Nos 3 anos do rompimento da barragem, Brumadinho ainda não tem um fim à vista

Três anos após o rompimento da barragem de Brumadinho, ainda não foram concluídas as indenizações, o desmonte das barragens “a montante”, extremamente vulneráveis ​​ao rompimento, e a condenação criminal dos responsáveis

brumadinho 2

Delegação dos atingidos e ativistas de Brumadinho em frente ao Bundestag alemão no outono de 2019. Foto: Christian Russau

Por Christian Russau para a Kobra

Amanhã, 25 de janeiro, será o terceiro aniversário do rompimento da barragem de Brumadinho. Mais de 270 pessoas morreram, juntamente com o rompimento da barragem de Mariana em 5 de novembro de 2015, um dos maiores desastres ambientais da história brasileira. Essa é a leitura oficial. Mas os afetados, seus parentes e ativistas deixam claro: “O rompimento da barragem não foi um acidente – foi um crime”.

Era 25 de janeiro de 2019 uma barragem de uma bacia de retenção de resíduos de lama de minério da mina Córrego do Feijão se rompeu. A empresa que opera e é proprietária da mina e do reservatório de rejeitos, a mineradora brasileira Vale, disse que o reservatório rompido continha 11,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério.

Após o rompimento da barragem da primeira lagoa de detenção, a lama de minério inundou e submergiu a segunda barragem da lagoa de detenção mais próxima. Depois disso, a lama continuou descendo a montanha como um tsunami, destruindo tudo em seu caminho. Entre outras coisas, a onda de lama de minério varreu uma cantina de trabalho, onde muitos trabalhadores almoçavam, ônibus em que estavam sentados trabalhadores que iam ou voltavam do turno de trabalho foram enterrados sob as massas de lama. Pelo menos uma aldeia foi destruída, e pequenos territórios indígenas e quilombolas também sofreram meses depois com a má qualidade da água dos rios afetados.

A mina e a barragem de rejeitos são de propriedade do grupo minerador brasileiro Vale SA. A mina do Córrego do Feijão e a barragem de rejeitos foram colocadas em operação em 1956 pela Companhia de Mineração Ferro e Carvão, em 1973 foi integrada à subsidiária da Thyssen Ferteco Mineração antes sendo adquirida pela Vale SA em 2003 foi adquirida. A barragem agora rompida foi construída em 1976 pela subsidiária da Thyssen Ferteco Mineração.

A TÜV Süd de Munique, a subsidiária brasileira TÜV Süd do Brasil,  fez em nome da Vale e – conforme explica a TÜV Süd na homepage – “com base nas exigências legais (DNPM 70.389/2017) uma revisão periódica de barragens (documento de 18 junho de 2018) e uma Inspeção Regular de Segurança de Barragens (documento datado de 26 de setembro de 2018) realizada.” Quatro meses depois, a barragem se rompeu. 272 pessoas morreram, incluindo o pai de Marcela.

“O rompimento da barragem não foi um acidente – foi um crime.” É o que diz Marcela Nayara Rodrigues. Ela faz uma pausa, pausa, luta com as palavras. Ela respira. Isso foi em Berlim no outono de 2019. Marcela viajou para Berlim junto com outros parentes dos afetados e ativistas para, entre outras coisas, registrar uma queixa em Munique e falar com membros do parlamento no Bundestag alemão.

Marcela Nayara Rodrigues é da cidade de Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, não muito longe da metrópole de Belo Horizonte. Brumadinho é uma daquelas pequenas cidades do interior do grande e vasto Brasil, onde não é gerada nenhuma pequena parte do produto interno bruto, tão importante para os governantes de Brasília e os chefes das empresas na sede corporativa porque é uma expressão do lucro que as Empresas auferem, mas trabalham com as mãos pesadas de gente como o pai de Marcela. Ele trabalhava para a mineradora Vale há muitos anos e era assim que sustentava a pequena família. Então veio o intervalo.

Quem Marcela vê como responsável pelo intervalo? Foi a empresa brasileira Vale, que, como proprietária e operadora da mina e da bacia de retenção, foi responsável pela estabilidade da barragem, ou foi mais responsabilidade da empresa alemã TÜV SÜD, que por duas vezes declarou a barragem inquebrável em 2018? Marcela Nayara Rodrigues vê a Vale como a principal responsável pela segurança da mina e barragem. “É a própria empresa que deve garantir que a mineração seja segura e não coloque os trabalhadores em risco. E se a Vale contrata uma empresa para verificar a segurança, então esperamos um certificado de segurança devidamente elaborado.”

O certificado de segurança, que foi emitido pelos funcionários da TÜV SÜD, é questionado por muitos dos afetados e suas famílias. E-mails que se tornaram conhecidos após a violação mostram a pressão que a Vale exerceu sobre a TÜV SÜD para certificar a segurança. Os promotores no Brasil também têm informações de que pelo menos duas outras empresas de consultoria se recusaram a certificar a segurança dessa barragem. No entanto, a TÜV SÜD confirmou a segurança. De acordo com o conhecimento disponível ao Ministério Público, isso poderia ter acontecido contra um melhor conhecimento.

Claudia Müller-Hoff é advogada e trabalha para a organização de direitos humanos ECCHR, com sede em Berlim. O ECCHR, juntamente com a organização de ajuda episcopal Misereor, entrou com uma ação contra a TÜV SÜD na Alemanha em outubro de 2019 e também apresentou acusações criminais contra gerentes alemães responsáveis. Claudia Müller-Hoff disse em entrevista à KoBra em outubro de 2019: “A barragem teve sérios problemas de estabilidade desde novembro de 2017, pelo menos. Provamos que tanto a Vale quanto a TÜV SÜD estavam cientes disso. Eles, no entanto, garantiram a estabilidade da barragem. E aí está o cerne do problema para a TÜV SÜD. E a conexão direta com a Alemanha neste caso é que havia um engenheiro diretamente responsável que supervisionou todo o processo a partir daqui. De acordo com vários depoimentos de testemunhas, este senhor voou várias vezes ao Brasil para inspecionar o trabalho da subsidiária. E sabemos que os engenheiros no local só poderiam declarar a barragem segura com sua aprovação. Em última análise, eles atestaram a estabilidade da barragem. Portanto, assumimos que o engenheiro alemão deu sua aprovação para isso.”

Este processo faz parte de um processo criminal contra a TÜV SÜD. Mas o seu progresso ainda está para vir.

Enquanto isso, um processo civil foi aberto em Munique contra a TÜV SÜD por outro escritório de advocacia, que está exigindo pagamentos de indenização em nome dos afetados. “Aconteceu um terrível acidente” em Brumadinho, admitiu à mídia na época Florian Stork, diretor jurídico da TÜV Süd. Ele não quer “questionar o sofrimento de forma alguma”, mas: a TÜV SÜD não vê “nenhuma responsabilidade legal” pela catástrofe de 25 de janeiro de 2019.

Aqui, também, o tribunal terá que examinar: os responsáveis ​​da Vale e da TÜV Süd estavam cientes de que a barragem da mina do Córrego do Feijão corria risco de colapso e emitiram certificado de segurança contra seu melhor conhecimento? O tribunal de Munique quer fazer um julgamento neste caso civil em 2022. No Brasil, as ações legais dos afetados continuam, assim como a ação penal movida pelo ECCHR contra a TÜV Süd na Alemanha.

“Para mim, o anúncio é uma questão pessoal: porque meu pai foi morto no rompimento da barragem e porque o negócio corrupto com segurança precisa mudar – porque está destruindo nossas vidas e nosso planeta”, diz Marcela Nayara Rodrigues. Um veredicto não traria seu pai de volta, mas talvez algo mudasse no setor de mineração brasileiro no futuro.

Mude alguma coisa: os políticos do Brasil, que há anos olhavam para o outro lado quando se tratava dos riscos e consequências sociais da mineração, olham apenas para os números macroeconômicos de exportação de todas as pelotas de minério que vão para o exterior, inclusive para a Alemanha, que fica em torno de 45% de suas importações de minério de ferro do Brasil, as políticas do maior estado da América do Sul foram pró-mineração, para dizer o mínimo. Ainda é assim hoje, logo após a ruptura, com a mídia mundial olhando para o país e seu setor de mineração com todos os seus custos ambientais e sociais, a política brevemente frenética e levou ao óbvio: o fim das barragens de rejeitos mais vulneráveis: o barragens “a montante”.

Houve um grande clamor depois que a barragem da bacia de retenção da mina de minério de ferro da Vale na mina Córrego do Feijão, perto da vila de Brumadinho, em Minas Gerais, rompeu em 25 de janeiro deste ano. Tão grande que mesmo políticos arqui-neoliberais pró-indústria declararam publicamente que agora, após as duas rupturas de Mariana (5 de novembro de 2015) e Brumadinho (25 de janeiro de 2019), as estruturas de barragens mais vulneráveis ​​para rejeitos (ou seja, bacias de retenção de principalmente resíduos de mineração liquefeitos) – as chamadas barragens “a montante” não devem mais ser permitidas no futuro e, além disso, as existentes devem ser desativadas e desmanteladas até 2021. Essa decisão, tomada sob pressão da mídia, No entanto, o governo arquineoliberal de Bolsonaro, na forma de seu ministro do Meio Ambiente, Salles, o anunciou de maneira habilmente divulgada logo após a ruptura de Brumadinho, mas foi derrubado novamente apenas alguns meses depois, em agosto de 2019. Se a atenção da mídia caiu e algum tempo passou, então o interesse favorável à indústria prevalece sobre a proteção da natureza e das pessoas.

As barragens, que foram construídas a montante apenas em Minas Gerais e estão em operação, foram originalmente programadas para atingir a vida útil máxima e as barragens devem ser descomissionadas até 2021. Mas depois a Agência Federal de Mineração ANM deu às empresas até mais seis anos, dependendo do tamanho da barragem. O tamanho da memória é levado em consideração para o novo prazo restante, de acordo com a ANM da época. Na verdade, todas as barragens “a montante” devem estar em operação até 15 de agosto de 2021, o mais tardar. A desativação estendida permitirá que as mineradoras concluam os trabalhos em setembro de 2022 para aterros com até 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos, agosto de 2025 para instalações de até 30 milhões de metros cúbicos e até agosto de 2027 para estruturas com mais de 30 milhões de metros cúbicos de enchimento de lodo de mineração.

Mas mesmo essa abordagem pró-indústria não está à altura da indústria de mineração do Brasil. Um olhar sobre o estado mineiro de Minas Gerais revela o problema: das 54 barragens existentes no estado de Minas Gerais que foram construídas pelo método “a montante”, 49 ainda não foram desmontadas, segundo a fundação estadual de meio ambiente Fundação Estadual do Estudo criado pelo Meio Ambiente (Feam).

O presidente da Associação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, descreveu recentemente o prazo especificado, no entanto, como “irrealizável”. Ele estima que o processo de descomissionamento durará pelo menos até 2030. “Não vale a pena estabelecer um prazo irrealista. A legislatura, então, estabeleceu uma data sem analisar como isso deveria acontecer”, disse o presidente da Fiemg, Roscoe. Segundo Roscoe, o setor de mineração já investiu R$ 16,7 bilhões – o equivalente a atualmente 2,7 bilhões de euros – em medidas para aumentar a segurança dessas barragens e seu descomissionamento nos últimos três anos. De acordo com o panorama divulgado pela Fiemg, sete barragens já foram desmontadas e outras 12 serão desmontadas até 25 de fevereiro de 2022. No total, a indústria chegou assim a 19 barragens de rejeitos desmontadas da marca de construção “Upstream”.

Muitas barragens de rejeitos de mineração são construídas usando o método “upstream”, que é de longe o menos caro, mas também o mais vulnerável de todos os sistemas de barragens de rejeitos. Depois, há o método do centro e o método a jusante. O último, o método a jusante, é o mais caro, mas o mais seguro de todos os métodos de construção de barragens de rejeitos. Como lembrete, as estatísticas de falhas de barragens dizem que falhas de rejeitos são estatisticamente 10 vezes mais propensas a falhar do que barragens hidrelétricas (o que é interessante porque a Comissão Internacional de Grandes Barragens (ICOLD) não incluiu barragens de despejo de minas em seu registro de 58.000 barragens , porque então eles fariam as estatísticas de falhas de barragens parecerem tão devastadoras). No método “upstream”, é construída uma barragem, atrás da qual o lodo de mineração é armazenado, após alguns anos este secar, uma nova barragem é construída em cima da barragem e parte do material então (espero bastante) seco, que então novamente tem uma camada absorve lama. Este processo pode ser repetido até dez vezes, resultando em barragens com várias centenas de metros de altura. 

Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil, isso ainda está se arrastando. uma nova barragem é construída em cima da barragem e parte do material então (espero bastante) seco, que então absorve uma camada de lama novamente. Este processo pode ser repetido até dez vezes, resultando em barragens com várias centenas de metros de altura. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. 

As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil, isso ainda está se arrastando. uma nova barragem é construída em cima da barragem e parte do material então (espero bastante) seco, que então absorve uma camada de lama novamente. Este processo pode ser repetido até dez vezes, resultando em barragens com várias centenas de metros de altura. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil, isso ainda está se arrastando. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil isso ainda está se arrastando. Com o método do centro, o empilhamento é realizado na área da barragem, com o método “a jusante”, a barragem é alargada em declive. As barragens “a montante” há muito são proibidas na América Latina, por exemplo, no Chile. No Brasil isso ainda está se arrastando.

Os pagamentos de indenização aos afetados, que a mineradora Vale tem que fazer, também estão sendo sacados. Nem todos foram indenizados, os processos ainda estão em andamento e os advogados ainda estão atuando em nome da Vale, relata a mídia brasileira. Na verdade, a jurisdição do Brasil prescreve um prazo máximo de até três anos. Mas sempre há argumentos jurídicos inovadores, noticia o jornal Brasil de Fato. Por exemplo, muitas das pessoas afetadas pelo rompimento da barragem de Mariana ainda não receberam nenhuma compensação, e os novos assentamentos prometidos e ordenados pelo tribunal ainda não foram amplamente concluídos. A separação de Mariana já faz mais de seis anos. O caminho para a justiça é longo, mas permanece questionável se algum dia levará ao objetivo.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Kooperation Brasilien [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s