Carvão australiano: empresas de mineração na Suíça aumentam os lucros enquanto os aborígenes pagam o preço

Desde a invasão da Ucrânia e as sanções contra os combustíveis fósseis russos, a Austrália exporta carvão para a Europa. De mãos dadas, autoridades e grupos mineradores, como Glencore e Adani, aproveitaram a situação para dar impulso a projetos polêmicos. A ONG  suiça Public Eye se reuniu com os povos aborígines e ativistas ambientais que estão organizando a resistência ao lobby da mineração
carmichael 1
Por Public Eye

Tendo perdido sua transição energética, a Europa é forçada a substituir o carvão russo barato pelo carvão australiano para garantir seu suprimento de energia. E assim, a redução gradual do carvão, decidida em 2021 na Conferência do Clima de Glasgow, vem acumulando poeira. Mais uma vez, são as comunidades indígenas que estão pagando o preço, enquanto as empresas de commodities suíças estão colhendo os benefícios. No estado de Queensland,a Public Eye está investigando um dos megaprojetos do conglomerado indiano Adani, grupo que, em 2020, estabeleceu uma filial comercial em Genebra, presumivelmente para vender seu carvão. O negócio de Gautam Adani, a terceira pessoa mais rica do mundo, contou com o apoio do Credit Suisse, que o ajudou a levantar cerca de 27 milhões de dólares americanos em títulos naquele ano, segundo nossos dados. Em 2022, a multinacional produziu 10 milhões de toneladas de carvão na mina de Carmichael. De lá, o carvão é transportado de trem até o terminal Abbot Point, também controlado pela Adani, e depois encaminhado para a Ásia e a Europa.

Este projeto prejudicial ao clima provocou indignação entre os povos aborígenes porque a mina Carmichael está localizada nas terras dos povos Wangan e Jagalingou. No momento de nossa pesquisa, em outubro de 2022, cerca de quinze pessoas ocupavam o terreno localizado em frente à concessão que a Adani quer transformar em uma das maiores minas de carvão do mundo. Eles estiveram lá por 406 dias. Aborígenes e ambientalistas denunciam a agressividade da multinacional e a complacência das autoridades. A Public Eye pôde testemunhar como a Adani trata as pessoas interessadas em suas atividades. Durante nossa investigação, seus serviços de segurança nos seguiram e nos filmaram. Pouco depois, recebemos ordens por e-mail para deixar o acampamento aborígine, ameaçando com ação legal se divulgássemos nossa filmagem. Dados fornecidos pela Argus Media mostram que, atualmente, uma parcela considerável da produção da Adani é escoada para portos europeus. Desde o início da guerra na Ucrânia, a Austrália exportou 3,3 milhões de toneladas de carvão para a Europa, incluindo 1,4 milhão de toneladas de Abbot Point.

A Adani não é a única empresa com grandes planos na Austrália, país que detém a terceira maior reserva de carvão do mundo. Em 2021, a Glencore, a maior mineradora do país, lançou ataques públicos contra representantes de comunidades indígenas que se opunham ao seu projeto de ampliação da mina de Glendell. A mineradora suíça, que se comprometeu a eliminar gradualmente o carvão, é criticada por falsas promessas e seu histórico ambiental desastroso. Hail Creek, outro projeto do grupo, está entre as minas a céu aberto mais poluentes. A análise das imagens de satélite em junho de 2022pela empresa de pesquisa Ember mostrou que, na verdade, vaza mais de 10 vezes a quantidade de metano (um gás de efeito estufa particularmente poderoso) do que a Glencore declarou aos reguladores. Outro projeto polêmico é o Valeria, que deve se tornar a maior mina da Austrália. No início de dezembro de 2022, a Glencore colocou o projeto ‘em revisão’ devido aos seus compromissos climáticos, mas também como uma reação ao aumento de impostos anunciado pelo governo de Queensland. Uma alavanca para dobrar as autoridades? No local, porém, a Public Eye descobriu que a maioria dos fazendeiros já havia sido desapropriada.


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pela ONG Public Eye [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s