Campos dos Goytacazes sente o peso das mudanças climáticas em meio à formas tradicionais de governar

wp-1671483252770

A tarde desta segunda-feira (19/12) está sendo marcada por chuvas intensas no município de Campos dos Goytacazes e os seus efeitos já podem ser sentidos em diversas partes da cidade, incluindo os que já inundam tradicionalmente e outros que normalmente aguentam mais a chegada de grandes quantidades de água em pouco espaço de tempo, como é o caso da Avenida Sete de Setembro (ver vídeo abaixo).

Como a previsão meteorológica está prevendo que o pico de precipitação será amanhã, não fica difícil imaginar que a Defesa Civil Municipal terá momentos de trabalho intenso, pois há a possibilidade de que as águas adentram residências e obrigam seus moradores a procurem abrigo em outros locais.

Ainda que chuvas intensas ocorram no município, o fato é que estamos presenciando um padrão relativamente singular de chuvas ao longo de 2022, e que tudo indica teremos um versão especialmente chuvoso.

Prever o que estar por vir não chega a ser complicado, pois continuamos vivendo de forma relativamente despreocupados em meio a uma inegável mudança do padrão de chuvas. Mas o problema é que o governo municipal (como o de resto a maioria dos municípios brasileiros) também vive alheio ao que está acontecendo com o clima. Tanto isso é verdade que não há qualquer processo de emergência funcionando, inclusive para acurdir os motoristas campistas que neste momento se encontram ilhados em ruas tomadas pelas águas.

Essa forma antiquada de governar, gosto sempre de lembrar, já está claramente identificada na dissertação de mestrada defendida no Programa de Políticas Sociais da Uenf pelo cientista social André Moraes Barcellos Martins sob o título “ O desafio da gestão urbana em Campos dos Goytacazes no contexto das mudanças climáticas: entre a construção da resiliência e a persistência de fórmulas tradicionais de governar“. Mas mais d oque observar a visão ultrapassada de gestão municipal que perpassa as elites governantes de Campos dos Goytacazes, Barcellos Martins apontou os caminhos para modernizar a forma de governar e melhorar preparar o governo municipal para enfrentar os efeitos quase apocalípticos das mudanças climáticas.

Resta saber se uma hora dessas alguém vai tomar a sério esse estudo feito na Uenf e que já poderia estar sendo usado para impedir a repetição das cenas que cada uma dessas mega chuvas causa na vida da cidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s