Em um país em que governantes desprezam a ciência, o custo sempre será alto

morro da forca
Deslizamento de terra, previsto em estudo de 2016, destruiu hoje prédios históricos no centro da cidade de Ouro Petro (MG)
A persistência das chuvas e o inevitável impacto que elas trazem sobre a estabilidade geológica está trazendo uma série de prejuízos para muitas cidades em Minas Gerais, incluindo as históricas. O último acontecimento que está dando o que falar foi o deslizamento de terras no Morro da Forca na manhã desta quinta-feira (13), em Ouro Preto/MG, cujo resultado foi a completa destruição de casarões no centro histórico da cidade (ver vídeo abaixo).

Para que se tenha ideia da perda que ocorreu hoje em Ouro Preto é só notar que um dos prédios destruídos, o Solar Baeta Neves, era a primeira construção de estilo neocolonial do município. Mas o que a maioria das pessoas que está assistindo chocada à destruição do patrimônio histórico em Ouro Preto é que um estudo de 2016, realizado por pesquisadores da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), vinculada ao Serviço Geológico Brasileiro, já havia previsto o “alto risco de movimento de massa” no local que desmoronou no dia de hoje (ver imagem abaixo).

wp-1642101129377
Este estudo, segundo me foi informado, foi entregue às autoridades locais que, obviamente, optaram por desprezar o prognóstico científico que cerca de 6 anos depois se provou muito preciso. Esse desprezo pela ciência custou um valor incalculável para não apenas para os proprietários dos imóveis destruídos pelo deslizamento de terras, mas principalmente para o patrimônio arquitetônico nacional.
Mas está mais do que claro que a rejeição ao conhecimento científico não está restrito aos governantes de Ouro Preto, mas é a regra entre a maioria dos mandatários brasileiros, e em todas as esferas de governo. Assistindo de longe as cenas de destruição que estão ocorrendo no Norte Fluminense, principalmente em Campos dos Goytacazes e São João da Barra, fica óbvio que estamos diante de governantes que não levam em conta o conhecimento científico existente, seja para responder aos problemas imediatos, seja para preparar seus municípios para o “novo normal” climático que será a ocorrência de eventos meteorológicos extremos em curtos períodos de tempo. Essa postura é quase que uma garantia de que continuaremos expostos à repetição de eventos trágicos, seja em termos de perdas materiais ou de vidas humanas.
A questão da persistência de padrões ultrapassados de governança só será alterada se houver uma clara tomada de posição da população para exigir que a ciência seja internalizada na gestão pública. Também caberá aos cientistas saírem de sua posição majoritariamente passiva frente ao que ocorre na sociedade em que vivem para que o seu conhecimento seja colocado adiante de formas arcaicas de governo que tendem a privilegiar o patrimonialismo e, não raramente, os interesses privados de quem ocupa as cadeiras de poder.

Fortes chuvas na bacia do Rio Doce aumentam risco de ampliação da catástrofe iniciada pelo TsuLama da Samarco

chuva samarco

Ao contrário de que alguns “especialistas” anunciaram o início do período das chuvas não está causando uma diminuição dos riscos associados à erupção do TsuLama da Mineradora Samarco (Vale + BHP Billiton) no distrito de Bento Rodrigues em Mariana (MG). É que depender do imponderável para corrigir o drama iniciado pela negligência das mineradoras é como atrair a primeira lei de Murphy (aquela que diz que não há nada tão ruim que não possa piorar).

chuvas samarco 2

Como mostra o mapa sinótico acima, a intensidade aguda das chuva ao longo da bacia hidrográfica do Rio Doce está potencializando uma combinação desastrosa entre o afogamento da sua calha pelos rejeitos da Samarco com a quantidade elevada que está vindo dos diferentes tributários. A combinação desses dois componentes está causando uma série de alertas pela Defesa Civil de Minas Gerais por causa da possibilidade de inundação de várias cidades.

Para não deixar dúvidas dos efeitos dessa combinação de fatores negativos, posto abaixo duas páginas do Boletim Extraordinário que foi emitido hoje pelo Sistema de Alerta Hidrológico da Bacia do Rio Doce que é mantido pela Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais (CPRM).

chuvas samarco 3 chuvas samarco 4

As informações postadas pela CPRM confirmam a sinergia negativa entre o aumento da pluviosidade e a consequente elevação das cotas de diversos rios, bem como um esperado aumento no nível de turbidez ao longo da calha principal do Rio Doce até a sua foz em Regência no Espírito Santo. Ainda que nem toda a elevação da turbidez no Rio Doce esteja sendo causada pela chegada de mais material associado ao TsuLama da Mineradora Samarco, o fato que não pode se desprezar é que o aumento da pluviosidade está sim contribuindo para que mais lama que escapou da barragem do Fundão consiga se mover para fora dos locais onde o material se assentou inicialmente.

E mais do que nunca, a pergunta que não quer calar: como será que anda a estabilidade das estruturas que restaram em Bento Rodrigues? É que a pior combinação possível ainda não se realizou e que seria a destruição das barragens que ainda estão precariamente segurando os rejeitos da Samarco e da Vale desde a explosão da barragem do Fundão no dia 05/11/2015.

 

Rejeitos perdem força, mas continuam avançando pelo Rio Doce

Ricardo Moraes/ Reuters
Equipes de resgate em Bento Rodrigues - 08/11/2015

Equipes de resgate em Bento Rodrigues: depois de passar por Colatina há uma mudança de declividade no trecho até Linhares (ES), o que deverá reduzir a velocidade do escoamento

Da AGÊNCIA BRASIL

Uma equipe do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) está monitorando em tempo real, por meio de estações instaladas na calha do Rio Doce, a movimentação dos rejeitos após o rompimento das barragens Santarém e Fundão, no distrito de Bento Rodrigues, município de Mariana, na região central de Minas Gerais.

A previsão é que após a passagem dos rejeitos pela barragem da Usina Hidrelétrica de Mascarenhas, o deslocamento até o município de Colatina, no Espírito Santo, seja de aproximadamente um dia.

Depois de passar por Colatina há uma mudança de declividade no trecho até Linhares (ES), o que deverá reduzir a velocidade do escoamento.Com isso, a previsão é de maior deposição dos rejeitos, aumentando o tempo de chegada a Linhares.

Nos próximos dias, podem ocorrer mudanças na previsão, em decorrência da deposição de sedimentos no reservatório e das chuvas previstas para a região.

Segundo o CPRM, o avanço dos rejeitos não causará enchentes nos municípios localizados às margens do Rio Doce.

Até agora, o número de vítimas em consequência do rompimento das barragens continua o mesmo: há sete corpos identificados e quatro aguardando identificação.

Doze pessoas continuam desaparecidas, sendo nove funcionários da Samarco e três moradores.

Na tarde de ontem (16), a Polícia Militar de Belo Horizonte retirou três pessoas da lista por não serem moradores da região.

FONTE: http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/rejeitos-perdem-forca-mas-continuam-avancando-pelo-rio-doce