Rádio CBN faz matéria esclarecedora sobre a situação do Porto do Açu

Colapso de Eike Batista afeta obras do Porto do Açu

O empreendimento projetava, quando foi lançado há oito anos, ganhos aos comerciantes e trabalhadores que foram para a região de São João da Barra (RJ).

collage2_586x422 (1)

Ouça reportagem 


FONTE: http://cbn.globoradio.globo.com/rio-de-janeiro/2015/04/18/COLAPSO-DE-EIKE-BATISTA-AFETA-OBRAS-DO-PORTO-DO-ACU.htm#ixzz3XfgKs4qk

Em nova nota “Pôncio Pilatos”, reitoria dá pistas sobre o tamanho da crise financeira que assola a UENF

Certamente sob pressão da crescente insatisfação estudantil frente ao atraso no pagamento de diversos tipos de bolsas acadêmicas, a reitoria da UENF veio à público no final desta 3a. feira (03/03) com mais um nota no estilo “Pôncio Pìlatos” que, pelo menos dessa vez, foi assinada pelo reitor, Silvério de Paiva Freitas.

Apesar do tom lacônico e conformado, a nota da reitoria da UENF deixa transparecer que todas as atividades da universidade estão sendo prejudicadas pelo atraso das bolsas. O fato é que uma parcela significativa de todas as atividades em qualquer universidade brasileira são realizadas por estudantes que, em contrapartida, recebem bolsas que na maioria das vezes estão com valores completamente defasados.

Agora, o mais grave é que enquanto professores e servidores técnicos podem fazer greve, e rotineiramente o fazem para defender seus direitos, os estudantes não possuem uma estrutura sindical própria, e nem possuem quaisquer direitos assegurados em relação ao cumprimento dos prazos de pagamentos de suas bolsas. Na prática, os bolsistas ficam jogados à mercê da própria sorte, o que acaba sendo agravado pela postura submissa da reitoria da UENF frente ao processo de sucateamento e desmanche que o (des) governo comandado por Luiz Fernando, o Pezão, vem impondo às universidades estaduais.

De toda forma, apesar de todas as dificuldades que eu apontei acima, os sinais que recolho em conversas com os estudantes é que eles não estão dispostos a esperar pela boa vontade de Pezão ou da tomada de uma postura mais pró-ativa da reitoria da UENF. Assim, que ninguém se surpreenda se o caldo entornar não apenas na UENF, mas também na UERJ e na UEZO. É que se os estudantes resolverem suspender suas múltiplas atividades vinculadas às bolsas que não são pagas, a situação que já está ruim, vai ficar ainda pior.

Nota da Reitoria

Ciente dos transtornos que vêm sendo causados à comunidade universitária em decorrência do atraso no pagamento dos bolsistas, a Reitoria esclarece que as bolsas UENF em atraso são todas aquelas pagas com a chamada “verba descentralizada da Faperj”.

Trata-se de uma verba concedida pela Faperj a todas as universidades estaduais, especificamente, para que estas possam conceder bolsas para atuar em projetos vinculados às Pró-Reitorias de Graduação (PROGRAD); Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG); e Extensão e Assuntos Comunitários (PROEX).

Todos os procedimentos referentes ao pagamento de janeiro/2015 foram concluídos no tempo correto e, desde o dia 09/02/15, encontram-se à disposição da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) aguardando a sua execução. Do mesmo modo, todos os procedimentos referentes ao mês de fevereiro/2015 foram concluídos hoje, 03/03/15, restando a liberação financeira pela Sefaz.

Informamos que a Reitoria tem feito e continuará fazendo gestões cotidianas junto às diversas Secretarias de Governo, principalmente a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Sect), à qual a UENF está vinculada, bem como à Faperj, no sentido de solucionar este problema.

A Reitoria assegura aos bolsistas que as bolsas em atraso estão previstas no orçamento da Universidade e serão saldadas tão logo a liberação financeira seja providenciada pela Sefaz.

A Reitoria aguarda da Sefaz uma previsão de pagamento e, tão logo tenha essa informação, divulgará à comunidade da UENF.

Silvério de Paiva Freitas
Reitor

Estudantes mostram o caminho para defender a UENF: organizando a luta!

Enquanto a reitoria da UENF se mantém em completa passividade frente à ameaça de caos financeiro que paira sobre a instituição deixando centenas de bolsistas sem pagamento por tempo indeterminado, o movimento estudantil mostra que o caminho para impedir o desmanche e o sucateamento promovidos pelo (des) governo Pezão será feito por meio da luta organizada!

Para estruturar as respostas que serão dados pelos estudantes, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) está convocando uma assembleia para esta terça-feira (03/03) onde deverão ser estabelecidas as estratégias para um enfrentamento que se mostra inevitável, visto que o atraso no pagamento das bolsas é apenas o primeiro sintoma mais evidente do caos que deve se estabelecer na UENF caso os cortes orçamentários feitos por Pezão não sejam imediatamente revertidos.

Abaixo a convocatória que está sendo circulada pelo DCE-UENF.

DCE panfleto

Crise na UENF: Diretório Central dos Estudantes convoca assembléia extraordinária para organizar a luta

 

dce

Assembleia Geral dos Estudantes – URGENTE

Terça às 17:00 Restaurante Universitário Cícero Guedes

O Conselho Representativo do DCE-UENF vem por meio deste comunicado convocar Assembleia Geral Extraordinária em caráter de URGÊNCIA para discutir as seguintes pautas:

1 – Atraso no pagamento das Bolsas;

2 – Discussão/organização de futuros atos;

3 – Representações das câmaras de graduação;

4 – Outros assuntos.

Vale ressaltar a necessidade de todos os estudantes estarem presentes, as assembleias convocadas pelo DCE são de suma importância por ser o espaço de deliberações dos estudantes e onde decidimos e encaminhamos as propostas de mobilizações, atos e atividades. Essa luta é de todos! Participem, Uenfianos!

FONTE: https://www.facebook.com/events/426772627489608

Reitoria quebra silêncio e lança nota “oca” sobre o atraso no pagamento das bolsas dos estudantes

Após um longo e inexplicável silêncio, a reitoria da UENF acaba de ver a público para oferecer um arremedo de explicação sobre o inaceitável atraso no pagamento das bolsas de milhares de estudantes. O texto da nota é um simulacro de explicação, e não oferece qualquer garantia objetiva de que o pagamento das bolsas referentes ao mês de Dezembro de 2014 ocorrerão em breve.

Eu diria que esse texto da reitoria da UENF é um belo exemplo do que acontece com dirigentes acadêmicos que abandonam a defesa das comunidades universitárias que os elegeram para abraçar os governantes de plantão.

Mas é preciso lembrar que em Dezembro passado houve apoiador da reitoria da UENF criticou a decisão drástica do reitor da UERJ de fechar os portões da sua universidade por causa da absoluta falta de orçamento. Naquele momento, esses apoiadores saudaram uma suposta capacidade do reitor Silvério Freitas de negociar com Pezão a quitação dos débitos da UENF. 

Pois bem, essa é uma ótima hora do reitor da UENF mostrar suas habilidades de negociador, já que os estudantes que dependem das bolsas para saldar seus compromissos não podem ser deixados à mercê da própria sorte! Vamos lá, magnífico, negocia!

Eis a nota assinada pelo reitor Silvério Freitas

Nota do Reitor sobre o pagamento das bolsas UENF de dezembro

A atual conjuntura orçamentária do estado do Rio de Janeiro já foi bastante publicizada e, até mesmo, explicada pelo governador eleito que já anunciou cortes preocupantes.
A UENF tomou as medidas cabíveis para o pagamento das bolsas desde a segunda metade do mês de dezembro, todavia,o Tesouro não executou os desembolsos solicitados.
A Reitoria fez gestões junto a SEFAZ, SECT e a SEPLAG, além do próprio gabinete do Governo para que o pagamento de cada bolsista ocorra o mais rápido possível. Obtivemos a informação de que tal pagamento deverá ocorrer até meados da próxima semana.

Reitor Silvério de Paiva Freitas

FONTE: http://www.uenf.br/dic/ascom/2015/01/20/ascom-informa-20-01-15/

Voltar para casa e logo sentir o cheiro de cana queimada. Isso não tem preço!

Foto: Chegar em Campos dos Goytacazes e logo sentir o cheiro de queimada de cana no ar.  Priceless!

Depois de passar uma semana em Londres, e admirar o trabalho de recuperação ecológica que os ingleses fizeram no Rio Tâmisa,  chega a ser decepcionante olhar para o céu azul da planície campista e ver novamente uma nuvem de fumaça pairando no ar.   Longe de ser um cultuador acrítico do mundo das economias centrais, essa decepção tem a ver com a constatação de que continuamos insistindo em práticas ultrapassadas e apostando nos mesmos modelos de geração de renda que os portugueses apostaram quando chegaram no Brasil no Século XVI.

E de TAC em TAC, continuamos nossa sina de poluir, adoecer e ver uns poucos lucrarem, enquanto a maioria arca com as consequências de um modelo de geração de lucro que nos mantem firmemente acorrentados ao passado. E em que pese os discursos modernizantes e pseudo-ecológicos que ainda temos de ver nas propagandas eleitorais – de deputado estadual a presidente!

 

Sindicato dos Vigilantes de Campos faz protesto na entrada da UENF por causa do atraso de pagamentos dos funcionários da HOPEVIG

20140610_141205[1]

A UENF é hoje uma universidade onde não faltam conflitos, especialmente os de ordem trabalhista. No início desta terça-feira (10/06), um grupo de militantes ligados ao Sindicato dos Vigilantes de Campos, que são liderados pelo presidente Luiz Carlos Rangel da Rocha, fazem um protesto na entrada principal do campus principal por causa do constante atraso do pagamento dos guardas patrimoniais que prestam serviço na UENF. 

É que, mais uma vez, os salários desses trabalhadores se encontra atrasado, fato que vem se repetindo ao longo de 2014, fruto da política de contingenciamento financeiro imposto pelo (des) governo Cabral/Pezão sobre a UENF.

UENF: atraso das bolsas estudantis revela descaso do (des) governo Cabral

A corrosão salarial de professores e servidores é apenas a face mais óbvia de um processo de asfixia financeira imposto pelo (des) governo de Sérgio Cabral sobre a Universidade Estadual do Norte Fluminense. Uma face menos conhecida, mas ainda mais gritante é o atraso no pagamento das bolsas acadêmicas de centenas de estudantes de graduação e pós-graduação.  No primeiro mandato do (des) governo Cabral esse pagamento era feito normalmente no início de cada mês subsequente à vigência da bolsa. Entretanto, após a entrada do Bradesco como instituição financeira encarregada do pagamento de proventos e bolsas de servidores estaduais, a coisa começou lentamente a degringolar.

Agora, em pleno mês de janeiro, quando a maioria dos estudantes está no campus por força de suas obrigações, o pagamento ainda foi feito, estando previsto para o dia 24/01 (amanhã). Se o atraso de pagamento de salários já cria um imenso problema, imaginem o que acontece com estudantes cuja maioria provém de camadas menos privilegiadas da população e cujas famílias façam um grande esforço para manter estudando!

E a reitoria da UENF? Em meio a uma situação que beira o descalabro, os gestores da UENF se resumem a colocar a culpa na Secretaria de Planejamento e Gestão (SEPLAG) como mostra a mensagem abaixo postada hoje pela Assessoria de Comunicação:

“Pagamento de bolsistas: crédito na conta nesta sexta, 24. A Gerência de Recursos Humanos da UENF (GRH) informa que, em virtude de procedimento da Seplag (Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão), o pagamento dos bolsistas da Universidade estará liberado na conta corrente nesta sexta, 24/01, e não nesta quinta, como inicialmente previsto por aquela Secretaria.”

É aquela famosa situação do Pilatos que lava as mãos, deixando os bolsistas com múltiplos problemas para honrar seus compromissos que incluem o pagamento de aluguel, isto sem falar na alimentação. Por sinal, o bandejão que poderia amenizar o problema, continua solenemente fechado e sem data para começar a funcionar.

Em suma, o (des) governo Cabral e a reitoria da UENF não estão nem ai para os bolsistas! E depois ainda temos que ouvir loas para as ótimas colocações que os estudantes da UENF alcançam no ENADE. Que excelente paga!

OGX paga primeira parcela de dívida milionária em atraso

Empresa fundada por Eike Batista efetuou o pagamento de uma das parcelas para a Queiroz Galvão e afirmou que quitará as próximas da mesma maneira

 

Size_80_paula-bezerra
Paula Bezerra, de ,

REUTERS/Ricardo Moraes

O empresário Eike Batista

 Empresário Eike Batista, fundador da OGX: empresa efetuou o primeiro pagamento para a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP)

 

São Paulo – A Óleo e Gás Participações, antiga OGX, quitou a primeira, de três parcelas em atraso nos campos de Atlanta e Oliveira, na Bacia de Santos, que juntas somam mais de 70 milhões de reais.

De acordo com a assessoria de imprensa da petroleira fundada por Eike Batista, as demais parcelas também serão pagas da mesma forma.

Em novembro, a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), operadora do bloco BS-4, afirmou que a OGX deixou de cumprir o pagamento de investimento de recursos, realizado entre os meses de novembro e dezembro.

Se a petroleira não honrar a dívida do consórcio, poderá perder um dos acordos mais valiosos para a empresa.

Recuperação judicial

Em outubro do ano passado, a petroleira entrou com pedido de recuperação judicial, com dívidas de 11,2 bilhões de reais, uma das maiores já registradas na América Latina.

Previsões da companhia apontam que até março a ex-OGX poderá se livrar da condição de recuperação judicial. Isso porque, a empresa conseguiu fechar um acordo com seus credores, que converterão a dívida de aproximadamente 5,8 bilhões de dólares em uma participação acionária na companhia.

Pelo acordo, os detentores dos bônus terão o direito de participar de um empréstimo de entre 200 milhões a 215 milhões de dólares, para manter a empresa com em operação, de acordo com um comunicado da companhia.

FONTE: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/ogx-paga-primeira-parcela-da-divida-milionaria-em-atraso