As jaulas da política de “tolerância zero” contra imigrantes e exilados do governo Trump convulsionam os EUA

Morei nos EUA por quase 7 anos, e posso dizer como José Marti que “vivi no monstro e conheço suas entranhas”. Mas não posso dizer que minhas memórias da vida em terras estadunidenses são trágicas ou infelizes, apesar dos momentos difíceis que passei, muitos deles pela minha própria incapacidade cultural de entender como aquela sociedade funcionava.  Todavia, aprendi ao viver nas entranhas do monstro que sua gente não se ajusta necessariamente aos estereótipos que são formulados por quem desdenha, mas quer comprar os valores que dominam um modo de vida anconrado no consumo pleno e, claro, numa quantidade gigantesca de desperdícios.

A verdade é que por onde passei encontrei sempre pessoas que me trataram de forma gentil e compreensiva me deram uma mão amiga, muitas vezes indo além do que teria sido feito em situações semelhantes no Brasil, onde abunda uma forma de relacionamento que eu chamo de “falsa gentileza”, onde o tapinha nas costas pode ser a antevéspera da facada numa dialética que já foi imortalizada pelo poeta Augusto dos Anjos no seu “Versos íntimos”.

Por conhecer um pouco as complexidades da sociedade estadunindense é que não me surpreendo com toda a repercussão negativa que está acontecendo dentro dos EUA em reação à política de separação de país e filhos de pessoas que estão chegando e se entregando às autoridades na fronteira com o México. Essa política desenvolvida pelo governo de Donald Trump como mais uma das táticas de coação em assuntos que envolvem estratégias multilaterais (basta ver as disputas em curso com a China e a União Européia) acabou se mostrando um tremendo tiro no pé, pois as reações contrárias vieram de todos os lados do espectro político.

trump children

O gráfico acima mostra os resultados de uma pesquisa recente feita pela Universidade Quinnipiac, mostra de forma inequivoca que  66% dos eleitores americanos é contra as medidas drásticas de separar país e filhos e, pior, de colocar crianças e adolescentes em espaços que se assemelham a campos de concentração. Basta lembrar que apenas em seis semanas,  no período de abril a maio de 2018, 2.000 crianças foram separadas de seus pais e colocadas em celas que se assemelham a jaulas.

Mesmo tendo cedido sobre o efeito da pressão pública, o presidente Trump certamente ainda terá que conviver com as consequências negativas de sua política imigratória baseada na teoria de que campos de concentração são mais eficientes do que oferecer mecanismos mais humanos para estancar a onda migratória que continuará batendo às portas dos EUA, especialmente em sua fronteira sul. 

E não há como traçar um paralelo deste caso com o que se tem visto no Brasil nos últimos anos. Enquanto nos EUA milhares de pessoas e lideranças políticas saíram às ruas para denunciar o tratamento desumano sendo dado à crianças pobres que estavam sendo vítimas de uma forma explícita de terrorismo de estado,  aqui no Brasil o que tem se visto são massas de privilegiados que só ocupam espaços públicos para demandar a regressão da frágil melhoria nas condições de vida que as políticas sociais formuladas a partir da Constituição Federal de 1988 ofereceram aos segmentos mais miseráveis da nossa população.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s