As jaulas da política de “tolerância zero” contra imigrantes e exilados do governo Trump convulsionam os EUA

Morei nos EUA por quase 7 anos, e posso dizer como José Marti que “vivi no monstro e conheço suas entranhas”. Mas não posso dizer que minhas memórias da vida em terras estadunidenses são trágicas ou infelizes, apesar dos momentos difíceis que passei, muitos deles pela minha própria incapacidade cultural de entender como aquela sociedade funcionava.  Todavia, aprendi ao viver nas entranhas do monstro que sua gente não se ajusta necessariamente aos estereótipos que são formulados por quem desdenha, mas quer comprar os valores que dominam um modo de vida anconrado no consumo pleno e, claro, numa quantidade gigantesca de desperdícios.

A verdade é que por onde passei encontrei sempre pessoas que me trataram de forma gentil e compreensiva me deram uma mão amiga, muitas vezes indo além do que teria sido feito em situações semelhantes no Brasil, onde abunda uma forma de relacionamento que eu chamo de “falsa gentileza”, onde o tapinha nas costas pode ser a antevéspera da facada numa dialética que já foi imortalizada pelo poeta Augusto dos Anjos no seu “Versos íntimos”.

Por conhecer um pouco as complexidades da sociedade estadunindense é que não me surpreendo com toda a repercussão negativa que está acontecendo dentro dos EUA em reação à política de separação de país e filhos de pessoas que estão chegando e se entregando às autoridades na fronteira com o México. Essa política desenvolvida pelo governo de Donald Trump como mais uma das táticas de coação em assuntos que envolvem estratégias multilaterais (basta ver as disputas em curso com a China e a União Européia) acabou se mostrando um tremendo tiro no pé, pois as reações contrárias vieram de todos os lados do espectro político.

trump children

O gráfico acima mostra os resultados de uma pesquisa recente feita pela Universidade Quinnipiac, mostra de forma inequivoca que  66% dos eleitores americanos é contra as medidas drásticas de separar país e filhos e, pior, de colocar crianças e adolescentes em espaços que se assemelham a campos de concentração. Basta lembrar que apenas em seis semanas,  no período de abril a maio de 2018, 2.000 crianças foram separadas de seus pais e colocadas em celas que se assemelham a jaulas.

Mesmo tendo cedido sobre o efeito da pressão pública, o presidente Trump certamente ainda terá que conviver com as consequências negativas de sua política imigratória baseada na teoria de que campos de concentração são mais eficientes do que oferecer mecanismos mais humanos para estancar a onda migratória que continuará batendo às portas dos EUA, especialmente em sua fronteira sul. 

E não há como traçar um paralelo deste caso com o que se tem visto no Brasil nos últimos anos. Enquanto nos EUA milhares de pessoas e lideranças políticas saíram às ruas para denunciar o tratamento desumano sendo dado à crianças pobres que estavam sendo vítimas de uma forma explícita de terrorismo de estado,  aqui no Brasil o que tem se visto são massas de privilegiados que só ocupam espaços públicos para demandar a regressão da frágil melhoria nas condições de vida que as políticas sociais formuladas a partir da Constituição Federal de 1988 ofereceram aos segmentos mais miseráveis da nossa população.

Em tempos de repressão, o humor continua sendo uma arma poderosa

wall

A chegada de Donald Trump à presidência dos EUA está sendo acompanhada da implementação das medidas extremas que ele havia prometido fazer, e que muitos estadunidenses achavam que apenas um blefe de campanha.

Da ordem para que sejam iniciados os trabalhos para a construção do muro que separará fisicamente as fronteiras dos EUA e do México ao banimento da entrada de muçulmanos de sete países em estadunidense, as promessas de campanha estão sendo aplicadas.

Esse são medidas que efetivamente aumentarão as tensões no mundo, e deverão aumentar os incidentes de violência contra muçulmanos e latinos que já residem dentro dos EUA.

Mas nesses tempos bicudos, o uso do humor como ferramenta de combate ideológico é certamente bastante eficiente para demonstrar o absurdo de determinadas medidas que supostamente visam aumentar a segurança interna dos países ricos.

Abaixo uma prova de uso do humor para ilustrar os paradoxos que envolvem o uso de medidas para coibir o movimento de pessoas e o uso da xenofobia como política de governo.

Imagens de crianças imigrantes mexicanas presas em “gaiolas” nos EUA geram revolta

Senadores pediram ao presidente mexicano que exija de Barack Obama a garantia dos direitos dos jovens; fotos foram divulgadas por senador democrata

Somente no ano passado mais de 24 mil crianças mexicanas foram detidas ao cruzar a fronteira rumo aos Estados Unidos. Em 2014, o número pode ser superior a 60 mil, segundo estimativa do Departamento de Segurança Nacional. A situação dos jovens que são detidos nos EUA e dos que são deportados ao México é classificada por autoridades do país como “preocupante”. Eles alertam que, se não houver uma política incisiva por parte do governo, a situação poderá se tornar uma “crise humanitária”.

Agência Efe

A foto foi tirada por Henry Cuellar através de seu telefone celular

Os jovens que tentam cruzar a fronteira em busca de uma vida melhor nos Estados Unidos sofrem diversos tipos de violência: física, psicológica e sexual. Os maus tratos sofridos por crianças detidas nos EUA ganharam especial atenção dos senadores do país. Jornais mexicanos reportaram neste domingo (22/06) que a Comissão de Direitos Humanos do Senado pediu que o presidente Peña Nieto exija do governo norte-americano o “respeito irrestrito à integridade e garantias fundamentais das crianças imigrantes que se encontram nos centros de detenção dos Estados Unidos”.

No começo do mês, o congressista democrata, Henry Cuellar, divulgou imagens de crianças mexicanas e centro-americanas presas em “gaiolas”, chamadas de refúgios temporários pelas autoridades norte-americanas, em um centro de detenção no Texas.

[Jovens detidos em situação precária na fronteira dos EUA com o México]

Após as denúncias, os senadores pediram ao presidente Peña Nieto que a embaixada em Washington realize as visitas necessárias aos centros de detenção para verificar o estado das crianças que chegaram sozinhas ao país.

A presidente da comissão, Angélica de la Peña, afirmou que os jovens deportados são alvo fáceis de organizações criminosas e redes de tráfico de pessoas que atuam na região de fronteira.

Angélica ressaltou que, se o governo mexicano não atuar com “decisão” e não adotar “estratégias articuladas” diante do possível aumento da chegada de crianças imigrantes na fronteira, o país viverá uma “crise humanitária”.

Agência Efe

Mulheres e crianças no centro de detenção; Texas pediu US$ 30 mi ao Departamento de Estado para conter crise na fronteira

Entre as violências sofridas pelos jovens estão as agressões físicas e sexuais. De acordo com a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos), instituição da OEA (Organização dos Estados Americanos), foram registrados pelo menos 100 casos de abusos sexuais e físicos por agentes da fronteira contra menores.

Cemitério clandestino

Muitos dos mexicanos que tentam cruzar a fronteira são mortos antes de chegar nos Estados Unidos. A quantidade de pessoas que morrem nesta situação, no entanto, é imprecisa, visto que muitos são enterrados em valas clandestinas.

Ontem, antropólogas independentes anunciaram a descoberta dos restos mortais de pelo menos 52 pessoas em fossas comuns no cemitério Sacred Heart (Sagrado Coração), no sul do Texas. Devido ao fato de que algumas ossadas foram armazenadas juntas, as investigadoras não têm o número preciso de quantas pessoas podem ter sido enterradas no local no último ano.

 A descoberta foi feita nas últimas semanas pelas antropólogas Lori Baker, da Universidade Baylor, e Krista Latham, da Universidade de Indianápolis, e pelos estudantes de ambas como forma do esforço plurianual para identificar imigrantes que perderam a vida na região fronteiriça entre México e Estados Unidos.

Os restos foram encontrados dentro de sacos de lixo, como informou o jornal Corpus Christi Caller Times. Em 2013, foram encontrados 110 ossadas no local. Latham classificou a descoberta como “abominável”.

Mais de 300 pessoas morreram ao cruzar o condado Brooks de 2011 a 2013, o que corresponde a mais de 50% das mortes registradas no período ao longo do Rio Grande no Texas.

FONTE: http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/35761/imagens+de+criancas+imigrantes+mexicanas+presas+em+gaiolas+nos+eua+gera+revolta.shtml