Por trás da conexão Azov-Brasil: como os neonazistas estão pressionando para “ucrainizar” o Brasil

Um pequeno número de bolsonaristas brasileiros se tornou celebridade nas redes sociais ao cruzar a fronteira da Ucrânia para lutar contra a Rússia, mas, como relata Brian Mier, grupos neonazistas ucranianos têm influência no Brasil há anos

mpn news cover

Por Brian Mier para a MPN News

Nas últimas duas semanas, um pequeno grupo de bolsonaristas brasileiros se tornou celebridade nas redes sociais ao cruzar a fronteira com a Ucrânia para lutar contra a Rússia – posando com fuzis no Instagram, recitando orações às forças especiais e compartilhando monólogos em vídeo elogiando a irmandade de pessoas de todo o mundo que se reuniram em uma base de treinamento perto da cidade ucraniana de Lviv para matar “comunistas” russos. A inexperiência do grupo foi demonstrada pelo fato de que a maioria de suas postagens nas mídias sociais incluíam informações de geolocalização.

Tudo isso mudou após um ataque com mísseis na base de treinamento perto de Lviv em 13 de março, após o qual uma série de fotos e vídeos mais humildes começaram a surgir em seus feeds do Twitter e Instagram.

Do outro lado da fronteira polonesa, Jefferson Kleidian postou uma selfie brandindo um dedo mindinho ferido e agradecendo a Deus por mais um dia na Terra.

Jefferson Kleidian Ucrânia

O ex-combatente Jefferson Kleidian agradece a Deus por mais um dia na Terra de um lugar seguro na Polônia

Andre Hack postou que havia perdido amigos na base. O instrutor de tiro ao alvo de 28 anos e fanático por Bolsonaro Tiago Rossi twittou um vídeo dizendo que ele havia fugido da base imediatamente antes do ataque com mísseis. “Nossa legião inteira foi destruída, a informação que tenho é que todos morreram. Você não entende como é ter um jato de combate disparando um míssil contra você. Não pensei que fosse uma guerra de verdade”, disse ele.

O que esses brasileiros estavam fazendo na Ucrânia em primeiro lugar? Para responder a essa pergunta, é preciso olhar para o ressurgimento da ideologia nazista no Brasil e o aprofundamento da relação entre os grupos neonazistas brasileiros, que cresceram impressionantes 270% desde que Jair Bolsonaro assumiu o cargo em 2019, e o neo-nazista ucraniano. -Organizações nazistas como Azov.

Durante a década de 1930, o Brasil foi sede do maior partido nazista alemão fora da Europa e teve um movimento fascista endógeno muito maior, chamado de integralistas , que tentou decretar um golpe em 1938. O golpe foi esmagado, mas a ideologia sobreviveu em um país que já sofria de severo racismo estrutural como o último lugar nas Américas para erradicar a escravidão negra.

O atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro – que chegou ao poder apenas após uma operação conjunta do DOJ dos EUA e do Ministério Público do Brasil prendeu o principal candidato presidencial de 2018 por falsas acusações – começou sua carreira como capitão do exército durante uma ditadura militar subfascista , que empregou Táticas da Gestapo como esquadrões da morte e tortura contra líderes sindicais, intelectuais e comunistas.

Como deputado em 2004, Bolsonaro escreveu uma série de cartas para sites neonazistas , dizendo coisas como “vocês são a razão de eu estar na política”. Apoiado em uma plataforma de discurso de ódio anticomunista, sua presidência desencadeou uma enxurrada de apoio público ao fascismo, que estava latente desde o fim da ditadura. De acordo com a lei brasileira, organizações nazistas são ilegais, mas segundo a professora de antropologia e pesquisadora nazista Adriana Dias, existem atualmente 530 células neonazistas operando no BrasilDesde 2012, essas organizações tiveram interações crescentes com organizações nazistas ucranianas, o que resultou em nazistas brasileiros ganhando experiência de combate com Azov em Donbass e uma campanha para “Ucrânia Brasil” liderada por uma facção extremista de direita de apoiadores de Bolsonaro.

O papel de uma FEMENazi

Sara Fernanda Giromini era uma adolescente envolvida em gangues de skinheads nazistas em São Paulo quando abriu uma conta VK e fez amizade com neonazistas russos e ucranianos e conheceu o  FEMEN depois de ler sobre isso no Facebook. VK é uma popular plataforma de mídia social administrada pela Rússia.

Giromini visitou a Ucrânia pela primeira vez em 2011, onde conheceu e treinou com líderes do FEMEN e outros atores da extrema-direita ucraniana. Após retornar ao Brasil em 2012, passou a se chamar Sarah Winter em homenagem ao fascista inglês da década de 1920.

Depois de uma série de protestos de topless que transformaram Giromini em uma celebridade, o FEMEN Brasil implodiu em menos de um ano. Bruna Themis, número dois da organização, pediu demissão e deu uma série de entrevistas de denúncia , dizendo que os ucranianos exigiam que expulsem qualquer brasileira que não atendesse a sua aparência física sexista e padrões de peso; que o verdadeiro líder do grupo era um político menor de extrema-direita chamado Andrey Cuia, que frequentemente viajava de ida e volta para a Ucrânia; e que Cuia e Giromini estavam roubando doadores e guardando o dinheiro para si.

Sara Giromoni

Depois de posar com armas enquanto ameaçava de violência contra ministros da Suprema Corte, Giromoni foi colocado em prisão domiciliar

Pouco depois, o FEMEN Ucrânia anunciou que o FEMEN Brasil não tinha nada a ver com eles, apesar de Giromini ter sido presa durante um protesto do FEMEN em Kiev em 2012. Giromini agora diz que durante seu tempo no FEMEN, eles pagaram US$ 2.000 por protesto .

De acordo com a professora Dias, após o fechamento do FEMEN, Giromini, que continua amiga de vários líderes do Azov e do Batalhão Phoenix em sua conta VK até hoje, começou a convidar neonazistas ucranianos para o Brasil.

Em 2016, a polícia civil do estado do Rio Grande do Sul, que abriga várias ondas de imigração alemã e italiana e uma longa tradição fascista própria, realizou uma investigação contra grupos neonazistas que planejavam ataques violentos contra afro-americanos. Brasileiros, judeus e LGBT+ e descobriu que a milícia neonazista ucraniana Divisão Misantrópica estava recrutando nazistas brasileiros em sete cidades do estado para servir como combatentes voluntários com Azov na região de Donbas. A investigação, batizada de “Operação Azov ”, recebeu ampla cobertura da imprensa brasileira e  israelense na época.

Depois que o principal candidato Luiz Inácio Lula da Silva foi preso arbitrariamente durante a campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro foi levado ao cargo em uma onda de propaganda anticomunista influenciada pelos nazistas que o levou a rotular qualquer pessoa ou organização que o criticasse como comunista. A certa altura, ele até chamou a revista conservadora mais antiga do mundo, The Economist , de “ A Comunista ”.

Giromini, a essa altura um membro ativo do movimento antiaborto, fez campanha pesada por Bolsonaro. Depois que ele assumiu o cargo em 2019, ela iniciou uma chamada pública para “Ucranizar o Brasil”. Muitas das figuras públicas mais reacionárias associadas a Bolsonaro, como o deputado abertamente fascista do Rio de Janeiro Daniel Silveira , aderiram à campanha. O professor Dias diz: “A tática de Azov sempre foi trazer um grupo de 300 pessoas para uma cidade e, por meio de atividades de treinamento com os moradores, iniciar um movimento extremista de direita”. Giromini mudou-se para Brasília e iniciou uma organização chamada “grupo dos 300” para ajudar a construir apoio à ucranização do Brasil.

Em 2020, depois que o Supremo Tribunal Federal bloqueou uma das tentativas de Bolsonaro de contornar a Constituição, o grupo de 300 de Giromini acampou na esplanada nacional, realizou uma série de protestos com tochas em frente ao prédio do tribunal e disparou fogos de artifício nele. Posando para selfies com armas, ela citou violência contra ministros da Suprema Corte; em 15 de julho de 2020, o Supremo Tribunal ordenou sua prisão . Depois de duas semanas na prisão, ela recebeu uma tornozeleira, foi transferida para prisão domiciliar e ordenada a ficar longe das redes sociais. Ela está lá desde então.

Sara Giromini

Sara Giromini AKA Winter, liderando um protesto em frente ao Supremo Tribunal

Enquanto isso, bandeiras ucranianas e símbolos da extrema direita ucraniana se tornaram cada vez mais populares nos comícios pró-Bolsonaro. Em 2020, um ex-soldado e consultor de segurança chamado Alex Silva, que vive em Kiev desde 2014 e diz ser membro de uma “força policial voluntária auxiliar” lá, desencadeou uma polêmica na mídia que levou a um aviso oficial do ucraniano. Embaixada quando içou uma bandeira vermelha e preta do Pravyi Sektor em um caminhão de som em um comício de Bolsonaro e foi fotografado andando pela multidão usando-a como uma capa. Silva, agora de volta a Kiev, tornou-se outra celebridade da internet para a extrema-direita brasileira, postando vídeos de suas patrulhas voluntárias armadas de Kiev ainda esta semana .

Ucranizando o Brasil

Leonel Radde é um vereador de Porto Alegre que passa muito tempo investigando grupos neonazistas no Rio Grande do Sul. Questionado sobre as conexões entre grupos neonazistas brasileiros e ucranianos, ele disse:

Vemos claramente que a maioria dos grupos nazistas aqui usa elementos de design ucranianos. Estão usando os mesmos símbolos – principalmente o sol negro – e todos usam esse discurso de ucranizar o Brasil. Eles também conversam entre si sobre a adaptação das táticas ucranianas para montar acampamentos e ocupar praças públicas e coisas assim. Eles estão definitivamente tentando copiar o que aconteceu na Ucrânia em 2014. Estamos tentando descobrir o quanto eles estão apenas copiando coisas que veem na internet ou se estão sendo financiados pela Ucrânia, embora Sarah Winter tenha passado um tempo perto de Porto Alegre fazendo organizando o trabalho e ela começou tudo isso.”

O influenciador de extrema-direita Alex Silva, ex-soldado e “policial auxiliar voluntário” em Kiev, envolto em uma bandeira Pravyi Sektor em um protesto de 2020 em São Paulo

Enquanto isso, influenciadores de mídia social de extrema direita como Alex Silva ainda estão enviando relatórios da Ucrânia. Na semana passada, a Embaixada da Ucrânia em Brasília disse ter recebido 100 pedidos de brasileiros pedindo para se voluntariar para o exército ucraniano, e o UOL informa que análise de grupos bolsonaristas nas redes sociais mostra que outros 500 estão planejando ir.

Se o ataque com mísseis perto de Lviv e os relatos vindos de ex-combatentes brasileiros assustados que escaparam para a Polônia mudarão isso ainda não foi visto. Independentemente disso, está claro que a doutrinação política dos nazistas ucranianos tomou conta da crescente extrema-direita do Brasil e será um fator na temporada de eleições presidenciais deste ano.

Foto de destaque | MintPress Notícias | Imprensa associada

Brian Mier (@BrianMteleSUR) é correspondente no Brasil do telejornal da TeleSur em inglês From the South, coeditor do Brasil Wire e co-apresentador do programa de WebTV em português Globalistas no Brasil 247. Ele mora no Brasil há 26 anos. 

color compass

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo MPN News [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s