Após suspensão dos serviços do bandejão, DCE/UENF antecipa assembleia estudantil

A resposta do Diretório Central dos Estudantes à suspensão do fornecimento de alimentação no bandejão da UENF foi rápida. A sua coordenação decidiu antecipar uma assembleia que ocorreria amanhã para esta segunda-feira no horário de 12:00 horas, como mostra a convocação abaixo.

dce bandejaoA gravidade da crise financeira na qual o (des) governo Pezão resolveu afundar as universidades estaduais já causava fortes transtornos no funcionamento cotidiano da UENF. Agora se empresa terceirizada resolver que só volta a fornecer alimentação após receber os atrasados, o mais provável é que a temperatura suba de vez no interior do campus universitário Leonel Brizola.

Em meio a essa crise, o que fica explícito é que o modelo de gestão adotado pela reitoria da UENF chegou ao seu esgotamento.  E mais prejudicados são os estudantes que estão com suas bolsas atrasadas desde fevereiro, e agora correm o risco de ficar sem a alimentação fornecida pelo bandejão. Simples assim!

 

Sem cheiro de comida no bandejão da UENF

bandejão

Ainda não existem maiores informações sobre o que aconteceu (a causa mais provável é a falta de pagamento dos serviços prestados pela empresa terceirizada), mas é provável que nesta segunda-feira a comunidade universitária da UENF não terá como usar o bandejão para matar a fome. É que estudantes que foram comprar seus tickets alimentação bateram com a cara na porta.  Para reforçar a impressão de que hoje não vão ser servidas refeições, também não senti o costumeiro e agradável cheiro de comida ao chegar no Centro de Ciências do Homem.

A informação que já circula é de que está acontecendo uma reunião, daquelas de tipo urgente, entre a reitoria e a empresa terceirizada que gerencia o bandejão da UENF. Após essa reunião talvez possamos saber o que está de fato acontecendo. E, mais importante, quando o serviço de alimentação voltará a funcionar.

Movimento estudantil se antecipa e coloca nome de líder sem terra assassinado no restaurante universitário da UENF

A tarde desta sexta-feira (19/12/2014) está servindo para que o movimento estudantil da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) dê um prova de maturidade política ao se antecipar à cerimônia oficial de inauguração do restaurante universitário e colocar uma placa simbólica dando o nome do líder sem terra Cícero Guedes.  Cícero Guedes foi covardemente assassinado em janeiro de 2013 enquanto organizava a luta pela desapropriação das terras da Usina Cambaíba em Campos dos Goytacazes.. 

Essa é um justo reconhecimento à memória de Cícero Guedes que participou de forma solidária de várias mobilizações realizadas pelos estudantes da UENF visando a conclusão da obra que permitisse o início do funcionamento do restaurante universitário que foi iniciada em novembro de 2008. Eu só espero que o Conselho Universitário da UENF siga esse excelente sugestão em sua próxima reunião, mas certamente o movimento estudantil da UENF vai trabalhar para que sua sugestão prevaleça.

Abaixo imagens dos estudantes em torno da placa que o Diretório Central dos Estudantes da UENF confeccionou para homenagear Cícero Guedes. Ele com certeza estaria muito feliz ao ver a luta frutificando na forma de refeições para os estudantes da universidade a que tanto admirou e serviu com sua sabedoria e capacidade de liderança.

IMG_1421 IMG_1411 IMG_1418 IMG_1443

Cícero Guedes, presente!

mst2

Reitoria anuncia dia de inauguração do bandejão com a presença do (des) governador Pezão

IMG_8818

A matéria abaixo dá conta que FINALMENTE o bandejão da UENF vai ser inaugurado, e com a presença do (des) governador Luiz Fernando Pezão! Esse é um brinde que a reitoria dá não à comunidade universitária, mas a Pezão, justamente no momento em que ele conseguiu impedir que as universidades estaduais do Rio de Janeiro recebem os 6% previstos na constituição estadual!

Mas o mais incrível  dessa inauguração é o dia e horário designados para a inauguração dessa unidade: sexta-feira (19/12), 14 horas! Ou seja, vai ser inaugurado no dia em que se inicia o recesso acadêmico! É que, na prática, essa inauguração acaba sendo para inglês ver, já que a imensa maioria dos potenciais usuários já deverá ter até partido quando Pezão chegar para fazer a inauguração do bandejão.
 
O essencial aqui vai ser a necessidade de que os usuários do bandejão, principalmente os estudantes, estejam pronto para cobrar a qualidade dos serviços que serão prestados em 2015, já que para 2014 o que se terá é uma inauguração para Pezão fingir que se preocupa com a UENF, enquanto nos mantém asfixiados financeiramente e sem maiores perspectivas de melhorias.
 
De toda forma, essa inauguração atrasada (lembremos todos que a reitoria prometeu que o bandejão funcionaria a partir do primeiro dia de aula do segundo semestre de 2014) é bem a cara dos gestores da UENF que descumprem seus compromissos no plano interno e são sempre muito dóceis com o (des) governo do Rio de Janeiro.

Restaurante universitário será inaugurado na Uenf

Phillipe Moacyr
Clique na foto para ampliá-la
Funcionários do Restaurante da Uenf já estão trabalhando nas instalações do local

Foram seis anos de obras, inúmeras paralisações e retomadas, diversas especulações de datas para conclusão do projeto e, finalmente, o Restaurante Popular da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), deve ser inaugurado na próxima sexta-feira, 19, às 14h, com a presença do governador Luiz Fernando Pezão e do secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Alexandre Vieira.

Em julho do ano passado, a Uenf estimou que o projeto custaria aproximadamente R$ 3,4 milhões até o final da construção, R$ 700 mil a mais que os R$ 2,7 milhões previstos à época do edital. Questionado ontem sobre o valor total investido no Restaurante, o diretor de Informação e Comunicação da Uenf, Vanildo Silveira, não soube precisar o quantitativo. 

Para a próxima semana estão previstos testes experimentais para assegurar a funcionalidade do Restaurante, que tem capacidade para fornecer três mil refeições diariamente. Vanildo garantiu que a estrutura está pronta e os todos os equipamentos instalados. “O que estão sendo feitos são ajustes finais”, contou. Ontem uma equipe da empresa vencedora da licitação, MMW Irmãos Alimentos LTDA, estava limpando o saguão enquanto a equipe de reportagem visitou o campus. O impasse na conclusão das obras do Restaurante Universitário, chamado entre os estudantes de “Bandejão”, motivou acampamento no campus e greve de fome de alguns alunos.

Num evento realizado em 10 de julho do ano passado, na própria Uenf, o prefeito da Universidade, Gustavo Xavier, informou que as refeições para os estudantes custariam, no máximo R$ 2 e que os alunos carentes teriam gratuidade. Às vésperas da inauguração as regras são outras: alunos cotistas (carentes) terão apenas uma refeição gratuita e pagarão R$ 3 pela outra; estudantes de graduação em geral pagarão R$ 3; de pós-graduação R$ 4; e os servidores R$6.

FONTE: http://www.odiariodecampos.com.br/restaurante-universitario-sera-inaugurado-na-uenf-17277.html

 

Bandejão da UENF: será que agora vai?

Um estudante que vem observando de perto, e compreensível interesse, a saga da abertura do bandejão da UENF. Pois bem, agora acabo de receber fotos tiradas de uma equipe que esteve no prédio do bandejão aparentemente para finalizar os preparativos para sua abertura. 

O boato que anda circulando é que a abertura está próxima. E seria mesmo bom que seja assim, pois o recesso acadêmico de fim de ano começa na próxima sexta-feira (19/12) e seria muito feio para a reitoria da UENF não conseguir iniciar o funcionamento do bandejão ainda em 2014, ainda que seja por apenas uma semana. Afinal, o cheirinho de comida é esperado desde o já distante ano de 2008! A ver!

Abaixo as imagens que me foram enviadas!

bandejão 1 bandejão 2

UENF: ah, se o meu bandejão falasse!

IMG_8038

A obra do restaurante universitário (bandejão) da UENF é provavelmente merecedora de estar no livro de recordes do Guinness, mas as razões não são exatamente gloriosas. É que a construção deste esperado restaurante, que teima em começar a não servir a tão esperada comida, completou seis anos inglórios no último mês de novembro! Isso mesmo! Esta obra teve seu início no cada vez mais distante novembro do também rapidamente longínquo ano de 2008!!

De lá para cá um montante desconhecido de recursos foi consumido para, convenhamos, dar vida a um prédio que não tem nada de especial em termos de beleza, e que contém vários problemas graves que vão tornar sua operação algo complexo para quem quer que seja que se disponha a pô-lo para funcionar.

No meio disso estão as diferentes gestões que ocuparam a reitoria da UENF que vêm dando um show de incompetência (ou teria sido tudo parte de um plano maquiavélico?) já que a obra está passando pelo segundo reitor, sem que se saiba exatamente quando o restaurante vai começar a funcionar, em que pesem os vários milhões que já foram colocados numa obra cujos um dos exemplos de mal uso de recursos é telhado composto pelas anti-ecológicas telhas eternite feitas de amianto.

Aliás, o atual reitor, Silvério Freitas, chegou até a assinar um documento durante a última greve em meio a uma greve de fome de dois estudantes se comprometendo a fazer o bandejão funcionar no reinício das aulas do segundo semestre de 2014. Mas, como sempre, mais esta promessa não foi cumprida, e com o agravante de que explicações plausíveis jamais foram oferecidas à comunidade universitária da UENF.

A minha maior preocupação é que faltando apenas 15 dias para o início do recesso de fim de ano, a abertura do bandejão acabe sendo jogada para 2015. E como o orçamento do próximo ano é uma incógnita, sabe-se lá se haverão recursos para garantir o oferecimento de refeições subsidiadas aos estudantes que, afinal, serão os principais usuários do bandejão.

De toda forma, a impressão que se tem é que se os estudantes não se mobilizarem rapidamente, o bandejão da UENF ainda romperá outros recordes negativos até que alguma refeição seja servida lá dentro e com um mínimo de qualidade. 

DCE/UENF lança nota de esclarecimento sobre a não abertura do bandejão

Como previsto, a reitoria da UENF foi incapaz de cumprir o seu compromisso de inaugurar o bandejão na abertura do segundo semestre acadêmico de 2014. Essa falta de cumprimento de compromissos já havia ocorrido em relação à equiparação dos valores das bolsas acadêmicas ao que já é praticado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), e não constitui assim novidade. Lamentavelmente apenas ratifica um padrão de descompromisso com as necessidades objetivas da comunidade universitária, principalmente com os estudantes que são, no caso do bandejão, os principais prejudicados.

Abaixo posto nota de esclarecimentos que está sendo circulada pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UENF a respeito desta lamentável situação. 

nota esclarecimento

Bandejão da UENF: vai ter comida na volta às aulas?

IMG_0187

Um dos maiores compromissos assumidos em documento firmado pelo reitor da UENF, Silvério Freitas, foi de que no início do segundo semestre de 2014 o restaurante universitário (popularmente conhecido como bandejão) estaria aberto e servindo refeições para a comunidade universitária.

Pois bem, o dia do compromisso ser cumprido (ou não) é esta segunda- feira (03/11) quando o calendário acadêmico marca oficialmente o retorno às atividades acadêmicas na UENF. Aliás, a semana já promete ser animada porque estará ocorrendo a semana acadêmica dos cursos de graduação. Esta semana marca uma oportunidade para os estudantes se debruçaram sobre diferentes aspectos de sua formação e para discutir temas importantes para a inserção das diferentes disciplinas na realidade nacional.

Agora vamos ver a reitoria da UENF conseguirá cumprir pelo menos esta meta, já que outras não foram cumpridas. A ver!

Campus militarizado e bandejão privatizado. Essas são as opções neoliberais da reitoria da UENF

A atual reitoria da UENF é definitivamente um símbolo marcante das políticas de privatização do Estado que  foram aplicadas pela dupla Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão. A UENF, que vive uma grave crise financeira, não para de dar maus exemplos de como se deve gerir uma universidade que foi criada para dinamizar e alavancar o processo de desenvolvimento econômico do Norte/Noroeste Fluminense.

Num longo corolário de concessões às políticas privatistas ditadas pela dupla Cabral/Pezão, duas recentes mostram a face mais escancarada de um neoliberalismo canhestro.  A primeira foi a militarização da segurança interna, sob a desculpa de aplacar a incapacidade de pagar a segurança privada. Com isto, a UENF paga à Polícia Militar para que esta realize serviços que deveria prestar de graça e, pior, com o uso de profissionais que terão de abrir mão de sua merecida folga para ter acesso a uns míseros trocados.  Mais neoliberal do que isso é quase impossível, mas a reitoria da UENF tenta!

Essa tentativa fica transparente no modelo de funcionamento do bandejão que será totalmente privatizado e dependente de verbas federais e do estado para que um preço relativamente caro em relação ao resto do país seja suavizado para os estudantes, enquanto professores e servidores técnicos não terão subsídios, sob a desculpa de que recebem vale refeição. O que a reitoria da UENF propositalmente esquece é que o vale refeição dos servidores da UENF teve seu último reajuste há quase uma década! 

O essencial disto tudo é que essa marcha para a privatização já está presente em outras áreas, e representa um sucateamento do projeto político pedagógico e institucional que foi idealizado por Darcy Ribeiro.  Este avanço das políticas neoliberais precisa ser contido com a máxima urgência na UENF. Do contrário em um dia desses a reitoria vai decretar o pagamento de mensalidades escolares sob a desculpa de que esse é o único jeito de fazer a instituição funcionar!

Sempre ciosa de rankings, reitoria quer que a UENF tenha o bandejão universitário mais caro do Brasil

O Jornal Terceira Via publicou hoje uma matéria repercutindo a licitação do bandejão da UENF que traz uma novidade nada saborosa para a maioria dos usuários: o valor unitário proposto na licitação é de R$ 9,65, com isenção de custo apenas para os alunos cotistas que representam a minoria dos estudantes.

Essa “novidade” ocorre e decorre em função do modelo de privatização adotado pela reitoria que estipulou, segundo declaração atribuída ao pregoeiro da UENF, o preço “cheio” da refeição num valor que fica acima do que cobram restaurantes universitários em diferentes partes do Brasil.

Assim, o risco que estudantes da UENF correm é de terem lutado anos pelo bandejão para depois não terem como usá-lo.

 

Licitação para bandejão da Uenf no valor de R$6 milhões é publicada

Processo inclui prestação de serviços como preparo, fornecimento e distribuição de almoço e jantar aos alunos, inclusive aos cotistas

 A apresentação das propostas deverá ser feita até 10h do dia 3 de outubro. Portanto, as empresas interessadas terão apenas onze dias para preparar as propostas. O resultado, de acordo com o presidente da Comissão de Licitação e pregoeiro, Lauro Martins, deve ser divulgado no mesmo dia, cerca de duas horas após o término da licitação.

 “A licitação será aberta a partir do meio dia desta segunda-feira e somente poderão concorrer as empresas cadastradas no sistema de compras do estado, com responsabilidade da secretaria de planejamento (Seplag). Será vencedora a arrematante que oferecer o menor lance”, ressaltou.

 Ainda segundo o pregoeiro, a licitação inclui prestação de serviços como o preparo, o fornecimento e a distribuição de almoço e jantar aos alunos, inclusive aos cotistas.

 “O valor de cada refeição está estipulado em R$9,65, mas os cotistas, por exemplo, terão direito a uma refeição 100% subsidiada. Este valor tende a ser menor com a abertura da licitação. Nas refeições já estão incluídas a bebida e a sobremesa”.  

 O edital pode ser acessado no site da Universidade, a partir das 12h, onde as empresas interessadas terão acesso a todas informações sobre o processo. 

 A existência de um bandejão na Uenf é uma conquista dos estudantes, que há tempos  fazem manifestações para alcançar o direito à refeições, com preços similares aos de outras universidades públicas do Brasil.

FONTE: http://jornalterceiravia.com.br/noticias/campos-dos-goytacazes/56103/licita