No Dia Mundial do Meio Ambiente, a pergunta latente é: ‘O Brasil está preparado para as mudanças climáticas?’  

chuvas 1

Por Christianne Bernardo *

Os eventos climáticos atípicos têm sido cada vez mais frequentes no Brasil. Estamos acompanhando com tristeza a devastação que fortes chuvas causaram em Pernambuco nesses últimos dias. Estudos sobre as mudanças climáticas já revelaram que eventos extremos, como ondas de frio e de calor, chuvas em grandes volumes ou extensos períodos de estiagem, serão cada vez mais frequentes no planeta. Mas, o Brasil está preparado?

A tragédia que se abateu em Pernambuco, o ciclone extratropical Yakecan, que derrubou as temperaturas em boa parte do país e causou frio histórico no mês de maio, o desastre de Petrópolis neste ano e as enchentes que atingiram cidades de Minas Gerais e da Bahia no fim de 2021 e início de 2022 são apenas alguns exemplos recentes de eventos climáticos atípicos.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado neste ano, a “crise do clima” é causada pela ação humana, com efeitos irreversíveis, e vai vitimizar a parcela mais pobre e mais vulnerável da população mundial. O relatório, que alerta para secas e ondas de calor, incêndios, inundações, insegurança alimentar, escassez de água, aumento do nível de corpos hídricos, doenças e outros impactos, aponta as Américas Central e do Sul (onde está o Brasil) como regiões altamente expostas a esses efeitos cada vez mais catastróficos. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, classificou o relatório como “um atlas do sofrimento humano”.

Na região hidrográfica da Baía de Guanabara, a situação não é diferente. Já enfrentamos verões menos chuvosos e com temperaturas mais elevadas, confluência de fatores que causam diversos problemas para uma população de cerca de 10 milhões de pessoas, que representa 80% da população do estado do Rio de Janeiro.

A fim de mapear o cenário atual e identificar perspectivas futuras, o Comitê da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara está elaborando o Plano de Recursos Hídricos da Região V (PRH-RV), que já aponta alguns indicativos preocupantes. Segundo estudos contidos no documento, até 2045, o prognóstico é de aumento da temperatura e diminuição das chuvas. Isso significa que a carga hídrica da região, que apresenta alta densidade demográfica, está em risco.

O que vemos na Região Hidrográfica da Baía de Guanabara é um aumento da carga poluidora que chega nos rios e córregos e acabam desaguando na baía e no mar. A ocupação irregular é um dos fatores que agravam significativamente o problema e o número de imóveis construídos em áreas impróprias e sem infraestrutura básica, como rede de água e esgoto, só cresce.

Sem uma coleta adequada de lixo e esgoto, como podemos pensar em qualquer ação ambiental? A defesa do meio ambiente é construída de forma integrada e precisa contar com instrumentos e políticas públicas. O cidadão atendido em suas necessidades básicas é um vetor de ações ambientais com muito mais condições do que o que não está inserido nestse sistema mínimo de sobrevivência.

O Comitê da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara é uma entidade que cria um ambiente de construção coletiva e discussão entre três pilares da sociedade – Poder Público, Usuários (pessoas jurídicas como concessionárias e empresas) e a Sociedade Civil – para que, como todos “sentados à mesa”, possamos encontrar meios de garantir o atendimento da população, propor melhores usos de recursos naturais, principalmente dos recursos hídricos, e incentivar as boas práticas de recuperação e preservação do meio ambiente.

O discurso ambiental e de prevenção aos eventos climáticos atípicos não pode, e não deve, ser uma pauta descolada da realidade das pessoas. Ele deve estar nas decisões de compra e de consumo de recursos, mesmo as menores e mais corriqueiras. E é só garantindo a cidadania que a preservação ambiental será efetiva.


*Christianne Bernardo tem mestrado em Ciência Ambiental pela UFF e é presidente do Comitê da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara  

Entrevista ao “Terceira Via” sobre alagamentos e mudanças climáticas

Marcos Pedlowski | Pesquisador afirma que alagamentos em Campos devem se agravar com mudanças climáticas.

alamento 1

“Temo as piores consequências dos eventos meteorológicos extremos”, diz Marcos Pedlowski, geógrafo e professor da Uenf

Uma das reportagens em destaque do Jornal Terceira Via desta semana, “Chuvas põem à prova sistema de drenagem de Campos” (clique aqui), avalia alguns problemas relacionados a enchentes e alagamentos. Para o geógrafo e pesquisador Marcos Pedlowski, da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, há vários desafios para serem enfrentados pelo poder público e pela população de Campos dos Goytacazes. Ele afirma que, com as alterações climáticas extremas, os problemas tendem a se agravar nos próximos anos.

A cidade cresce e várias intervenções urbanas acontecem. Como avalia a situação de alagamentos em Campos?

Algo que precisa ser lembrado é que o avanço da malha urbana campista se deu sobre um rico ecossistema de lagoas, o que torna alguns pontos da cidade mais propensos a alagamentos, já que os corpos aquáticos passaram a uma condição de “fantasmas” na paisagem urbana que são incapazes de cumprir as funções de escoamento que prestavam antes de serem aterradas. É por isso que determinadas áreas são sempre o foco de alagamentos mais intensos e persistentes. Eu diria que temos aí um problema crônico cuja busca de soluções tem sido historicamente negligenciada pelo poder público municipal e pelos incorporadores imobiliários que controlam o processo de alteração da paisagem natural para construir seus empreendimentos.

O problema está se tornando mais visível porque estamos passando por um período de alteração dos padrões de chuvas, e agora eventos meteorológicos mais extremos estão ocorrendo mais frequentemente em maior intensidade e em períodos curtos de tempo. Nesse sentido, eu diria que os alagamentos são apenas uma espécie de ponta de um iceberg de problemas urbanos e que deverão se agravar nos próximos anos e décadas já que as mudanças climáticas são um fenômeno que já está claramente demonstrado pela ciência.

Como observa as obras de drenagens e as ações do governo municipal?

Eu diria que essas intervenções foram parciais e insuficientes em função dos problemas acumulados em face do tipo de expansão urbana que se deu, como eu já disse anteriormente com base no sacrifício dos elementos naturais da paisagem. A verdade é que a cidade de Campos dos Goytacazes, apesar de já ter mapeado as áreas que deveriam ser alvo de intervenções retificadoras e alvo de ações de preservação ambiental em seu Plano Diretor Municipal, não possui ações estruturantes para cuidar dos alagamentos e de outros problemas causados por eventos meteorológicos extremos. Na prática, estamos sentados sobre uma bomba de tempo, já que as estruturas construídas não apenas são insuficientes, mas sem a devida manutenção. Eu diria que essa é uma condição propícia para a ocorrência de situações que vão perturbar bastante as vidas dos campistas, especialmente daqueles que vivem em áreas mais propensas a perturbações que esses eventos meteorológicos extremos são capazes de causar. Aliás, o que temos visto em cidades dos estados que estão sendo atingidos por chuvas intensas é que estamos completamente despreparados para a nova realidade climática.  E pior, sem que haja um processo de planejamento que dê conta de preparar nossas cidades para resistirem a esses eventos. Nesse sentido, me parece que a cidade de Campos dos Goytacazes é um bom exemplo do atraso existente no tocante a fazer ajustes para dar conta desses eventos extremos.

Obstrução e coberturas de canais como o caso do Campos-Macaé interfere de que modo nas questões de alagamentos?

Me parece que o caso da obstrução dos canais e o uso deles para despejo de todo tipo de material expressa bem o atraso que temos diante de nós em relação à manutenção dessas estruturas.  Se houvesse um mínimo de planejamento, como já existe, por exemplo, na Europa, a rede de canais existentes no município estaria sendo alvo do mais cuidadoso gerenciamento por parte do governo municipal. Mas o que se vê é a realização esporádica de dragagens que não resolvem o problema e servem apenas para justificar o desperdício de recursos que poderiam estar sendo melhor aproveitados para, por exemplo, recuperar as áreas marginais dos canais com políticas de recuperação da paisagem, de forma a ampliar os serviços ambientais que podem ser oferecidos pelo uso correto dessas estruturas.

Acredita que obras definitivas solucionariam os problemas na cidade?

Em minha opinião há que se ter um processo de planejamento que vá além de obras de engenharia que são necessárias, mas que não resolverão o problema se não estiverem integradas a outras intervenções que coloquem a área urbana do município dentro de um contexto de preservação que vá além de suas poucas áreas verdes.  O fato é que temos de pensar a cidade como algo que faz parte de um contexto geográfico e não apenas algo apartado da paisagem natural.

O que a população e o poder público devem atentar sobre prevenção e combate a alagamentos?

Um fato que me parece urgente é que o governo municipal, independente de quem esteja sentado na cadeira do prefeito, comece a agir de forma a incorporar a inevitabilidade das mudanças climáticas e seus efeitos extremos no planejamento urbano. Cidades que fizerem essa transição, e já existem muitos exemplos disso, poderão responder melhor aos desafios que estão sendo criados pelas mudanças climáticas.  E eu tenho que lembrar que alagamentos e inundações são apenas facetas do processo de mudanças climáticas. A tendência é que passemos a viver por períodos extremos tanto de chuvas como de falta delas, e que tenhamos alternâncias entre muita água e nenhuma água.

No caso do poder público, eu diria que é urgente que se passe de uma postura de completa alienação em relação ao processo de mudanças climáticas para se adotar formas de planejamento ecológico da cidade. E eu não estou falando aqui simplesmente de esforços pontuais de plantio de árvores e criação de praças e outros tipos de áreas verdes.  Há que se transformar a forma de planejar o processo de expansão e de funcionamento da cidade, de forma a assimilar os fenômenos extremos que estão ocorrendo e que tudo indica serão agravados.  Um excelente exemplo disso está sendo realizado pela prefeitura de Estocolmo, capital da Suécia, que está desenvolvendo um programa de iniciativas climáticas que visam preparar a cidade para as consequências das mudanças climáticas dentro de um processo de planejamento de médio e longo prazo.

Aqui em Campos dos Goytacazes, um primeiro passo seria recriar a Secretaria Municipal de Meio Ambiente para que ali sejam concentrados os esforços para estabelecer um processo de planejamento urbano de tipo ecológico, como o que está sendo implementado em Estocolmo. Sem esse primeiro passo, temo que fiquemos condenados a experimentar as piores consequências dos eventos meteorológicos extremos. Além disso, há que se aproveitar o capital humano existente nas universidades locais, pois existe muito conhecimento sobre essa problemática, mas que permanece ignorado na hora de se definir as ações de governo.

Já em relação à população, o que eu esperaria é que se abandone a postura de expectadores de catástrofes para uma mais ativa que não apenas cobre soluções pontuais, mas que se pense em um ambiente urbano que seja acessível e equilibrado em termos das oportunidades dadas a todos os seus habitantes. Mas isso só será possível com mais organização política, especialmente daqueles segmentos que vivam ou trabalham justamente nas áreas mais propensas a serem mais afetadas pelos eventos meteorológicos extremos. Sem essa organização política e a geração de demandas de caráter coletivo, temo que o futuro das cidades brasileiras seja tão tenebroso quanto o que temos assistido com as inundações desse início de 2022.

color compass

Este texto foi inicialmente publicado pelo jornal “Terceira Via” [Aqui!].

A destruição do cerrado alimenta e potencializa as catástrofes climáticas no Matopiba

Área plantada do Matopiba alcançará 8,9 milhões de hectares até 2030

Um dos principais pontos de expansão do agronegócio exportador é a chamada região do Matopiba que é formada por porções territoriais dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. É no Matopiba que grandes grupos empresariais têm aumentado exponencialmente os plantios extensivos da monocultura da soja, normalmente às custas do bioma Cerrado. Com esse avanço desenfreado (que é explicitamente apoiado pelos respectivos governos estaduais sob as benções do governo de Jair Bolsonaro), temos a exposição de grandes áreas outrora ocupados pelo Cerrado que assim tornam mais passíveis de serem impactadas pela erosão de seus solos. Um efeito secundário é o aumento do assoreamento de rios, além da perda da capacidade recarga de aquíferos, coisa que era garantida pela presença do Cerrado.

matopiba destruiçãoA região conhecida como Matopiba engloba áreas dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. (© Marizilda Cruppe / Greenpeace) © Marizilda Cruppe / Greenpeace

Se somarmos a esse avanço da sojicultura em áreas de alto valor ecológico os impactos que acompanham as mudanças climáticas em curso na Terra, que tornam cada vez mais comuns a ocorrência de eventos meteorológicos extremos que causam altos volumes de precipitação em poucos espaços de tempo, veremos que as situações catastróficas que estão ocorrendo na Bahia, Tocantins e Piauí não têm nada de naturais.  O que estamos presenciando é uma combinação particularmente drástica entre eventos climáticos extremos e a consolidação de um modelo agrícola predatório que empurra os mais pobres para áreas periféricas normalmente desprovidas de infraestrutura urbana.

O interessante é que a cobertura dada pela mídia corporativa brasileira sobre a onda de destruição em curso em cidades localizadas sob a influência direta (ou indireta) da sojicultura  do Matopiba passa ao largo dessas conexões, optando pelo oferecimento de uma narrativa catastrofista na qual apenas a questão das mudanças climáticas é vagamente mencionada.

O fato é que a recorrência de situações climáticas extremas será o “novo normal” das próximas décadas, o que deveria estar obrigando a tomada de decisões em prol de políticas de conservação ambiental que protegessem os biomas amazônico e do Cerrado, bem como a adoção de politicas de reorganização das cidades.  Com isso, haveria alguma chance de que pudéssemos alcançar algum nível de preparação para evitar os mesmos tipos de cenas apocalípticas que estamos vendo nesse momento, especialmente na Bahia.

Lamentavelmente, o que tem se visto caminho no sentido ao contrário ao que precisamos. Com o forte controle da agenda político-econômica do governo Bolsonaro pela chamada bancada ruralista, e com a submissão de governos estaduais ditos de esquerda aos interesses do latifúndio agro-exportador, há pouca perspectiva de que tenhamos mudanças significativas em prol da adoção de um modelo agrícola de base agroecológica. 

Vivendo na crise climática

Por que chuvas intensas estão se tornando a norma na Alemanha 

flooding germanyFortes tempestades de Luxemburgo à Renânia do Norte-Vestfália causaram devastação

Por Nick Reimer para o Neues Deutschland

Isso ainda é o tempo ou já é a mudança climática? ”Perguntou um apresentador do Bayerischer Rundfunk quando uma“ tempestade do século ”causou graves danos em Landshut no início de julho. O Wolfratshausen da Alta Baviera foi devastado por pedras de granizo do tamanho de uma bola de golfe, em quase todos os distritos administrativos do Estado Livre havia árvores caídas, porões cheios, linhas ferroviárias bloqueadas.

Esta questão mostra ignorância: o clima é a média do tempo ao longo de um período de pelo menos 30 anos, razão pela qual “ainda tempo” ou “já mudança climática” não podem ser aplicáveis. Nessa questão, há “uma atitude defensiva por trás disso ou a esperança de que ainda não estejamos vivendo na crise climática”, disse o meteorologista da ZDF Özden Terli. Destrói a esperança: já vivemos a crise climática.

A ciência explica repetidamente que um único fenômeno climático não pode provar que a mudança climática já aconteceu há muito tempo. No entanto, ela também nos explica que os mecanismos de uma mudança na atmosfera da Terra fazem com que o clima mude. Mesmo conosco, como a forte chuva mostrou mais uma vez esta semana. 45 pessoas morreram nas enchentes de Elba em 2002, desta vez ainda mais mortes devem ser lamentadas – embora em 2002 tenha chovido duas vezes mais do que agora na Alemanha Ocidental.

Do ponto de vista físico, os crescentes eventos de chuvas fortes são lógicos: o ar mais quente pode armazenar mais água e as massas de ar absorvem sete por cento mais umidade por grau. De acordo com o Serviço Meteorológico Alemão (DWD), a Alemanha subiu 1,6 graus desde 1881. O número de dias em que a temperatura sobe acima de 30 graus Celsius quase triplicou no mesmo período, e as chuvas intensas aumentaram significativamente desde 2001.

No entanto, isso também se deve a um método de medição alterado usado pelo serviço de meteorologia. Até 2001, os meteorologistas usavam cilindros de medição em suas estações meteorológicas. “Chuvas fortes costumam ser um evento de pequena escala”, disse Andreas Becker, especialista em precipitação do DWD. Naquela época, uma inundação bíblica poderia cair sobre qualquer aldeia – mas os cilindros de medição da próxima estação meteorológica permaneceram secos porque estavam muito distantes. “Nós sabíamos sobre o aguaceiro”, diz Becker, “mas não podíamos medi-lo.”

Isso mudou abruptamente quando o Serviço Meteorológico Alemão mudou para “radar”: o DWD colocou em serviço, entre outras coisas, sistemas que monitoraram o espaço aéreo “inimigo” por décadas durante a Guerra Fria e agora estavam “desempregados”. O radar de chuva que alguns usam em seus smartphones é um produto disso.

Graças à localização do radar, o serviço meteorológico estadual agora também identifica as menores células de tempestade. A série de dados do radar ainda é muito curta para tirar conclusões com certeza científica. Nas pesquisas de clima, são considerados períodos de pelo menos 30 anos, mas os radares estão funcionando há apenas 20 anos. Mas as tendências já podem ser reconhecidas – mesmo se você excluir os anos de 2006, 2014 e 2018, em que choveu com frequência e que pode distorcer o quadro geral.

“Mesmo se levarmos em consideração anos extremos, vemos que o número de chuvas intensas aumentou desde o início das medições de radar”, disse o especialista em DWD Becker. Embora o serviço meteorológico registrasse 500 a 700 chuvas fortes por ano no início dos anos 2000, o número recentemente aumentou para mais de 1000 por ano – especialmente muitos nos meses de verão. Becker: “Isso significa que os resultados das medições tendem a confirmar o que nossos modelos climáticos prevêem.” Mais água armazenada no ar também significa mais energia e significa mais poder destrutivo. Em 2016, atingiu Braunsbach: a »pérola em Kochertal« perto de Schwäbisch Hall foi devastada por uma enchente em maio. Em Simbach am Inn, na Baixa Baviera, a chuva extrema no início de junho de 2016 causou o que é conhecido como uma enchente de mil anos, conhecida no jargão técnico como “HQ 1000”. Carros foram jogados contra paredes Estradas e pontes destruídas, famílias inteiras enterradas – tais eventos climáticos só eram estatisticamente possíveis uma vez a cada mil anos. Mas por causa das mudanças climáticas, essas estatísticas se confundiram: após a enchente do século de 2002 no Elba, a próxima enchente do século ocorreu em 2013 no vale do Elba com níveis de água de até dez metros – embora estatisticamente isso devesse não quebrou por um ano a partir de 2100.

Em 2017, a forte chuva atingiu Goslar nas montanhas Harz, em 2018 atingiu primeiro Vogtland e, em seguida, lugares no Eifel, por exemplo, Dudeldorf, Kyllburg e Hetzerode. Em 2019 era Kaufungen perto de Kassel ou Leißling ao norte de Naumburg an der Saale, em 2020 na Francônia Herzogenaurach ou Mühlhausen na Turíngia. A lista pode ser expandida à vontade e diz: Pode atingir qualquer lugar e com cada vez mais frequência. Por exemplo, Berlim, onde em junho de 2017 caiu tanta água do céu em um dia quanto costumava cair no trimestre. No ano realmente seco de 2018, os bombeiros de Berlim tiveram que declarar estado de emergência após fortes chuvas. Isso se repetiu em 2019, dentro de uma hora, 61 milímetros de chuva caíram no distrito de Wedding – seis baldes de água empilhados um em cima do outro, mais do que já caiu no Eifel ou Sauerland.

Se um milímetro de chuva cai em um metro quadrado de solo, isso é exatamente um litro de água que tem que ir para algum lugar. No Saxon Zinnwald, no cume das Montanhas Eastern Ore, 312 milímetros de chuva caíram em 24 horas em 12 e 13 de agosto de 2002, ou quase um terço de um metro – até agora o maior valor já medido na Alemanha. Em um dia, um metro cúbico de água caiu para cerca de três metros quadrados – pesa uma tonelada. Zinnwald fica a uma altitude de 800 metros, a partir daqui toda a água teve que escoar para o vale. Com uma força difícil de imaginar: se 50 metros cúbicos de água caírem em cascata por uma encosta de dez metros sem controle, eles têm – em termos de energia – o mesmo efeito de um caminhão de 20 toneladas que bate em uma casa a 80 quilômetros por hora . O resultado é tamanha devastação

Além de mais água armazenada, o Pólo Norte também é “culpado” por nossas novas condições climáticas extremas. Ou melhor, jet stream, em inglês »jet stream« – esse vento de alta altitude assobia a até 540 quilômetros por hora, mais de doze quilômetros acima de nossas cabeças. Para efeito de comparação: o furacão “Patricia” o trouxe em 2015 em camadas próximas à Terra “apenas” 345 quilômetros por hora, a velocidade do vento mais forte já medida sobre o Atlântico. No entanto, não é a velocidade da corrente de jato que é decisiva para nós, mas seu movimento das ondas: ela serpenteia de oeste a leste através do hemisfério norte como uma curva sinusoidal sem fim. O movimento das ondas impulsiona ainda mais as áreas de alta e baixa pressão e, portanto, determina nosso clima. Como qualquer outra chuva, esse vento de alta altitude é impulsionado por uma diferença de temperatura – neste caso, aquela que fica entre os trópicos e o Ártico. No entanto, a região polar norte está esquentando muito mais do que a maioria das outras partes do mundo, e o gelo marinho do Ártico está diminuindo drasticamente. O desenvolvimento agora está se dirigindo: o gelo leve reflete muito da luz do sol de volta ao espaço. No entanto, depois que o gelo desaparece, o oceano escuro que aparece embaixo absorve ainda mais energia radiante, o Ártico fica ainda mais quente, ainda mais gelo derrete e a diferença de temperatura continua diminuindo. O gelo leve reflete muita luz do sol de volta ao espaço. No entanto, depois que o gelo desaparece, o oceano escuro que aparece embaixo absorve ainda mais energia radiante, o Ártico fica ainda mais quente, ainda mais gelo derrete e a diferença de temperatura continua diminuindo. O gelo leve reflete muita luz do sol de volta ao espaço. No entanto, depois que o gelo desaparece, o oceano escuro que aparece embaixo absorve ainda mais energia radiante, o Ártico fica ainda mais quente, ainda mais gelo derrete e a diferença de temperatura continua diminuindo.

Um círculo vicioso que nos traz condições climáticas cada vez mais extremas. “Esta faixa de vento forte é realmente considerada o motor para áreas de alta e baixa pressão”, diz a meteorologista Verena Leyendecker. Como a movimentação fica menor devido à diferença de temperatura decrescente, “os altos e baixos não fazem mais progresso”, diz o especialista do serviço privado de meteorologia Wetteronline. “É por isso que o baixo ‘Bernd’ permaneceu conosco por tanto tempo e nos trouxe essa precipitação por tanto tempo.

O clima temperado na Alemanha está caindo aos pedaços. E como o degelo do Ártico continua a acelerar, as imagens hoje em dia são apenas uma premonição do que está por vir. Porque o fluxo de jato confuso não só garante mais chuva, mas também mais calor e seca. Os ventos fortes foram tão responsáveis ​​pela falta de chuva na Alemanha em 2018 quanto pelas temperaturas extremas em 2019. De acordo com Leyendecker, a lenta corrente de jato recentemente garantiu que fosse extremamente quente nos EUA. Mais de 50 graus foram medidos no sudoeste, um novo recorde. E isso mostra uma coisa: não é mais o tempo, já é a mudança climática.

Registros de temperatura no Ártico

Em nenhuma outra região do mundo o aquecimento global pode ser medido tão facilmente com um termômetro como no Ártico. Embora as temperaturas em todo o mundo tenham subido em média um grau Celsius desde os tempos pré-industriais, o aumento na região polar norte é de 3,1 graus. É por isso que o Ártico tem temperaturas particularmente flagrantes: em Utsjoki-Kevo, no extremo norte da Finlândia, 33,6 graus Celsius foram medidos há poucos dias – um recorde de 100 anos.

No norte da Noruega, falava-se em “noites tropicais”. Nas regiões russas na orla do Ártico, os registros caíram já em maio: 32,5 graus Celsius foram medidos na cidade de Pechora. O recorde anterior era seis graus mais baixo e, de 1981 a 2010, a temperatura média era de 4,2 graus em maio. Anomalias climáticas quase diretamente no Pólo Norte tiveram consequências ainda mais extremas nos últimos anos: mesmo no inverno, as temperaturas positivas foram medidas em dias individuais – cerca de 30 graus a mais do que o normal. KSte

Fogo na América do Norte

Temperaturas de quase 50 graus, incêndios florestais e ventos quentes – isso foi relatado nas últimas semanas no sudoeste dos EUA, mas também no noroeste do Canadá, de outra forma bastante frio. As autoridades registraram mais de 700 mortes repentinas e inesperadas somente na província de British Columbia em uma semana como resultado do calor. A vila de Lytton registrou um recorde de temperatura canadense de 49,6 graus – alguns dias depois, foi quase completamente destruída em um inferno de fogo.

Dezenas de incêndios florestais devastadores também estão sendo relatados na Califórnia. No estado mais populoso dos Estados Unidos, isso é quase normal há anos. O Parque Nacional de Yosemite, atualmente afetado, também teve que ser fechado há um ano devido a incêndios. Vários estados do sudoeste dos Estados Unidos experimentam o que os cientistas chamam de “megasseca” há cerca de 20 anos.  

Fome em Madagascar

Muitos países ao redor do mundo estão lutando contra a seca. Mas as consequências de uma seca persistente na Alemanha não podem ser comparadas às de Madagascar. A enorme ilha ao largo da costa sudeste da África remonta a vários desses anos. Este ano, o Programa Mundial de Alimentos (PMA) fala da “pior seca em 40 anos”. A seca e as tempestades de areia destruíram as colheitas e a produção de alimentos está até 70% abaixo da média dos últimos cinco anos.

Com consequências imediatas: cerca de 400.000 pessoas estão ameaçadas de fome, de acordo com um pedido de ajuda da organização da ONU a possíveis doadores em maio. Adultos e crianças estão debilitados pela fome, centenas de crianças só pele e ossos, informou a diretora regional do PMA, Lola Castro. Muitas pessoas em busca de comida mudaram-se do campo para as cidades. Os Médicos Sem Fronteiras agora clamam por um “aumento maciço na ajuda alimentar de emergência”. KSte

Inundações na Austrália

Grandes partes da Austrália tiveram que lutar contra a seca prolongada por muitos anos. Em 2020, também houve incêndios devastadores em matas, que passaram pela mídia em todo o mundo devido às fotos de coalas gravemente feridos. Em março deste ano choveu forte – finalmente, eles pensaram. Na verdade, choveu tanto durante dias que o solo ressecado nos estados de New South Wales, no sul, e Queensland, no nordeste, não conseguiu absorver as massas de água.

O resultado foram inundações massivas: as inundações varreram carros, casas e cavalos, vacas e cangurus com eles. Ruas, pontes e campos estavam a metros de altura debaixo d’água. Mesmo uma enorme represa que garante o abastecimento de água a Sydney não foi suficiente para conter as massas de água. Dezenas de milhares de pessoas tiveram que ser evacuadas e mortes ocorreram. O motivo da violência foi o choque de dois grandes sistemas climáticos. KSte

Tornado na República Tcheca

Um tornado na Europa Central? Raramente, mas acontece. No sudeste da República Tcheca, três pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas quando um tornado devastou várias aldeias em junho. Os telhados foram cobertos, as janelas quebradas. Dezenas de milhares de pessoas ficaram temporariamente sem energia. A tempestade tinha ainda mais na manga: granizo do tamanho de bolas de tênis causou graves danos ao Castelo Valtice, um Patrimônio Mundial da UNESCO. KSte

Nick Reimer e Toralf Staud acabam de publicar o livro: “Alemanha 2050. Como a mudança climática mudará nossas vidas”. Kiepenheuer & Witsch, 384 pp., Br., € 18.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

Mudanças climáticas geram devastação em meio ao negacionismo climático do governo Bolsonaro

Cenas da destruição causada pelas chuvas deste final de semana no município de Mesquita, Baixada Fluminense.

O estado do Rio de Janeiro sofreu nas últimas 24 horas o impacto de chuvas devastadoras que estão trazendo muito sofrimento dentro de muitas cidades, a começar pela sua capital (ver vídeo abaixo mostrando cenas caóticas no bairro de Realengo). 

Esses eventos climáticos extremos estão previstos para serem uma das marcas registradas no comportamento climático que está ocorrendo em todo o planeta como resultado das mudanças climáticas que resultam do aquecimento da atmosfera da Terra.

Essa nova normalidade “anormal” deveria estar sendo motivo de uma forte preparação por parte de todas as esferas de governo no Brasil, visto que temos cidades que evoluíram de forma segregada, produzindo o ambiente perfeito para grandes desastres em face de eventos climáticos extremos que passaremos a enfrentar nas próximas décadas.

Mas o fato é que neste momento o Brasil está entregue a um governo federal dominado pelos chamados “céticos climáticos” para quem as apuradas previsões geradas pela comunidade científica mundial sobre as mudanças climáticas não passam de um complô formulado por marxistas. Com isso, o governo Bolsonaro jogou na lata de lixo o conhecimento científico e abraçou as teses do ceticismo climático.

Um dos céticos climáticos do governo Bolsonaro ocupa a estratégica cadeira de ministro do Meio Ambiente. Desde essa posição é que Ricardo Salles demitiu duas autoridades responsáveis pelas tratativas do combate às mudanças climáticas, deixando basicamente acéfalo uma área estratégica do seu ministério.

E que ninguém se engane com os discursos que jogam nas costas de Deus e de São Pedro toda a dor e sofrimento que os habitantes das áreas mais pobres das cidades brasileiras deverão atravessar em face da inexistência de políticas públicas que permitam o necessário ajuste à realidade que está se estabelecendo onde eventos anormais serão a nova normalidade.  A culpa será dos céticos climáticos que hoje colocam o Brasil na vanguarda do atraso no combate às mudanças climáticas.

Eventos de secas extremas deverão aumentar emissão de CO2 na Amazônia

Higher-Than-Average-Temperatures-Up-Forest-Fire-Risk-in-the-Amazon-2

Em um artigo liderado por um ex-estudante da Universidade Estadual do Norte Fluminense e hoje pesquisador do Insituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Luiz Aragão, temos a informação de que eventuais diminuições na emissão de gás carbônico via o processo de desmatamento deverão ser compensadas por aquelas oriundas de eventos climáticos extremos, tais como secas, que estão causando um alto número de incêndios em toda a Amazônia brasileira [1].

Image4_Landsat-8_burned-area

Imagem do satélite Landsat 8 OLI (Operational Land Imager) mostrando quilometros de florestas queimadas (tons de magenta)  em regiões cobertas por vegetação nativa (tons de verde) na porção leste da Amazônia brasileira.  A cor branca representa nuvens. Fonte: U.S. Geological Survey’s Earth Explorer Platform

Como os eventos climáticos extremos estão aumentando em número e em frequência, e não são eventos controláveis, haverá uma dificuldade adicional para que se controle as emissões de CO2, mesmo que alcance a redução das taxas de desmatamento e dos focos de queimadas. 

Essas conclusões poderão ser ainda mais drásticas quando se considerar que boa parte da floresta considerada em “estado primário”  já foi afetada por atividades ilegais de exploração madeireira e garimpo, o que aumentou as áreas suscetíveis à ocorrência de incêndios.

Aliás, essa subestimativa da área “perturbada” por ações antrópicas é um dos pontos menos abordados na literatura científica. Quando for estimado com precisão como está efetivamente o estoque da cobertura vegetal já alterada por ações de exploração é bem provável que as estimativas que são oferecidas neste estudo tenham que ser recalculadas para cima e não para baixo.

De qualquer forma, as contribuições do estudo liderado pelos pesquisadores do Inpe ao entendimento das emissões de carbono associadas à ocorrência de incêndios são muito importantes. 

Quem desejar acessar este trabalho, basta clicar [Aqui!]


[1] http://www.stockholmresilience.org/research/research-news/2018-02-14-a-different-kind-of-fire.html