Matéria “nitroglicerina” do SBT Rio deve agitar cenário político, policial e judicial em Campos dos Goytacazes

Resultado de imagem para nitroglicerina pura

A matéria do SBT Rio sobre os bastidores da chamada “Operação Chequinho” foi ar como anunciada e traz uma série de elementos que deverão agitar o cenário político, policial e judicial em Campos dos Goytacazes, ao menos pelas próximas semanas.

É que há ali uma série de ingredientes que colocam em xeque autoridades e suas ações cujas repercussões ainda são sentidas, principalmente no meio político.

Agora é esperar para ver os próximos capítulos dessa saga que deve ainda ter desdobramentos importantes.

Abaixo o vídeo com a reportagem que foi ar na edição das 12 horas.

Matéria do SBT Rio promete fazer a terra tremer em Campos dos Goytacazes

Imagem relacionada

Acabo de ler a chamada de uma matéria que o SBT Rio levará ao ar no dia de hoje e aproveito para reproduzir seu conteúdo logo abaixo:

Exclusivo: Reviravolta no Caso da Operação Chequinho, que investiga um suposto esquema de compra de votos na eleição de Campos, no interior do estado. Documentos obtidos pelo SBT Rio revelam que a própria chefe da Delegacia da Polícia Federal de Campos denunciou várias irregularidades que teriam sido cometidas durante o processo. Entre elas, prisões ilegais, coação de testemunhas e até delegado elaborando decisão judicial.

Bom, boa parte dos fatos que serão veiculados pelo SBT Rio já tinham sido fartamente denunciados pelo ex-governador Anthony Garotinho e seus apoiadores. A novidade aqui é que as denúncias agora partem aparentemente da delegada chefe da delegacia de Campos dos Goytacazes. Esta “novidade” certamente é inesperada para muitos, inclusive para mim e adiciona uma pitada explosiva no imbróglio em que se tornou a chamada Operação Chequinho.

Ah, sim, outra novidade anunciada é a participação de um delegado da Polícia Federal na elaboração de decisão judicial. Como decisão judicial é algo que só juízes podem legalmente redigir, resta esperar a veiculação da matéria do SBT Rio para saber qual decisão judicial teria sido escrita por qual delegado da Polícia Federal.

Por isso é que seguindo a Lei de Murphy que eu digo “não há nada que não esteja tão ruim que não possa piorar”. 

Fernando Leite, um ressentido profissional, ataca a UENF

O jornalista e ex-deputado estadual Fernando Leite é um daqueles que eu classifico de ex-amigos ressentidos de Anthony Garotinho. Tendo sido alçado ao seu único cargo de alguma significância pela capacidade política do ex-amigo de angariar votos até para postes, Fernando Leite, sempre que pode e tem espaço, desanca todo o seu ressentimento no seu ex-amigo que, curiosamente, não parece ter a mesma disposição para rebater suas críticas.

Na imagem acima Fernando Leite posa ao lado de Anthony Garotinho ao lado de outro ex-amigo ressentido, o ainda deputado estadual Geraldo Pudim.

Agora, retornando a um cargo comissionado na prefeitura de Campos dos Goytacazes, onde já ocupou alguns ao longo dos anos, Fernando Leite aproveitou uma deixa de seus entrevistadores no jornal “Folha da Manhã” para também mostrar sua capacidade de debulhar ressentimento contra os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) que, segundo, ele insistem em fazer greves que só punem os estudantes e ganham salários acima de outros professores (ver imagem abaixo).

fmanha fernando leite

O curioso é que Fernando Leite “esqueceu” de informar  aos leitores da Folha da Manhã (provavelmente porque seus entrevistadores providencialmente escolheram olvidar isto) que ao longo dos últimos 8 anos, ele esteve posicionado estrategicamente dentro dos (des) governos de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, ocupando cargo comissionado  na vice-governadoria, do qual saiu exonerado apenas dias antes de anunciar que estaria assumindo uma subsecretaria no governo do jovem prefeito Rafael Diniz (PPS) (ver imagem abaixo).

fernando leite 3

Como ocupante de cargo comissionado do (des) governo Pezão ele deveria saber muito bem que a longa greve que ocorreu na Uenf deu-se porque os professores e servidores da universidade chegaram a ficar com 4 meses de salários atrasados. Esse problema o agora detrator do movimento docente da Uenf não deve ter sentido no bolso, visto que os ocupantes de cargos DAS do (des) governo Pezão jamais ficaram desprovidos de seus salários ao longo de 2017.  Assim, eu diria que é fácil criticar, comparecendo ou não ao seu local de trabalho.

Por outro lado, é quase certo que se a informação de que Fernando Leite estava ocupando um cargo de DAS na secretaria de governo fosse de domínio público é bem provável que a reitoria e os sindicatos o tivessem acionado para que participasse do esforço político de fazer com que o (des) governador Pezão parasse de asfixiar financeiramente a Uenf. Entretanto, ao longo dos 6 meses de greve desconheço qualquer visita que Fernando Leite tenha feito ao campus Leonel Brizola para ver de perto o processo de destruição posto em curso pelo (des) governo onde ele possuía um cargo de confiança.  Pelo menos nisso, há coerência, pois periquito que come dificilmente briga com o dono do milharal.

Dada a sua ficha pregressa de ressentido profissional, dificilmente poderíamos esperar qualquer coisa diferente de Fernando Leite. Não há nenhuma surpresa em suas declarações, seja em relação a Anthony Garotinho ou em relação aos professores da Uenf.  Ainda bem que nunca precisamos e nem precisamos contar com seus préstimos, pois de onde nada se espera é que não sai nada mesmo.

Finalmente, é interessante notar para os que não possuem muita memória da história recente da política campista que Fernando Leite é servidor público municipal da Secretaria de Comunicação, onde entrou pela mãos e divina graça do ex-prefeito Zezé Barbosa, avô do jovem prefeito Rafael Diniz, com quem rompeu para se unir a Anthony Garotinho. Agora, ao ocupar um cargo comissionado na gestão de Rafael Diniz, parece estar fechando um ciclo de rupturas e retornos. Ou quiçá começando outro. A ver!

Rafael Diniz foi salvo pela chuva. Mas por quanto tempo?

Heavy rain in Spain

A mídia corporativa local está divulgando com evidente alegria a pouca afluência popular ao ato convocado pelo grupo do ex-governador Anthony Garotinho para protestar contra a gestão do jovem prefeito Rafael Diniz (PPS).

Como passei pela área da Praça São Salvador em torno das 18:00 horas quando chovia canivetes em Campos dos Goytacazes, penso que foi surpreendente que alguém houvesse comparecido no evento.  É que se em dias normais já está difícil circular pela cidade, o que dizer de mais um desses dias que mais parecem aqueles dias que antecederam a partida da arca de Noé.

O fato é que, graças à chuva intensa, o jovem prefeito Rafael Diniz vai passar uma noite sem ver o profundo desgaste político que efetivamente possui entre a maioria desiludida do seu eleitorado.  O jovem prefeito foi, digamos,  não foi salvo pelo gongo, mas pelas chuvas.

O problema é que quanto mais chover, mais problemas aparecerão. com ruas inundadas e cada vez mais desprovidas do asfalto que já desapareceu em várias vias importantes. Assim, a chuva que salva num dia poderá ser a razão do afogamento político de Rafael Diniz. Além disso, há que se lembrar que a estação chuvosa é bem marcada, e depois que ela passar, os muitos problemas represados vai emergir.

 

Rafael Diniz não tem ninguém a temer mais do que a si mesmo e seu estelionato eleitoral


Vejo que existe na mídia corporativa local um esforço para blindar o jovem prefeito Rafael Diniz de uma campanha de desgaste político que estaria sendo comandada pelo ex-governador Anthony Garotinho, que estaria ainda inconformado com a derrota acachapante que seu grupo político sofreu nas eleições para prefeito em 2016.
Minha reação a isso é simples. Se o jovem prefeito não tivesse praticado um dos maiores estelionatos eleitorais da política brasileira na história recente do nosso país, é provável que estivesse completando a tarefa de acabar com a influência política de Anthony Garotinho na política local.
Entretanto, como sua gestão à prefeitura de Campos dos Goytacazes tem estado numa posição de 180 graus de diferença em relação ao que prometeu em sua esfuziante campanha eleitoral, Rafael Diniz não só não acabou com a influência de Anthony Garotinho, como causou uma recuperação tipo “the Flash” de sua legitimidade política em amplos setores da população, habilitando-o a continuar não apenas como ator proeminente, mas como também como um poderoso cabo eleitoral.
E é melhor o jovem prefeito Rafael Diniz rever mais coisas do que simplesmente os valores escorchantes que queria praticar no IPTU. Do contrário, não vai precisar que Anthony Garotinho mexa um dedo para a população se rebelar para demandar o seu processo de impeachment pela Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes.
E conhecendo o comportamento recente de muitos ilustres vereadores que lá estão, é bom que Rafael Diniz não deposite seu futuro político nas mãos deles. É que será mais fácil ver sua base jogando mais gasolina na fogueira do que ligando para o Corpo de Bombeiros. Simples assim!

Reflexão importante sobre os descaminhos do governo de Rafael Diniz

Resultado de imagem para rafael diniz

Publico abaixo um texto de autoria do professor José Luís Vianna da Cruz, professor aposentado da UFF/Campos e hoje atuação no campus local da Universidade Cândido Mendes, acerca dos descaminhos percorridos pela administração do jovem prefeito Rafael Diniz (PPS). Em uma primeira leitura é possível verificar que o professor Vianna da Cruz não está apresentando nada mais do que fatos concretos, mostrando a distância colossal que existe entre as promessas de campanha e os atos de governo de Rafael Diniz.

As contradições que essa distância levantada já estão mais que visíveis na cidade de Campos dos Goytacazes onde prevalece uma profunda desilusão em relação ao jovem prefeito. 

Eu tenho apenas um acréscimo ao texto do professor Viana da Cruz. É que ele afirma corretamente que “é mais provável que este Governo cometa suicídio do que a população se deixe abater.” O problema é que para que tenhamos uma modificação qualitativa no quadro político local há que ocorrer uma transformação nas práticas políticas vigentes, especialmente daqueles que segmentos que estão desiludidos com Rafael Diniz, mas que não querem um retorno ao status quo anterior onde a Prefeitura de Campos dos Goytacazes passou um bom tempo sob o controle do grupo político do ex-governador Anthony Garotinho.  

É que não basta estar desiludido e descontente. Há que se organizar alternativas ao modelo de governo que está vigindo pelas mãos de Rafael Diniz e seus menudos neoliberais. Do contrário, que ninguém se engane, o próximo de Campos dos Goytacazes será alguém que surfará no descontentamento que está se acumulando, muito provavelmente com as bençãos de Garotinho.

INCOERÊNCIAS PERIGOSAS NA POLÍTICA

Por José Luis Vianna da Cruz

A gestão municipal está testando o quanto o povo aguenta sem oxigênio para respirar.
Ataca o transporte ilegal e irregular antes de proporcionar à população o transporte de massa para todos, em condições que atendam às necessidades. Joga a população no transporte ilegal e irregular, como única alternativa, dando um golpe mortal nas finanças do povo. As pessoas perdem o emprego por não conseguir se locomover.
No auge da crise financeira e do desemprego ataca os ambulantes, jogando mais famílias no desemprego e na falta de assistência, antes de prover-lhes oportunidades e alocações concretas, sem contar que o comércio ambulante é universal, em todos os países.

Temos hoje centenas de pequenos agricultores locais produzindo alimentos pelo sistema agroecológico, com problemas de comercialização e escoamento da produção, e a Prefeitura fecha contrato de fornecimento com uma instituição do Espírito Santo, mesmo tendo uma Lei Federal que prega as compras locais.

O fechamento do lixão deixou centenas de famílias ao desabrigo. Um projeto da UFF conseguiu reunir os destituídos do Lixão, estes se organizaram em quatro cooperativas, seguindo a Lei Nacional de Resíduos Sólidos, estão prontos para fazer a coleta seletiva, que é altamente correta, ambientalmente, e uma sentença judicial obriga a prefeitura a contratá-los, o que geraria uma economia de milhões à Prefeitura. A Prefeitura não cumpre a sentença e ameaça jogar centenas de famílias “ao Deus dará”. Como as lideranças são autônomas, independentes e altivas, não aceitando tutela nem manipulação, viraram “persona non grata” para a Prefeitura. As catadoras são o ideal de uma sociedade democrática, pessoas que não se deixam manipular. 

Parte da favela da Linha não aceitou a transferência forçada para um conjunto habitacional indigno de seres humanos, longe e fora de tudo, desprotegido, desprovido, humilhante. O atual governo já disse que não urbanizará a tradicional favela da Linha e não fornecerá transporte até lá, porque quer liberar a área para a especulação imobiliária, para condomínios de moradores de alta renda.

Acho que já deu para ilustrar o que quero expor. Ninguém se deixa sufocar sem luta. A maior parte da população, prejudicada por este Governo, conta com a maior parte da sociedade, com parte do Judiciário e do MP, pessoas que lutam para que todos tenham pleno direito a moradia, circulação, trabalho e renda, nas condições de dignidade. Exemplo disso é que fecharam o restaurante popular e um grupo de campistas continua fornecendo lanche e café da manhã a quem precisa, na porta do Restaurante.
Antes que eu esqueça: o Orçamento de Campos, no ano passado, era o terceiro maior do Brasil, dentre os municípios com população entre 470 mil e 510 mil habitantes. Este ano subiu para segundo, no mesmo grupo (fonte: COMPARABRASIL, na internet).

É mais provável que este Governo cometa suicídio do que a população se deixe abater.

FONTE: https://www.facebook.com/joseluis.viannadacruz

E agora José? MP/RJ conclui que imagens na Cadeia de Benfica foram editadas no noite em que Garotinho diz ter sido agredido

Em matéria assinada pelo jornalista Ítalo Nogueira, o jornal “Folha de São Paulo” apresentou hoje os resultados das análises feitas por peritos do Ministério Público do Rio de Janeiro nas imagens produzidas pelas câmaras da Cadeia de Benfica na noite em que o ex-governador Anthony Garotinho teria sido agredido dentro da cela em que se encontrava [1].

agressão garotinho

E sem muita surpresa (ao menos para mim), descobriu-se que as imagens teriam sido editadas, além de conterem vários pontos cegos em momentos cruciais para confirmar ou negar as afirmações de Anthony Garotinho de que teria sido agredido por um objeto contundente e ameaçado de morte.

Sem ser surpresa, tampouco, a matéria traz informações de que o “monitoramento por câmeras em Benfica é tosco, facilmente manipulável. Qualquer pessoa que possa pode plugar, desplugar. Ter um sistema de monitoramento ridículo, pífio, faz parte do contexto de [benefícios a Cabral]. “

agressao

Diante desse resultado, fico imaginando como ficam aqueles que apostaram que as denúncias de agressão não passavam de mais uma milonga de Anthony Garotinho.  Mas como com Anthony Garotinho é sempre amor ou ódio, quem apostou que era mentira, deverá agora estar lamentando que talvez não fosse. É que a confirmação da manipulação das imagens confere a Anthony Garotinho um tipo de legitimidade que seus inimigos e adversários detestam que ele tenham.

Quanto ao contexto de benefícios dados ao ex-(des)governador Sérgio Cabral, os resultados dessas análises parece ter pavimentado o caminho dele para as masmorras de Curitiba.  Um resultado certamente nada alvissareiro para Sérgio Cabral e seus colegas de celas mal monitoradas em Benfica.


[1] http://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/01/1951729-imagens-do-dia-de-suposta-agressao-a-garotinho-foram-editadas-diz-pericia.shtml