Estudo aponta que florestas tropicais estão menos úmidas e resistentes, ficando mais vulneráveis

sequia-bosques-996x567A Amazônia apresenta uma redução de umidade mais acentuada do que nas florestas tropicais africanas e asiáticas. Crédito da imagem: Antonio Alberto Nepomuceno/Flickr , sob licença Creative Commons (CC BY-NC 2.0)

Enquanto na floresta latino-americana a redução foi de 93%, especialmente no sul e sudoeste, nas florestas tropicais africanas e asiáticas a redução foi de 84 e 88%, respectivamente.

Além disso, nos três continentes, as florestas tropicais apresentam baixa resiliência à seca, ou seja, pouca capacidade de retornar às condições que apresentavam antes dos períodos de déficit hídrico . Os dados, publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States (PNAS) , apontam o quão limitada é a capacidade desses biomas de resistir a futuras secas.

Com base na observação de imagens de radar de longo prazo (entre 1992 e 2018), com base nos satélites ERS e ASCAT, o estudo relata uma crescente vulnerabilidade dessas florestas à seca.

“Usamos um conjunto de dados que penetra na densa cobertura de nuvens sobre florestas tropicais intactas. Como resultado, vemos uma vulnerabilidade crescente às secas”, disse Shengli Tao, principal autor do estudo, pesquisador do Centro Nacional de Estudos Espaciais de Toulouse, na França, e professor assistente do Instituto de Ecologia da Universidade da França. disse à SciDev.Net Pequim, na China.

“Após o período de estresse causado pela seca, espera-se que a floresta tenha capacidade de retornar à sua condição anterior. O que os autores dizem neste estudo é que isso não aconteceu, antecipando que, com as mudanças climáticas, haverá secas cada vez mais prolongadas.”

Marcos Pedlowski, Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Rio de Janeiro, Brasil

De acordo com o estudo, as variações nos sinais de radar refletem a dinâmica do dossel florestal (a cobertura florestal superior formada pela copa das árvores) e, portanto, estão relacionadas às mudanças na biomassa das árvores, que inclui folhas, galhos, troncos etc.

Ao comparar as mudanças no sinal do radar durante os eventos de seca, os cientistas descobriram que a diminuição da intensidade do sinal do radar durante as secas estava relacionada à diminuição da biomassa. Isso ocorre porque as secas repetidas resultam na redução da produtividade florestal. Ou seja, menos sinal, menos vegetação.

“Em nosso estudo encontramos uma tendência de longo prazo de diminuição do sinal de radar e vimos que essa diminuição reflete em parte uma redução da biomassa nas florestas tropicais e uma mudança na umidade da floresta”, explica o autor.

Segundo o especialista, algumas secas ocorridas após 1992 provocaram reduções de sinais que não se recuperaram até 2018. Isso é alarmante porque as florestas desempenham um papel importante na regulação do clima. Não ser capaz de recuperar seu estado anterior afeta suas funções de retenção de água e armazenamento de carbono.

Segundo o geógrafo Marcos Pedlowski, professor do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), no Rio de Janeiro, Brasil, o artigo traz uma má notícia e um alerta importante.

“Após o período de estresse causado pela seca, espera-se que a floresta tenha capacidade de retornar à sua condição anterior. O que os autores dizem neste estudo é que isso não aconteceu, antecipando que, com as mudanças climáticas , haverá secas cada vez mais prolongadas”, diz o pesquisador, que não esteve envolvido no estudo.

Em entrevista por telefone ao SciDev.Net , Pedlowski também afirmou que a pesquisa é oportuna para desconstruir o equívoco de que as florestas podem ser abusadas, porque elas acabarão voltando ao seu ponto original.

“Sempre houve a noção de que as florestas terão essa capacidade ‘mágica’ de autocorreção, e este estudo mostra que não é bem assim. Já temos evidências de que o lado brasileiro da bacia amazônica não é mais um sumidouro de carbono, ou seja, a Amazônia brasileira está confirmando as afirmações feitas nesta pesquisa”, disse ele, referindo-se a um estudo recente publicado na revista Nature , segundo ao qual a Amazônia, em nove anos, liberou mais CO 2 na atmosfera do que absorveu .

Shengli concorda. “Se essa vulnerabilidade continuar, ou até piorar, pode significar que as florestas tropicais não funcionarão mais como sumidouros de carbono atmosférico. Consequentemente, para alcançar o Acordo de Paris, precisaremos considerar mais estratégias de mitigação dos setores de energia e industrial”.

Segundo os pesquisadores entrevistados, a mitigação climática não pode ser pensada apenas com foco nas florestas. Além da preservação desses biomas, outras estratégias são necessárias, pois os cenários climáticos modelados para o século XXI indicam um aumento na frequência de secas e na temperatura do ar nos trópicos.


compass black

Este artigo foi produzido pela edição da América Latina do SciDev.Net e foi publicado em espanhol [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s