Desmatamento tornou o trabalho ao ar livre inseguro para milhões nos trópicos, diz estudo

O aumento da temperatura e da umidade associado à perda da floresta reduziu as horas de segurança para o trabalho nos trópicos

ourdoor workTrabalhadores em um canteiro de obras em Jacarta, Indonésia. Fotografia: Mast Irham / EPA

Por Sofia Quaglia para o “The Guardian”

O desmatamento tornou o trabalho ao ar livre inseguro para milhões de pessoas nos trópicos nos últimos 15 anos, concluiu um estudo.

O aumento da temperatura e da umidade causados ​​pela perda de árvores tem reduzido o número de horas seguras do dia para as pessoas trabalharem, principalmente para quem realiza trabalhos pesados.

“Por causa da mudança climática, estas áreas nos trópicos já estão no limite do que é considerado seguro ou confortável para trabalhar no final da manhã para tarde”, disse Luke Parsons , um pesquisador climático da Universidade Duke, na Carolina do Norte e principal autor do artigo publicado na revista One Earth . “E então você pega o desmatamento em cima disso e empurra essas regiões para condições de trabalho ainda mais inseguras.”

Um crescente número de pesquisas tem mostrado que o desmatamento está relacionado a um aumento nas temperaturas locais, pois diminui os benefícios do resfriamento que as árvores trazem para uma área. Por exemplo, nas áreas da Amazônia no Brasil que foram fortemente desmatadas, nas últimas duas décadas as temperaturas foram até 10 ° C mais altas do que as regiões florestadas.

Para este estudo, os pesquisadores analisaram dados de satélite e meteorológicos entre 2003 e 2018 em 94 países com florestas tropicais, observando temperatura e umidade.

Eles descobriram que quase 100.000 pessoas, 90% das quais vivem na Ásia, perderam mais de duas horas de trabalho por dia. Quase 5 milhões de pessoas perderam pelo menos meia hora de trabalho seguro por dia, a maioria delas trabalhadores ao ar livre realizando trabalho físico pesado.

Os efeitos são desproporcionalmente sentidos em locais desmatados; nas Américas, 5% das áreas florestadas perderam pelo menos meia hora de trabalho seguro por dia, enquanto 35% das áreas desmatadas sofreram a mesma perda.

“Não podíamos ir a todos os locais onde as pessoas estão trabalhando e medir quando pararam de trabalhar”, disse Parsons. “Podemos fazer essa avaliação do tempo de trabalho seguro perdido, mas muitas vezes as pessoas podem optar por continuar a trabalhar quando está muito quente e úmido, em detrimento da saúde.”

Espera-se que o aquecimento global contínuo e a perda de florestas ampliem esses impactos , reduzindo ainda mais as horas de trabalho para grupos vulneráveis ​​nas próximas décadas.

A exposição ao calor pode afetar o humor e as doenças mentais, além de reduzir o desempenho físico e psicológico, incluindo lapsos de concentração, fadiga, irritabilidade, aumentando o risco de acidentes, disse Beatriz Oliveira , pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca do Brasil , que não participou neste estudo.

Os pesquisadores dizem que suas descobertas fornecem um incentivo econômico para que as populações locais mantenham as florestas locais intactas além dos benefícios ambientais.

blue compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s