A guerra no Rio de Janeiro

Polícia volta a fazer estragos em uma favela. Crimes e situação agravada são denunciados

riokrieg

Vida normal, mas difícil tornada impossível: protesto contra a operação policial no Alemão (Rio de Janeiro, 21 de julho de 2022)

Por Norbert Suchanek para o JungeWelt

É a quarta operação policial mais mortal da história do Rio de Janeiro contra traficantes nas favelas. Apoiados por dez blindados e quatro helicópteros, cerca de 400 policiais armados com fuzis automáticos invadiram o Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, na última quinta-feira. A “operação” durou 12 horas, durante as quais a polícia estadual e civil do Rio causou estragos no bairro de 13 favelas de mais de 70.000 pessoas. Dezenas de pessoas ficaram feridas e pelo menos 17 pessoas morreram na chuva de balas do ataque policial, incluindo 16 suspeitos de crimes e uma mulher inocente em um carro, segundo a polícia. Um policial foi morto a tiros pelos criminosos que estavam montando as barricadas em chamas.

Na manhã seguinte, quando a polícia estava limpando uma das últimas barricadas do Alemão, houve outra vítima: Solange Mendes, de 49 anos, voltava das compras para casa quando, segundo testemunhas oculares, um policial atirou acidentalmente nela e a atingiu fatalmente na cabeça. Moradores do Complexo do Alemão também relataram inúmeros ataques de policiais que invadiram casas e apartamentos aleatoriamente durante a intensa troca de tiros e os revistaram.

Em seu comunicado, a Associação Nacional das Favelas do Rio de Janeiro criticou duramente a ação policial: “Foi mais uma manhã de terror. Na guerra na Ucrânia e em vários outros conflitos, usar helicópteros para disparar de áreas civis é ilegal é um crime internacional. Mas nas favelas acontece todo dia, como agora no Alemão.” Os helicópteros blindados Águia usados ​​aterrorizavam os moradores. Essa lógica de guerra da polícia carioca não resolve o problema de violência da cidade, ao contrário, o agrava.

Segundo o Coronel Ivan Blaz, porta-voz da Polícia Militar Organizada do Estado, a operação foi uma “operação de perigo iminente” para impedir a propagação do crime organizado. Os narcotraficantes Comando Vermelho, que controla o Alemão, estão mudando suas atividades criminosas, é são responsáveis por vários assaltos a bancos recentes e estão oferecendo abrigo a criminosos de outros estados. Blaz justificou o massacre à mídia dizendo que eles haviam sido atacados pelos criminosos.

Além das 16 pessoas baleadas, a polícia prendeu quatro suspeitos e confiscou uma metralhadora de grande calibre, quatro fuzis automáticos e duas pistolas, segundo o registro oficial da operação. Em maio 25 pessoas morreram em ações semelhantes na Vila Cruzeiro, em maio de 2021 no Jacarezinho 28 e em junho de 2007 também no Complexo do Alemão 19 pessoas. Mas estes são “apenas” os outliers. Há anos, a polícia do estado do Rio de Janeiro é considerada uma das mais violentas do mundo. Os anos mais sangrentos até agora foram 2018, com 1.534 pessoas mortas por serviços de emergência e 2019, com 1.814 mortos. No ano passado, a polícia carioca matou a tiros um total de 1.356 pessoas, segundo dados do Instituto de Segurança Pública.

Para comparação: de acordo com o banco de dados do Washington Post , policiais nos Estados Unidos mataram “apenas” 1.055 pessoas no ano passado, enquanto oito pessoas foram vítimas de violência policial na Alemanha em 2021.

No Brasil, porém, há estados em relação ao número de habitantes em que os policiais disparam ainda mais do que no Rio. Isso mostra as estatísticas do anuário brasileiro de segurança pública apresentadas em 2021. Em 2020, a polícia matou 13 pessoas por 100 mil habitantes no Amapá, 8,9 em Goiás, 8,5 em Sergipe e 7,6 na Bahia. No Rio houve 7,2 mortos a tiros por serviços de emergência por 100.000 habitantes.

O Alemão é muitas vezes referido como a »zona pobre«. Mas é mais um bairro da classe trabalhadora, onde a maioria das pessoas tem empregos mal remunerados, mas regulares, frequenta a escola ou estuda. No entanto, operações policiais como a de quinta-feira os impedem de fazê-lo, e alguns perdem seus empregos como resultado.


compass black

Este texto escrito originalmente em alemão foi publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s