios nos EUA movidos por mais de 100.000 usuários do Roundup, alegando que a exposição ao herbicida os levou a desenvolver linfoma não-Hodgkin. A Bayer também concordou em interromper a venda de glifosato aos consumidores norte-americanos até 2023.

O relatório de Knasmueller e seu colega Armen Nersesyan ressalta as crescentes preocupações sobre uma história de dependência regulatória das corporações para fornecer estudos de segurança sobre os produtos químicos que estão fabricando e vendendo. Um novo sistema deve ser desenvolvido para eliminar o preconceito corporativo que poderia influenciar os resultados, dizem muitos cientistas.

“O governo não deve depender de estudos do setor”, disse Peter Infante, ex-epidemiologista sênior e diretor do escritório de identificação e classificação de carcinógenos da Administração de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos. “Se a indústria quiser fazer estudos, ela deve colocar o dinheiro em um pool e distribuí-lo a cientistas independentes que não tenham conflito de interesses. É assim que deve ser. ”

blue compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s