Estudos mostram lado nefasto do produtivismo acadêmico

SCRIPTORUIM_2_INTERNA_V

Por Evanildo da Silveira para a “Questão de Ciência”

Ninguém do mundo acadêmico desconhece a expressão – ou princípio, ou mandamento – “publish or perish”, em português “publique ou pereça”. Significa que um cientista que não publica artigos em periódicos especializados, relatando suas descobertas, não é produtivo, é irrelevante ou, no limite, não existe para a comunidade acadêmica. Ele terá dificuldades para progredir na carreira, conseguir financiamento para suas pesquisas e formar novos pesquisadores, pois não terá bolsas de mestrado ou doutorado a oferecer.

Aos poucos, no entanto, esse mantra draconiano começa a ser questionado. Ou pelo menos estudado. “O número de artigos científicos com o tópico ‘publish or perish’ tem aumentado nos últimos anos, publicados em revistas de diferentes áreas do conhecimento e não apenas em revistas dedicadas à cientometria, por exemplo”, diz o físico Peter Alexander Bleinroth Schulz, da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Limeira. “A percepção é de que a cultura associada ao mandamento precisa ser mudada”.

De acordo com ele, é o que se constata ao buscar a expressão em base bibliográfica internacional (Web of Science): poucas vezes mencionado no século passado, o número de artigos, cartas e editoriais em periódicos científicos, em diferentes áreas, sobre este tema vem crescendo notavelmente nos últimos anos. Schulz cita um estudo realizado na área de Economia em universidades holandesas pelo pesquisador Henrik van Dalen.

O autor do trabalho explica que escolheu estudar as faculdades de Economia da Holanda porque elas alcançaram uma posição de destaque na Europa e vêm se internacionalizando rapidamente. Quarenta e três por cento dos estudantes delas são estrangeiros e a maioria das aulas nos departamentos de economia é ministrada em inglês.

Van Dalen detectou uma clara divisão entre os economistas. Aproximadamente dois terços dizem que a pressão para publicar tem mais pontos negativos do que positivos, e um terço vê apenas pontos positivos e não negativos. Essa divisão não ocorre por causa da pressão em si, pois todos a sofrem igualmente. De acordo com o autor, o posicionamento em relação ao princípio de publicar ou perecer está mais ligado ao lugar que se ocupa na hierarquia. Professores titulares têm uma atitude muito mais positiva quanto ao princípio.

Para o médico Guilherme Werneck, doutor em saúde pública e epidemiologia pela Universidade de Harvard e professor das universidades Federal (UFRJ) e do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), o impacto do “publique ou pereça” é perceptível em várias áreas do conhecimento e gera preocupações sobre suas consequências na formação de pesquisadores e, ao final, na própria credibilidade da ciência. “Por isso, muitos grupos de pesquisa têm se dedicado a estudar este processo em diferentes áreas e contextos, enfatizando os seus efeitos em vários aspectos da vida acadêmica”, diz.

Entre esses aspectos, estão ética na pesquisa; credibilidade da ciência; redução do interesse pela carreira acadêmica; qualidade de vida e saúde mental de pesquisadores; desperdício de recursos com pesquisas e artigos pouco relevantes ou não inovadores; custos crescentes do uso de recursos de pesquisa para publicação; explosão de editoras e revistas científicas de má qualidade (popularmente conhecidas como revistas e editoras “predatórias”).

Segundo Werneck, existem muitos dados na literatura sobre esses temas. Como exemplo, cita um estudo feito na França que mostrou que os critérios de autoria do International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE) muitas vezes não foram seguidos, e que a “autoria concedida”, quando o nome de um pesquisador que não colaborou de modo significativo com o trabalho aparece na lista de autores,  era uma prática frequente. “O sistema ‘publicar ou perecer’ foi apontado como a principal causa desses abusos”, diz.

Outra pesquisa, realizada na Holanda, identificou que uma atitude negativa em relação ao sistema de publicação está presente em todos os níveis acadêmicos e campos disciplinares. Nesse estudo, pós-doutorandos e professores assistentes perceberam o maior estresse em relação à publicação, e os doutorandos notaram falta de recursos para enfrentar situações de estresse relacionado à demanda por publicação.

Werneck cita um terceiro exemplo. Um inquérito nacional entre pesquisadores biomédicos na Bélgica mostrou que 15% dos entrevistados admitiram ter fabricado, falsificado, plagiado ou manipulado dados nos últimos três anos. “A pressão da publicação foi frequentemente relatada (72%) e significativamente associada com maior gravidade de má conduta científica”, diz.

Os pesquisadores brasileiros não estão alheios ao assunto. “Existe uma iniciativa em andamento no país para replicar experimentos biomédicos realizados ao longo dos últimos 20 anos”, conta Werneck. “O trabalho poderá jogar luz sobre a confiabilidade da pesquisa publicada nessa área”.

Para o biólogo Demétrio Luís Guadagnin, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), essas iniciativas e estudos que vêm sendo realizados mostram que a ciência é capaz de ser cética consigo mesma. “É uma autocrítica que está sendo feita”, diz. “Isso é bom, é o caminho para melhorar”. Mas enquanto a melhora não vem, as consequências do “publique ou pereça” vão continuar existindo.

Guadagnin vê dois lados na questão. “Há consequências boas e ruins (lembrando que o que é bom ou ruim depende de quem julga)”, explica. “Pelo lado bom, conforme o julgamento ortodoxo, a seleção dos melhores e os consequentes ganhos de eficiência e produtividade na academia. Pelo lado ruim, a deturpação dos valores superiores da ciência em favor de caminhos que facilitem a permanência e ascensão no sistema”.

Schulz é mais incisivo. Para ele, a principal consequência do princípio do “publique ou pereça” é que a publicação deixa de ser uma consequência natural da pesquisa para ser um fim em si mesmo. Em outras palavras, deixa-se de avaliar a ciência em si para, simplesmente, considerar o número de artigos e seus indicadores associados. “Em uma analogia econômica, deixa-se de lado a economia real para só olhar o mercado financeiro”, compara.

A química Teresa Dib Zambon Atvars, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), acrescenta outras consequências, entre elas o surgimento de revistas com pouca qualificação e que publicam artigos com pouco ou nenhum critério de qualidade. “Na sequência, surge um comércio com as chamadas revistas predatórias, nas quais se paga para publicar”, diz. “Todos os dias os pesquisadores recebem convites para publicar ou para organizar números especiais, convidando colegas. Algumas dessas são sérias, têm impacto, são lidas, outras são apenas depósitos de papers impublicáveis em revistas mais sérias”.

Por isso, considera, o sistema precisa mudar. Caso contrário, a ciência corre risco de estagnação. No Brasil, ela diz que a alternativa é medir o potencial de inovação da pesquisa, não no sentido de gerar tecnologia, mas no de avaliar corretamente o que o trabalho traz de novidade em relação ao que vem sendo feito, no mesmo campo, pelos melhores grupos do mundo. “Isto significa mudar a cultura de avaliar resultado (o número de papers) para medir impacto (no que o trabalho feito muda a ciência)”, defende. “Não é fácil, mas é necessário. Exige uma mudança de paradigmas, uma cultura de avaliação e preparo para fazê-la”.

Segundo o biólogo Victor Jose Mendes Cardoso, professor aposentado do Instituto de Biociências do campus de Rio Claro da Universidade Estadual Paulista (Unesp), para que ocorram mudanças deve ficar claro que publicar faz parte da vida de todo cientista. Quem não publica não divulga suas ideias e sua contribuição às ciências e à sociedade em geral. “A questão é que ‘publicar’ deve ser entendido num conceito amplo, não necessariamente a produção de papers, mas também outros meios de divulgação e de interação com o público alvo das pesquisas”, explica. “Atualmente, a produção de artigos científicos assume uma importância desmesurada. Isso precisa mudar”.

Evanildo da Silveira é jornalista

color compass

Este texto foi originalmente publicado pela revista “Questão de Ciência” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s