As trapalhadas do vice-presidente Hamilton Mourão mostram os limites da militarização do meio ambiente

mourãoO vice-presidente Hamilton Mourão comentou que a medição do Inpe acusa “focos de calor” nas imagens de satélite, “o que não significa incêndio”Imagem: Adriano Machado/Reuters

Uma questão cada vez mais evidente é que o governo Bolsonaro é caracterizado por uma forte militarização de vários ministérios importantes, a começar pelo Meio Ambiente. A suprema demonstração deste processo é a colocação do general Hamilton Mourão para presidir um natimorto Conselho Nacional da Amazônia Legal. É que do alto dos seus poderes, o general Hamilton Mourão fez a mesma coisa que seu chefe, o presidente Jair Bolsonaro já vem fazendo, qual seja, optar por colocar mais militares, da ativa há que se frisar, para cuidar de postos essencialmente técnicos em uma área que agora se mostra um verdadeiro calcanhar de Aquiles para o Brasil que é exatamente a área ambiental.

Como um bom general de 5 estrelas que é, o vice presidente Hamilton Mourão, pressionado pelos fatos, vem insistindo em uma tática que só vem piorando e enfraquecendo sua própria posição que é a de optar por usar táticas que se assemelham a exercícios militares agressivos, começando pela tentativa de eximir o governo a que ele pertence de qualquer responsabilidade pelo aumento explosivo das queimadas na Amazônia.

Aliás, não contente em ter tentar negar (aliás, negar é o forte deste governo) responsabilidade pelas imensas queimadas que consomem áreas significativas da Amazônia e do Pantanal, o vice-presidente avisou que vai convidar embaixadores de países críticos ao desmantelamento ambiental em curso no Brasil para um  “tour de force” pela Amazônia, supostamente para mostrar que a coisa não está tão feia como pintam os satélites da NASA.

Melhor faria para si e para seu próprio governo o vice-presidente se exigisse a imediata demissão do ministro (ou seria anti-ministro?) Ricardo Salles e enviasse de volta para os quartéis todos os militares hoje lotados nas agências ambientais, fazendo retornar a seus postos os técnicos que realmente entendem do riscado. É que só assim o Brasil poderia começar a sair do atoleiro diplomático em que está afundado neste momento. 

Mas sinceramente não vejo a menor possibilidade em uma reviravolta na postura do vice-presidente, e ele terá que continuar a desempenhar um papel que deveria estar cabendo a Ricardo Salles que é o de cometer trapalhadas pavorosas, enquanto nossas florestas ardem e nossa fauna é incinerada viva. Tudo isso para abrir mais áreas de pastagens e de monocultura de uma soja que eventualmente será renegada pelos nossos principais parceiros comerciais, a começar pela União Europeia.

Depois disso ainda não ouviremos a cantilena de que os culpados pela transformação do Brasil em um pária rejeitado pela comunidade internacional foram Greta Turnberg e Leonardo DiCaprio. Esperem e verão.

Queimadas: veja dados de focos por regiões e no bioma Amazônia, segundo o  Inpe | Natureza | G1Focos de queimadas registrados pelo Inpe, com dados gerados no dia 22 de agosto. — Foto: Reprodução/Inpe

Ah, sim, me ocorreu o pensamento de que se o vice-presidente Hamilton Mourão ainda não tiver lido o clássico “A Arte da Guerra” de Sun Tzu,  general chinês que viveu no Século IV a.C., ele deveria fazê-lo. E se tiver lido, que o faça novamente.  Entre outras coisas, Sun Tzu dizia que “o general que desenha planos antes da batalha sempre vence o general que não se planejou”. E me desculpe o vice-presidente Mourão, ele cada vez mais parece um general que não desenhou seus planos antes da batalha. E que se ele tivesse feito isso, ele teria sabido que os dados de queimadas do INPE são públicos, e não teria passado pelo vexame de ser informado disso em público.

 

Mourão atribui a opositor divulgação de dados ruins de queimadas do Inpe que são públicos

fogo reutersFumaça e chamas de queimada no Pantanal, em Poconé, no Mato Grosso 03/09/2020 REUTERS/Amanda Perobelli

Por Lisandra Paraguassu para a agência Reuters

O vice-presidente Hamilton Mourão creditou a um suposto funcionário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), opositor ao governo, a divulgação de dados sobre queimadas no país negativos para o governo.

“Eu recebo o relatório toda semana. Até dia 31 de agosto, nós tínhamos 5 mil focos de calor a menos do que 31 de agosto do ano passado, entre janeiro a agosto. Agora, o Inpe não divulga isso. Por quê? Não é o Inpe que está divulgando, é o doutor Darcton (Policarpo Damião) lá, que é o diretor do Inpe, que falou isso? Não. É alguém lá de dentro que faz oposição ao governo. Eu estou deixando muito claro isso aqui. Aí, quando o dado é negativo, o cara vai lá e divulga.  Quando é positivo, não divulga”, disse o vice-presidente, que também é coordenador do Conselho da Amazônia.

Os dados sobre queimadas no país, na verdade, são públicos e estão disponíveis em uma página especial do Inpe na Internet, aberta ao público em geral.

Os números também são alimentados diariamente e relatórios automáticos são gerados mostrando os focos em todos os biomas do país, o crescimento nos últimos cinco dias e a comparação com o mesmo período do ano anterior. É possível ter dados nacionais, por Estado, por bioma e também os municípios com maior número de focos de incêndio 

Os dados do Inpe nesse momento mostram 133.974 focos de incêndio acumulados em todo país entre 1º de janeiro e 14 de setembro, um aumento de 13% em relação ao ano passado. No bioma Amazônia estão, ainda segundo o boletim do Inpe, 64.498 desses pontos de queimadas.

Os dados mostram, ainda, uma aceleração nas queimadas na região neste mês de setembro. Até 14 de setembro de 2019, o Inpe aponta que haviam 11.003 focos acumulados na Amazônia. Este ano, nos mesmos 14 primeiros dias do mês, já são 20.485, um aumento de 86%.

De fato, o mês de agosto, ainda pelos dados do Inpe, havia encerrado com a Amazônia com menos focos de incêndio que ano passado —44.013 contra 46.824 em 2019.  A aceleração em setembro, no entanto, reverteu essa tendência.

O crescimento das queimadas na região acontece apesar da operação da Garantia da Lei e da Ordem que está na Amazônia desde maio e era a aposta de Mourão para reduzir o desmatamento e os incêndios ilegais. 

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pela agência Reuters [Aqui!].

Nota de Ricardo Salles causa briga de canivetes no governo Bolsonaro

MOURAO AMAZONIA

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, saiu a campo para desmentir a nota de Ricardo Salles sobre a suspensão do combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia

A nota do ministro (ou seria anti-ministro) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, suspendendo o combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia acabou causando o que pode ser equivaler a uma briga de canivetes. 

É que, confrontado com o teor absurdo da nota de Salles, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, saiu à campo para desmentir a nota de Ricardo Salles, apontando que o ministro do Meio Ambiente teria sido “precipitado“, pois o corte orçamentário nunca teria ocorrido na forma que ele publicizou em sua nota.

Confrontando com o desmentido do vice-presidente, Ricardo Salles afirmou que o corte denunciado em sua nota só teria sido revertido após a repercussão negativa que se seguiu à divulgação da mesma.

Resta saber agora o que de fato está acontecendo com os recursos do MMA, e se de fato as operações do IBAMA e do ICMBio serão mantidas. É que em se tratando do governo Bolsonaro, nunca se sabe onde a verdade e a mentira começam ou terminam.

Bolsonaro ignora dados do próprio governo e diz que queimadas na Amazônia são “uma mentira”

Bolsonaro-ignora

Bolsonaro parece viver em um universo paralelo: pelo menos, esse é o tom da fala feita pelo presidente brasileiro durante a 2ª Cúpula Presidencial do Pacto de Letícia pela Amazônia, realizado ontem (11/8) por videoconferência. De acordo com Bolsonaro, “não há nenhum foco de incêndio, nem um quarto de hectare desmatado” na Floresta. “É uma mentira essa história de que a Amazônia arde em fogo”, disse o presidente. “Sabemos o quanto somos criticados de maneira injusta por muitos países. Nós, com perseverança, com determinação e com verdade, devemos insistir”.

Se a verdade for uma aliada de Bolsonaro nessa tarefa, ela não depõe em seu favor. Como o próprio governo reconhece, o desmatamento na Amazônia cresceu mais de 34% nos últimos 12 meses. O ritmo de desmate em julho passado foi menor que o registrado no mesmo mês em 2019, mas ainda assim foi muito superior à média histórica desse período.

O presidente desafiou embaixadores estrangeiros a sobrevoar o trecho entre Boa Vista (RR) e Manaus (AM) e disse que eles “não acharão nenhum foco de incêndio ou corte de hectare desmatado”. Ele acusou também aqueles que criticam o Brasil de serem motivados por interesses comerciais ou, no caso dos críticos internos, antipatrióticos. “Afinal de contas, o Brasil é uma potência no agronegócio, ameaças existem sobre nós o tempo todo e, lamentavelmente, alguns poucos brasileiros trabalham contra nós nessa questão”. Sobre os criminosos ambientais que promovem a destruição e prejudicam a imagem do Brasil no exterior, Bolsonaro não teceu nenhum comentário.

O vice-presidente Mourão também participou da conferência e, na mesma linha de Bolsonaro, acusou de “neocolonialistas” os países que criticam o Brasil. “Pior ainda foi a postura de alguns [líderes mundiais] que se aproveitaram da crise para avançar interesses protecionistas e atitudes neocolonialistas”, disse o vice. Em seu discurso, ele defendeu que “o protagonista do desenvolvimento sustentável na Amazônia será o setor privado, não o Estado” e destacou a importância de incentivar a bioeconomia como forma de desenvolver e preservar a Floresta.

As falas de Bolsonaro e Mourão foram destacadas pelos FolhaEstadãoO GloboG1Valor Exame, entre outros.

ClimaInfo, 12 de agosto de 2020.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo ClimaInfo [Aqui!].

Ascema Nacional convoca servidores da área ambiental federal para lutarem pelo Fora Bolsonaro-Mourão

ascema fora

Os servidores públicos e suas entidades têm sido atacados sistematicamente há décadas por setores da sociedade que sempre colocaram o Estado e seus servidores como inimigos públicos. Governos neoliberais desmontaram políticas públicas, privatizaram setores estratégicos, não fizeram concursos públicos, mas nada se compara com o que temos vivenciado desde 2016 e principalmente a partir da eleição de Jair Bolsonaro que colocou em xeque a nossa frágil democracia e a sobrevivência da própria população. Ele sempre defendeu a ditadura militar, sua matança (que teria sido insuficiente) e seus torturadores. Nunca escondeu que tinha um projeto autoritário para o Brasil.

A ASCEMA Nacional está se engajando na luta coletiva de amplos setores da sociedade civil pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro, bem como pela cassação da chapa Bolsonaro-Mourão.

fecho

Este texto foi originalmente publicado no site da Ascema Nacional [Aqui!].

Mourão falha e desmatamento mantém viés de alta na Amazônia

Dados confirmam recorde para junho e a maior área acumulada em alertas para o período fiscal desde 2008

unnamed (12)

Área desmatada de 1.022 ha na APA Triunfo do Xingu, na cidade de São Félix do Xingu, no Pará, com alerta de desmatamento do Deter detectado entre agosto de 2019 a junho de 2020

Por Karen Mota para o Greenpeace

São Paulo, 10 de julho, de 2020 – O desmatamento segue alcançando níveis alarmantes na floresta Amazônica, é o que comprova os dados do sistema DETER, do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados hoje. Os dados apontam alertas de desmatamento em uma área de 1.034 km² para junho, um aumento de 11% em relação ao mesmo mês do ano passado (935km²) e representam o pior junho desde 2007. Apesar dos números crescentes, o governo federal segue ineficaz em lidar com o problema, dando assim, prosseguimento à sua política antiambiental que fragilizou órgãos de fiscalização, como Ibama e ICMBio, enquanto prevê uma grande quantidade de recursos para operações militares ineficazes, sob comando do vice-presidente Hamilton Mourão.

A opção do governo em não adotar um plano concreto para impedir o desmatamento e as queimadas na Amazônia, além de colocar vidas em risco, também aumenta dramaticamente a vulnerabilidade econômica do Brasil. Isto é cada vez mais visível na relutância de alguns países europeus a acordos comerciais com o Brasil, e nas cartas enviadas ao governo brasileiro por representantes de países, investidores e empresas internacionais pedindo ações concretas para a defesa da maior floresta tropical do planeta.

A reação do governo às pressões é esconder o problema atrás de uma cortina feita de campanha publicitária, viagens e ações de fachada. “Mitigar e reverter os danos causados por esta política anti-ambiental à floresta e à imagem do país exigirá muito mais: precisamos de resultados concretos, e para isso será necessário um plano robusto para conter tamanha destruição, na linha do que foi o PPCDAM – a começar por ações de comando e controle em caráter permanente e executadas por órgãos competentes e bem aparelhados. Este é um caminho – já conhecido – que este governo insiste em ignorar”, afirma Cristiane Mazzetti, da campanha de Amazônia do Greenpeace. “Os números crescentes estampam a verdade, se enganam aqueles que aceitarem o que foi apresentado pelo governo até então como uma garantia de mudança de cenário”, completa.

A destruição avança com velocidade assustadora até mesmo em áreas protegidas (Unidades de Conservação e Terras Indígenas). Cerca de 67% do garimpo realizado na Amazônia no mês de junho ocorreu dentro dessas áreas. Foram desmatados 387 hectares para realização de garimpo em Terras Indígenas e 1.021 hectares em Unidades de Conservação somente no mês de junho. “Em meio a pior pandemia do século, nem mesmo o desastre ambiental de 2019 e a repercussão internacional do descaso do governo brasileiro com seu maior patrimônio natural e com os povos indígenas, parecem ser o bastante para fazer com que medidas concretas e inteligentes sejam tomadas para combater o crime na floresta”, avalia Cristiane.

imagens amazoniaApui, Amazonas Rodovia Transamazônica. À esquerda área em 28/03/2020 e à direita estado da área em 16/06/2020.

O Deter aponta a tendência da taxa oficial de desmatamento (Prodes), mesmo sem o último mês do chamado “ano fiscal do desmatamento”, medido entre os meses de agosto e julho, a área com alertas já soma 7.540km² (agosto de 2019-junho de 2020) 10% de crescimento em comparação com o ano anterior fechado (6.844km² entre agosto de 2018 e junho 2019), é o maior acumulado para o período fiscal desde 2008. Como resultado já esperado deste cenário, a taxa oficial do desmatamento, que ultrapassou os 10.000 km² em 2019, tende a ser ainda maior em 2020. “Não temos mais tempo a perder, os dados estão evidenciando o rastro do fogo, é urgente a adoção de ações verdadeiramente eficazes para garantir a integridade da floresta e a vida daqueles que nela residem”, completa Cristiane.

Governo Bolsonaro alimenta a “grande mentira verde” sobre a Amazônia, mas não tem como parar a ciência

bbc great green lieDesmatamento é apenas um dos vetores na destruição dos ecossistemas amazônicos

No 13 de fevereiro, a rede BBC publicou uma interessante matéria assinada pela jornalista Camilla Costa e que foi intitulada “A grande mentira verde’: como a destruição da Amazônia vai além do desmatamento“. Nesta matéria, muito bem escrita por sinal, Camilla Costa apresentou dados importantes para desmistificar a alegação fantasiosa de que a Amazônia brasileira ainda possui algo em torno de 80% de suas florestas intactas. Nessa matéria foram ouvidos pesquisadores com larga experiência nos processos de alteração da paisagem amazônica, os quais explicaram que o desmatamento é apenas um dos vetores. Aliás, se alguém tiver interesse em entender, por exemplo, a extensão das alterações causadas por atividades de extração de madeira, sugiro a leitura do artigo científico em que sou um dos co-autores, publicado em 2010 pela Remote Sensing.

Mas ainda que outros governos tenham se valido da “grande mentira verde”, o governo Bolsonaro está se esmerando no uso da fantasia de que 80% das florestas amazônicas ainda estão intactas para ver se é possível tampar, digamos, a fumaça com a peneira. Assim, apenas nas últimas 24 horas tivemos declarações estapafúrdias do vice-presidente Hamilton Mourão e do ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD/RN) centradas na repetição ad infinitum da grande mentira verde.

A primeira menção tem que ser feita ao vice-presidente Hamilton Mourão que tenta responder à crescentes pressões para a adoção de medidas de contenção do avanço desenfreado do desmatamento na Amazônia. Em matéria publicada pelo site UOL, é informado que Hamilton Mourão participou ontem de uma reunião com representantes de fundos estrangeiros, quando teria comparado as cobranças feitas para proteção dos ecossistemas amazônicos a uma conversa de bêbados, pois os dados do desmatamento de 2020 só ficarão disponíveis em 2021, e até lá cada um vai dizer o que quiser.  E usando um subterfúgio decorrente da “grande mentira verde”,  Hamilton Mourão teria apelado para a alegação de que a Amazônia é grande demais para ser corretamente entendida por estrangeiros.

Já o ministro das Comunicações, Fábio Faria, em entrevista à rede CNN Brasil, também usou a metáfora do tamanho da Amazônia para diminuir os impactos do desmatamento, e se serviu do argumento da “grande mentira verde” para sugerir que a ênfase na dimensão dos desmatamentos serve apenas para encobrir que se pode voar a Amazônia por 3 horas e enxergar grandes extensões de Mata Atlântica (se não acreditar, veja o vídeo abaixo).

Apesar de haver uma distância entre as falas, já que o ministro da Comunicação mostra completa ignorância sobre o tipo de vegetação que cobre a Amazônia, a verde é que tanto Fábio Faria quanto Hamilton Mourão estão insistindo no uso de uma versão fantasiosa sobre o grau de perturbação ambiental que já causa alterações ambientais significativas na Amazônia brasileira, as quais terão impactos não apenas sobre os padrões climáticos regionais, mas também globais.

Como já mencionei recentemente, existem estudos em processos de avaliação para publicação em revistas científicas altamente valorizadas pela comunidade científica que irão acabar de uma vez por todas com a “grande mentira verde”. E ao contrário do que esperam Hamilton Mourão e Fábio Faria ao veicular seu negacionismo amazônico, governos estrangeiros e grandes fundos de investimento irão se pautar suas relações comerciais e financeiras com o Brasil com base no que estes estudos vão mostrar. Em outras palavras,  o prazo de validade da “grande mentira verde” para permitir o avanço da destruição dos ecossistemas amazônicos está com os dias contados. 

Alemanha descarta liberação de verba para Amazônia

amaoznia fogo

Vice-presidente Hamilton Mourão deverá comandar o Conselho da Amazônia

Berlim diz que financiamentos congelados continuam suspensos após Mourão afirmar que pedirá dinheiro a países ricos para proteção florestal. Para governo alemão, os dois países ainda têm ideias distantes sobre o tema.

A Alemanha descartou a liberação da verba para a Amazônia suspensa em agosto. A negativa do governo em Berlim foi divulgada neste sábado (25/01) pela agência de notícias alemã DPA, depois de o vice-presidente Hamilton Mourão admitir aceitar dinheiro de países ricos para a preservação da região.

Um porta-voz da ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, reiterou que os repasses suspensos ano passado continuam congelados e que, para haver uma retomada, é necessário “que desenvolvamos uma percepção comum sobre o que é necessário nas áreas de proteção climática e de biodiversidade”. Mas, de acordo com a ministra, “estamos ainda muito longe disso”.

Em razão do aumento dos índices de desmatamento da Amazônia, Schulze anunciou em agosto o congelamento de investimentos de 35 milhões de euros (cerca de 155 milhões de reais), que seriam destinados a diferentes projetos de proteção ambiental no Brasil.

“A política do governo brasileiro na Região Amazônica deixa dúvidas se ainda se persegue uma redução consequente das taxas de desmatamento”, declarou a ministra, em entrevista publicada em 10 de agosto pelo jornal alemão Der Tagesspiegel. No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro desdenhou do dinheiro, afirmando que “o Brasil não precisa disso”.

Naquele mesmo mês, o governo brasileiro rejeitou oferta de 20 milhões de dólares dos países do G7 (Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Japão, Itália e Canadá) para auxílio no combate às queimadas na Amazônia.

“Rejeitou, mas depois eu vou lá com cara de pau e peço”, admitiu Hamilton Mourão em entrevista à emissora Globonews nesta quinta-feira.

Mourão deve chefiar o Conselho da Amazônia, cuja criação foi anunciada nesta semana por Bolsonaro. O grêmio deverá coordenar ações de diversos ministérios para “proteção, defesa e desenvolvimento sustentável da Amazônia”.

O Ministério do Meio Ambiente da Alemanha ressaltou que o financiamento suspenso pela pasta não tem relação alguma com o novo conselho criado pelo governo brasileiro.

MD/dpa/ots

_____________________________

Este material foi inicialmente publicado pela Deutsche Welle [Aqui!].

Anos duros pela frente? Siga o caminho dos coletes amarelos

Resultado de imagem para coletes amarelos frança

Coletes amarelos franceses apontam o caminho que terá de ser seguido para evitar os planos regressivos de Jair Bolsonaro.

A vitória de Jair Bolsonaro será transformada numa grande derrota da classe trabalhadora e da maioria pobre dos brasileiros. Bolsonaro representa a vitória de um projeto ultraneoliberal revestido por um fino verniz de nacionalismo que não deverá sobreviver à primeira medida provisória que será editada para destruir algum direito duramente conquistada.

O fenômeno que levou à vitória de um personagem que expressa saudades da Ditadura Militar de 1964 e de seus métodos obscuros de tortura e extermínio já teve várias análises desde 28 de Outubro. Acredito que a maioria dessas análises sofre com a parcialidade com que os autores procuram expressar quais teriam sido as variáveis causais deste resultado. Entretanto, em conjunto essas análises omitem que houve responsabilidades por parte de todos os que compartilham da forma institucional de fazer política,forma essa que foi estraçalhada pelos métodos trazidos por Steve Bannon e pela Cambridge Analytics.

Aliás, um desses dias levei um puxão de orelhas por não mencionar em uma palestra que Steve Bannon é financiado pelos bilionários Robert e Rebecca Mercer cujas operações financeiras em paraísos fiscais apareceram na famosa série jornalística “Panama Papers“, havendo indicações que o dinheiro usado para ajudar a derrotar Donald Trump teria sido enviado via as vias tortuosas de paraísos fiscais [1].

Mas voltando ao que o governo Bolsonaro será (ou pretende ser), o anunciado desmanche do Estado pelo sempre falante vice-presidente Hamilton  , há que se perguntar qual parte dele será desmontada. É que depois de Michel pouco sobrou para desmanchar da parte que atende aos interesses e necessidades da maioria pobre da população. Se for esse pedaço que Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão, via Paulo Guedes, pretendem desmanchar, então veremos um processo de precarização ainda maior da condição de vida dos pobres.  E, dada as declarações contra os direitos trabalhistas e sociais, parece que é aí mesmo que se pretende desmanchar.

Agora, o Estado brasileiro é estruturalmente anti pobre desde os tempos em que éramos colônia portuguesa. A novidade agora é que as ações se darão de forma mais crua e aberta do que antes. Haverá assim menos espaço para convites para a pactuação com segmentos claramente apoiadores das mesmas políticas que a dupla Bolsonaro/Mourão querem implementar.  É que quem vier codm a conversa de pacto democrático terá que suar um pouco mais a camisa do que nos anos em que Lula enfeitiçava as massas com o seu capitalismo sem conflitos e de campeões nacionais.

Aos que pretendem resistir ao desmanche anunciado, a minha primeira sugestão é que voltem a estudar os clássicos do pensamento social brasileiro (começando com Caio Prado Junior, e passando por Florestan Fernandes e Celso Furtado) e do Marxismo (ler a Ideologia Alemã e o Manifesto Comunista já seria um excelente início), e joguem no lixo toda a literatura mequetrefe que foi empurrada no Brasil pela Fundação Ford.  É que só estaremos preparados para resistir se voltarmos a entender a natureza do Estado capitalista e de sua expressão manifestada no Brasil.

Aos que hoje estão aflitos e desanmiados, indico que a realidade que está se abrindo não nos permitirá prostração e desânimo. Melhor conservar energia e disposição, pois não faltarão direitos para serem defendidos.  De quebra, que se estude melhor o fenômeno dos coletes amarelos frances. É que neles parece residir a receita para os enfrentamentos que virão. 

[1] https://www.theguardian.com/news/2017/nov/07/steve-bannon-bermuda-robert-mercer

 

No ritmo de Carlos Marighella: Bolsonaro rebate Mourão que rebate Bolsonaro

mourão

Já narrei aqui a história imortalizada na página 424 do livro de Mário Magalhães sobre a vida de Carlos Marighella (Marighella, o guerrilheiro que incendiou o mundo). Esta passagem narra um encontro frustrado entre Carlos Marighella e Carlos Lamarca onde o líder da Aliança Libertadora Nacional não conseguiu que sua organização e a Vanguarda Popular Revolucionária lançassem um documento comum, apesar da concordância do seu interlocutor.  O que impediu a assinatura do documento que indicaria uma unidade política entre a ALN e a VPR foi a oposição de Onofre Pinto, outra liderança da organização liderada por Lamarca. O fracasso da negociação teria então irritado Marighella, já que Onofre Pinto era sargento, enquanto Carlos Lamarca era capitão. Em função disso, Marighella teria dito que “nunca vi capitão obedecer a sargento“ [1].

Relembro dessa história por causa de mais um imbróglio envolvendo a dupla Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão que lideram a corrida presidencial.  A coisa começou no dia de ontem (08/10) quando em entrevista na TV Globo, Jair Bolsonaro foi perguntado sobre uma declaração de seu vice, Hamilton Mourão, que citou a possibilidade de um inusitado autogolpe. Naquele mesmo dia, o general Mourão declarou a sua posição de que seja escrita um nova constituição por um grupo de notáveis, já que ele teria muitas críticas à chamada Constituição Cidadã de 1988. Em sua resposta na TV Globo, Bolsonaro desautorizou mais uma vez as declarações de Mourão, lembrando que apesar dele ser capitão e o vice um general, o presidente seria ele.

Hoje, questionado acerca de mais essa desautorização pública por parte de Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão afirmou que “Falei  para ele proceder com sua visão. Tenho minhas críticas. Agora, o presidente, como ele disse, é ele. Só não sou um vice anencéfalo. Tenho minhas opiniões” [2]. 

Diante de mais troca de “gentilezas” entre capitão e general, ou melhor presidente e vice, não tenho como deixar de lembrar de Marighella quando ele disse no episódio supracitado que ““nunca vi capitão obedecer a sargento“. No caso em tela, difícil mesmo é ver general obedecendo capitão. E segue a barca brasileira rumo à queda d´água!


[1] https://blogdopedlowski.com/tag/carlos-lamarca/

[2] https://br.noticias.yahoo.com/mourao-rebate-bolsonaro-tenho-minhas-opinioes-190704363.html