Ciência e tecnologia fluminense nas trevas e a possibilidade da volta de Gustavo Tutuca à SECT

Inquirido a opinar sobre a qualidade do eventual substituto do efêmero secretário de Ciência e Tecnologia fluminense, deputado Pedro Fernandes (PMDB), respondi que considerava que a infindável capacidade do (des) governador Pezão de apontar secretários fracos para dirigir áreas estratégicas, e o que um nome ainda mais desqualificado poderia ser indicado para a pasta.

Eis que hoje a coluna “Informe” do jornal “O DIA” nos informa que o potencial futuro secretário de Ciência e Tecnologia poderá ser um velho conhecido, o deputado Gustavo Tutuca, o qual já deixou triste memória em sua passagem anterior pela secretaria de Ciência e Tecnologia (SECT) do Rio de Janeiro (ver reprodução da coluna abaixo).

IMG-20170714-WA0058

A questão é que Gustavo Tutuca não apenas um currículo acadêmico bisonho (aliás, a coisa mais relevante que se sabe de Tutuca é que ele é conterrâneo de Pezão!), mas também possui um perfil refratário ao diálogo com as universidades, como ficou demonstrado ao longo do tempo em que permaneceu à frente da SECT.  A coisa foi tão ruim com Tutuca que teve gente lamentou a partida de Pedro Fernandes que, pelo menos, fingia dialogar com as universidades!

Além disso, após se omitir totalmente em relação ao caos instalado no sistema de ciência e tecnologia fluminense, Gustavo Tutuca ainda se deu ao trabalho de comandar a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar supostas irregularidades cometidas no pagamento de bolsas e auxílios nas universidades estaduais (Aqui!). Esta ação foi vista contra uma tentativa de intimidar as universidades e está até hoje atravessada na garganta de muita gente.

Interessante notar que a volta de Gustavo Tutuca também significará o desmembramento da área de desenvolvimento social e a recriação de uma secretária que seria entregue à uma deputada federal do PMDB. Com isso fica evidente a farsa que é o discurso do (des) governo Pezão de que há compromisso com o enxugamento de máquina e o corte de cargos comissionados! Aliás, a única coisa que se está enxugando neste (des) governo são os orçamentos das universidades e das escolas da rede Faetec!

Mas é importante que as universidades se preparem para a volta de Gustavo Tutuca para a SECT, pois esta volta representa apenas a sinalização de que as trevas em que vivemos neste momento ainda poderão piorar, e muito. E como diz a primeira lei de Murphy, “nada está tão ruim que não piorar”.

tutuca não

Em tempo, a imagem acima já está sendo circulada nas redes sociais para “saudar” a possível volta de Gustavo Tutuca à SECT.  Ao que tudo indica, essa volta não vai ser marcada pela mesma tolerância com que Tutuca foi tratado na anterior. A ver!

Após passagem efêmera e obscura, deputado Pedro Fernandes renuncia ao cargo de secretário estadual de Ciência e Tecnologia

pf sc

Deputado Pedro Fernandes durante sua cerimônia de filiação ao PMDB quando teve a ficha abonada pelo ex-(des) governador Sérgio Cabral.

Tendo tomado posse do cargo de secretário de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro em fevereiro de 2017 (Aqui!), o deputado estadual Pedro Fernandes pediu demissão do cargo na manhã desta 3a. feira, alegando contrariedade com o atraso dos salários dos servidores da sua pasta (Aqui!).

Antes que eu me debruce sobre as razões alegadas pelo jovem deputado para retornar ao seu posto na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), afirmo que mais um secretário passa pela Ciência e Tecnologia sem ter o mínimo preparo para gerir uma área tão estratégica no atual momento do desenvolvimento  da economia mundial.  Lamentavelmente, o (des) governo Pezão conseguiu imprimir um nível de degradação na ciência e tecnologia que jamais vi em meus quase 40 anos de Rio de Janeiro. E olha que já tivemos governadores péssimos e anti-ciência, mas Pezão superou todos eles.

Em relação às razões alegadas pelo deputado Pedro Fernandes para pedir demissão do cargo que ocupava há pouco mais de 5 meses, o fato é que elas fossem genuínas a passagem teria sido ainda mais breve. É que Pedro Fernandes já tinha colocado a regularização do pagamento dos salários na sua pasta como condição antes, e continuou no cargo. A razão ou razões devem ser outras, e talvez fiquemos sabendo melhor sobre elas nos próximos dias e semanas.

De toda forma, Pedro Fernandes não deixará nenhum legado que mereça este nome, pois como outros secretários apenas usou da estrutura da secretaria de Ciência e Tecnologia para se auto-promover. E voltar para a Alerj é a saída mais confortável que ele poderia escolher, pois com o mandato na mão ele não sofrerá as consequências que estão sendo jogadas nas costas dos servidores que estão sem receber seus salários desde Abril. Em outras palavras, já vai tarde.

E que ninguém se espanta se o (des) governador Pezão indicar alguém ainda mais despreparado para chefiar a SECTI. É que a capacidade dele de piorar as coisas chega às raias do insuperável.

 

Síntese do dia: mais um secretário de Sérgio Cabral preso, e servidores com risco de serem ainda mais penalizados

 

Abaixo posto mais um vídeo que produzi para o “Blog do Pedlowski” para fazer uma rápida síntese do dia de hoje.  É que começamos com a mais do que esperada prisão do ex-secretário estadual de Saúde, Sérgio Cortês, e podemos terminar com a aprovação pela Câmara de Deputados do PL da Maldade que deverá impor medidas draconianas aos servidores de estados falidos como é o caso do Rio de Janeiro.

Há ainda espaço para um rápido comentário sobre a visita do ainda secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social, Pedro Fernandes, ao campus da Uenf no dia de ontem.

 

Mais uma profecia: secretário veste camisa de defesa da Uenf e deve cair em breve

Após uma longa reunião na sala de reuniões da reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), o ainda secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social, o deputado estadual Pedro Fernandes (PMDB), foi presenteado com uma camiseta criada pela Associação de Docentes da Uenf para simbolizar a defesa da instituição contra o desmonte promovido pelo (des) governo do qual ele faz parte.

Pois bem, o jovem secretário não apenas recebeu a camiseta, mas como a vestiu de forma voluntária, como mostra a imagem abaixo, produzindo uma ótima imagem de marketing para os enfrentamentos que certamente ainda ocorrerão entre a comunidade universitária da Uenf e o (des) governo Pezão.

pedro fernandes

Insira uma legenda

Lamentavelmente para o secretário Pedro Fernandes, esse gesto de aquiescência da justeza das reivindicações da comunidade universitária da Uenf deverá brevemente lhe custar o cargo que ele ocupa. É que desde que ocupou o cargo, sabe-se lá por quais razões, Pedro Fernandes já amealhou vários inimigos dentro da equipe mais próxima do (des) governador Pezão. Agora, ao vestir a camisa com a bela charge de Darcy Ribeiro,  Pedro Fernandes deverá balançar de vez no cargo.

Mas que ninguém se preocupe muito com o jovem secretário, pois Pedro Fernandes precisará apenas voltar para o Palácio Tiradentes para retomar seus funções parlamentares. Já a Uenf e sua comunidade universitária vão ter que continuar se virando por conta própria!

Profecia cumprida: secretário aparece na Uenf e diz que não pode se comprometer com nada

20170410_103334.jpg

O secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social (SECTIDS), Pedro Fernandes, chegou no campus Leonel Brizola em torno das 10:30 portando um vistoso colete, e foi logo recepcionado com uma ruidosa, mas respeitosa, manifestação por parte da comunidade universitária da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Visivelmente pressionado, mas calmo, o secretário Pedro Fernandes repetiu a ladainha de que nada pode fazer para resolver o atraso do pagamento de salários e bolsas, e se declarou envergonhado por visitar uma instituição que ainda está funcionando, mas onde a comunidade tem que cumprir suas funções sem quaisquer das condições essenciais garantidas.

De prático, Pedro Fernandes apontou que quaisquer soluções práticas para se saldar os atrasos de salários, bolsas e no pagamento das empresas terceirizados só poderá ser resolvido pelo secretário estadual de Fazenda, Gustavo Barbosa, ou pelo (des) governador Luiz Fernando Pezão.

Bom, se era para vir na Uenf e dizer isso, o secretário Pedro Fernandes poderia ter se poupado da viagem. Mas pelo menos ele poderá voltar para o Rio de Janeiro com uma amostra pequena do estado de insatisfação que grassa hoje na comunidade universitária da Uenf,  e que certamente aumentará após esta visita que promete ter, quando muito, resultados pífios.

 

Mais uma profecia: Secretário Pedro Fernandes estará na Uenf para dizer que nada pode fazer para resolver a crise criada pelo (des) governo Pezão

pedro-fernandes

O deputado Pedro Fernandes Neto, hoje secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social (SECTIDS), na cerimônia de filiação ao PMDB, quando teve o formulário de filiação homologado por Sérgio Cabral.

O secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social (SECTIDS) Pedro Fernandes Neto (PMDB), estará visitando o campus Leonel Brizola na manhã desta segunda-feira (10/04).  Mas antes que alguém se anime, posso já profetizar que não se deve esperar nada de prático desta visita, pelo menos no que tange à solução dos problemas reais que colocaram a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) em condição da calamidade institucional.

É que se observarmos o papel prático que Pedro Fernandes vem cumprindo desde que assumiu a SECTIDS  foi de pressionar empresas terceirizadas que ainda sobreviveram ao calote generalizado do (des) governo Pezão a reduzirem o tamanho da fatura cobrada pelos diferentes serviços terceirizados. Agora, pagar os débitos acumulados que é bom, nada!

Esse papel  escolhido por Pedro Fernandes cabe melhor em um gerente de compras, mas dificilmente se coaduna com a envergadura de um dirigente apto a resolver a crise que vivem as universidades estaduais, começando pela falta de verbas de custeio desde outubro de 2015 e chegando no atraso de salários e bolsas acadêmicas.

Mas vamos lá, o que pode se esperar de qualquer representante do (des) governo Pezão que não a incapacidade ou a ineptude para resolver os problemas que foram criados a partir de 2007 quando o hoje presidiário Sérgio Cabral implantou seu peculiar método de (des) governo no Palácio Guanabara?

Entretanto, ao visitar o campus Leonel Brizola após uma faxina feita por voluntários convocados pela reitoria da Uenf, o secretário Pedro Fernandes poderá ainda sair de Campos dos Goytacazes com o sentimento de que as coisas não estão tão ruins assim (Aqui!). Aí é que entra aquela máxima “por fora, bela viola. Por dentro pão bolorento”.   É diante desse tipo de possibilidade que vejo o equívoco de se pretender viver uma normalidade quando a casa toda periga cair na cabeça das pessoas. Ou de pelos menos criar uma ilusão de normalidade ao realizar faxinas que só são necessárias porque o (des) governo Pezão resolveu deixar a Uenf à mercê da própria sorte.

somos

Agora, uma coisa é certa: o secretário Pedro Fernandes deverá vir preparado para momentos intensos no campus da Uenf, ou pelo menos deveria. É que a impaciência com a situação desastrosa em que a Uenf se encontra está alcançando níveis altíssimos. E não será com promessas de que irá baixar os custos de serviços que já não são sequer prestados pelo calote dado pelo (des) governo Pezão que os ânimos vão ser esfriados. Basta ver a convocação que o Diretório Central dos Estudantes da Uenf (DCE/Uenf) está fazendo nas redes sociais para convocar os estudantes para a reunião do Conselho Universitário que deverá ocorrer no Centro de Convenções com a presença de Pedro Fernandes.

dce

“Ilustre” secretário Pedro Fernandes deve visitar Uenf nesta 5a. feira

pedro fernandes

O secretário Pedro Fernandes, no dia em que se filiou ao PMDB, ao lado do ex (des) governador e hoje hospede do complexo prisional de Bangu, Sérgio Cabral

O secretário Pedro Fernandes está se notabilizando por cumprir um papel que na “Escolinha do Professor Raimundo” poderia caber tanto a Rolando Lero quanto à Armando Volta. É que nas últimas semanas, após voltar de sua viagem à França onde supostamente foi concluir seu doutorado, Pedro Fernandes vem usando a mídia corporativa para disseminar a ideia pouco crível de que irá utilizar os canais da justiça se for necessário para que os servidores da sua secretaria recebam os salários em dia.

A narrativa do jovem secretário é tão boa que há quem acredite nisso, deixando-se é claro esquecer que ele pertence ao PMDB e cedeu seu posto na Alerj a convie do (des) governador Pezão para que outro deputado pudesse votar a favor da vergonhosa privatização da CEDAE.

Agora existem várias indicações de que Pedro Fernandes irá finalmente conhecer o campus da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), onde provavelmente aportará com uma trupe de assessores nesta 5a. feira (09/03).

Como o dublê de secretário e deputado já adiantou em reuniões com representantes de outros órgãos vinculados à sua pasta que não tem como resolver as questões de atrasos salariais, e que a única coisa que pode efetivamente fazer é renegociar os custos dos contratos com empresas que fornecem produtos e serviços aos diferentes órgãos vinculados ao frankstein institucional denominado de Secretária de Estado de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social (!!), o saldo desta visita só pode ser um: um papo armando voltista rolado lerista. Em suma, o resultado prático para a Uenf deverá ser basicamente, nenhum!

É que como quase todos os fornecedores e prestadores de serviços já partiram (com a honrosa exceção da empresa que presta serviços de limpeza), não há o que renegociar. E também como nenhum empresário com um pingo de juízo quer assinar novos contratos com a Uenf para não correr o risco de quebrar, não haverá o que negociar. Simples, porém, trágico.

Resta saber com quem o secretário Pedro Fernandes vai querer se encontrar enquanto estiver no campus Leonel Brizola. Provavelmente não será com estudantes, professores e servidores técnic0-administrativos. É que ele já deve ter sido informado que o humor desses segmentos anda péssimo por causa dos atrasos crônicos nos pagamentos de bolsas e salários. Certamente irá procurar um abrigo seguro no interior da reitoria da Uenf.

Mas antes que eu me esqueça! O principal saldo dessa visita do secretário Pedro Fernandes deverá ser a chance de finalmente poder provar uma deliciosa porção de chuvisco cristalizado ou em calda. É que apesar de tudo na Uenf não falta gente educada e disposta a receber bem os representantes desse (des) governo horroroso do qual o secretário Pedro Fernandes é um “muy digno” representante. A ver!

O secretário dentista e o que sua presença à frente da SECTI diz dos rumos da ciência fluminense sob o (des) governo Pezão

Grassa na internet uma acalorada discussão sobre a qualidade da dissertação de mestrado do novo secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I)  do Rio de Janeiro,   o deputado estadual e cirurgião dentista Pedro Fernandes, o qual foi aprovada na Escola Brasileira de Administração Pública e Empresas (EBAPE) da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro  É que  segundo se diz nas redes sociais, das 205 páginas do trabalho, 10 são de elementos pré-textuais e mais de 150 páginas de anexos.  

pedro-fernandes-3

Curioso com o que estaria inserido na dissertação ,e principalmente nas 40 páginas que compõe o corpo principal da dissertação, acessei o arquivo disponibilizado pela “Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas” (Aqui!), e confirmei o que estava sendo disseminado. Em outras palavras, não era um caso de  “Fake News”.

Além disso, apliquei ao trabalho o mesmo tipo de rigor que aplico como professor nas bancas que venho participando em diferentes instituições que possuem mestrados acadêmicos. Obviamente o trabalho em si não atenderia critérios mínimos para ser aprovado em um mestrado acadêmico. Mas também é preciso notar que o secretário Pedro Fernandes cursou o que se denomina normalmente de “Mestrado Profissional” , e na nomenclatura adotada pela EBAPE/FGV seria um “Mestrado Executivo”. Em outras palavras, a  régua nesses casos é colocada mais para baixo. O que eu não esperava é que fosse tão para baixo. Um detalhe que pode ser encontrado na página da EBAPE/FGV é o custo desse “mestrado executivo” é que o seu custo para a turma de 2017 é de salgados R$ 77.983,34! (Aqui!)

Ultrapassada a questão da qualidade da dissertação, também consultei o CV Lattes do secretário Pedro Fernandes (Aqui!) e me deparei com uma produção que efetivamente não se mostra minimamente adequada para alguém que tem a obrigação de governar uma secretária que é responsável por cuidar para que o Rio de Janeiro continue sendo um dos principais lócus da produção científica nacional.  Aliás, sequer para receber uma bolsa de Iniciação Científica da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ).  Interessante ainda notar que o secretário Pedro Fernandes sequer se deu ao trabalho de atualizar o seu CV Lattes, já que a versão atualmente depositada na base de curricula do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) data do dia 24/02/2016, onde o “endereço profissional” apontado é o da Assemblria Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

pedro-fernandes-1

Em outras palavras, como no caso recente do bispo da Igreja Universal, Marcos Pereira, que iria ser o ministro da Ciência e Tecnologia, o secretário Pedro Fernandes é outro que não possui a envergadura intelectual para dirigir a pasta que ocupa. E aí vem a questão básica: por que então ocupa? No caso do  (des) governo Pezão, essa presença evidencia o total descaso com os destinos da ciência fluminense, especialmente porque o secretário anterior, Gustavo Tutuca, também não possuía o capital acadêmico minimamente necessário para estar à frente da SECTI.

Uma das explicações para a ida de Pedro Fernandes para a SECTI foi facilitar os arranjos necessários para a aprovação do chamado “Pacote de Maldades” do (des) governo Pezão que já alcançou a primeira vitória que foi a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) pela Alerj . Mas devem existir outras, visto que Pedro Fernandes vem tentando demonstrar um desenvoltura na aplicação de medidas de arrocho nas universidades estaduais e demais órgãos ligados à sua secretária, coisa que Gustavo Tutuca nunca efetivamente demonstrou.

Mas sejam quais forem as razões para o cirurgião e deputado Pedro Fernandes estar à frente de uma secretaria que deveria ser estratégica e não é tratada enquanto tal,  o fato é que este fato reflete o completo descaso do (des) governador Pezão com o sistema fluminense de ciência e tecnologia.  Simples assim!

Finalmente, há que se conceder o fato de que o secretário Pedro Fernandes é uma pessoa transparente.  É que na última segunda-feira (20/02), mesmo dia em que seus colegas da Alerj aprovaram a privatização da CEDAE, ele postou na rede social Facebook um “selfie” dentro de um avião informando que estava viajando para a França por uma semana para completar o seu doutorado na Universidade de Rennes, sabe-se lá em qual campo disciplinar (ver abaixo) . Alias, curiosamente não há qualquer menção a esse aventado doutorado no CV Lattes do secretário Pedro Fernandes.

pedro-fernandes-2

E isso no meio de uma situação que as universidades estaduais (Uenf, Uerj e Uezo) e as escolas da rede Faetec estão enfrentando graves dificuldades para retomar seus semestres acadêmicos, e os servidores da pasta estão amargurando salários atrasados e parcelados. Em sua defesa, o secretário Pedro Fernandes respondeu a um comentário que se seguiu à postagem dizendo que mesmo da França continuará acompanhando o cotidiano da SECTI. Os pais e os estudantes das universidades e escolas técnicas estaduais devem estar se sentido bem reconfortados com essa informação do secretário… Ou não!

RJ: enquanto povo sofre com precariedade nas unidades de saúde, toneladas de remédios são desperdiçadas por gestores privados

rem

A matéria abaixo, que foi publicada pelo jornal Extra no início da noite desta segunda-feira (22/02), traz informações lamentáveis sobre a situação da saúde no estado do Rio de Janeiro. É que enquanto a população que acorre às unidades hospitalares estaduais sofre com todo tipo de precariedade, uma simples vistoria realizada por uma comissão de deputados da Alerj encontrou 300 toneladas de medicamentos vencidos em apenas um dos muitos armazéns existentes no estado.

A administração desta fortuna de remédios está à cargo do consórcio Log Rio que é formado pelas empresas Prol e Facility que pertencem ao fundo de “private equity” Rise International cuja sede é supostamente na Holanda.

Mas agora o que me deixa curioso é o seguinte: se encontraram 300 toneladas em um armazém, quantas toneladas estão neste momento dormitando vencidas em todos os depósitos do estado do Rio de Janeiro?

Vistoria descobre cerca de 300 toneladas de medicamentos vencidos desde 2009 em armazém da Secretaria estadual de Saúde

Por Rafael Soares

Uma vistoria realizada nesta segunda-feira numa central de abastecimento da Secretaria estadual de Saúde, em Niterói, encontrou cerca de 300 toneladas de remédios vencidos. Todo esse medicamento foi comprado com dinheiro público. O responsável da inspeção foi o deputado Pedro Fernandes (Solidariedade), que faz parte de uma comissão especial montada pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) para inspecionar as organizações sociais que administram os hospitais do estado.

Central de abastecimento tem cerca de 300 toneladas de medicamentos estragados
Central de abastecimento tem cerca de 300 toneladas de medicamentos estragados Foto: Divulgação

Entre os medicamentos, estavam agulhas, remédio de pressão, próteses e outros materiais. A vistoria encontrou galerias com remédios separados pelas datas de vencimento. Cartazes afixados nas caixas mostravam desde quando aquele grupo de medicamentos perdeu a validade. O deputado afirmou que vai pedir a extinção do contrato do governo do estado com a LogRio, consórcio formado pelas empresas Prol e Facility responsável pela gestão da central de abastecimento. O grupo seria responsável por repassar as informações ao estado.

— Vamos sugerir ao Ministério Público que peça a prisão dos responsáveis por esse desperdício de dinheiro. Temos que descobrir quem são eles, tanto na secretaria, quanto na empresa. Esse caso é um absurdo — afirmou.

Caixas são identificadas por etiquetas
Caixas são identificadas por etiquetas Foto: Divulgação

O parlamentar afirmou que funcionários do consórcio LogRio alegaram que a empresa avisa à Secretaria estadual de Saúde três meses antes dos remédios perderem a validade através de relatórios. Pedro Fernandes diz que vai chamar o secretário estadual de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr., para falar aos deputados na Alerj.

Em janeiro, a secretaria, em meio à crise econômica, renegociou o contrato com a LogRio em 43%. O consórcio, que recebia R$ 4,4 milhões por mês para executar os serviços em unidades próprias e nos municípios do interior, vai passar a ganhar R$ 2,5 milhões. A economia em 2016 será de mais de R$ 23 milhões — o contrato caiu de R$ 53 milhões para R$ 30 milhões por ano.

A LogRio é responsáveis pelo recebimento, armazenagem e distribuição de insumos, medicamentos e equipamentos utilizados nas unidades próprias do estado e repassados aos municípios.

FONTE: http://extra.globo.com/noticias/rio/vistoria-descobre-cerca-de-300-toneladas-de-medicamentos-vencidos-desde-2009-em-armazem-da-secretaria-estadual-de-saude-18726511.html#ixzz40wTRB0aD