O Atlas do uso de agrotóxicos no Brasil: uma obra fundamental para entendermos o quanto estamos sendo envenenados

agrotoxicos

A obra “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia” de autoria da professora Larissa Mies Bombardi do Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo (USP) foi lançado em 2017, mas permanece injustamente desconhecida da maioria dos brasileiros.

atlas bombardi

Felizmente agora todos os interessados em entender o que eu chamo de geopolítica do veneno poderão baixar gratuitamente a versão eletrônica do atlas produzido pela professora Larissa Bombardi. Segundo o que está posto no blog que a pesquisadora mantém na internet, a disponibilização da versão e-book visa permitir que as informações contidas no atlas “possam circular e possam ser um importante instrumento de conscientização e, também, de suporte para políticas públicas que envolvam a proteção da população exposta aos agrotóxicos.”

Como alguém que vem estudando as formas e a intensidade do uso de agrotóxicos no Brasil há mais de uma década, considero que esta obra nos entrega informações preciosas sobre a disseminação territorial destas substâncias, e dos impactos já identificados sobre a saúde dos trabalhadores que as manuseiam cotidianamente.

Para baixar a obra da professora Larissa Bombardi, basta clicar [Aqui!]

Estados membros da União Europeia pedem ação dura contra desmatamento para cumprir meta da ONU 2020

Mostre liderança para deter a perda de florestas por causa do agronegócio, diz grupo da Declaração de Amsterdã à União Européia

 

3500

Uma vista aérea mostra a área desmatada em Apuí, na região sul do estado do Amazonas, Brasil. Foto: Bruno Kelly / Reuters

Por Arthur Neslen [1]

O Reino Unido, a França e a Alemanha pediram à Comissão Europeia que lance novas ações duras para deter o desmatamento até o final do ano.

Um plano de ação da UE há muito adiado deve ser antecipado “o mais rapidamente possível”, diz uma carta à comissão enviada pelo grupo de países da Declaração de Amsterdã que inclui também a Itália, os Países Baixos e a Noruega.

Para ajudar a cumprir uma meta da ONU de deter o desmatamento até 2020, a UE deve mostrar “um papel de liderança, mobilizando sua alavancagem política e de mercado e promovendo um diálogo e cooperação internacional mais amplos”, diz a carta.

Ações devem ser tomadas para alinhar as “oportunidades econômicas” com a “gestão responsável das cadeias de fornecimento globais”, diz a carta assinada pelo ministro do Meio Ambiente da Dinamarca, Jakob Ellemann-Jensen.

Até 80% da perda florestal global é impulsionada pelo agronegócio, embora pesquisas mostrem que melhores soluções de manejo florestal e clima natural poderiam fornecer mais de um terço da mitigação climática necessária até 2030.

Os Estados da UE avançaram na questão, uma vez que as preocupações continuam a se sobrepor à recente eleição do Brasil de um defensor de extrema direita da antiga ditadura militar do Brasil.

Jair Bolsonaro prometeu designar ativistas dos direitos da terra como terroristas” e pavimentar uma rodovia através da Amazônia, potencialmente espalhando o desmatamento para uma área de floresta tropical maior que a da Alemanha.

A sua campanha eleitoral foi apoiada por poderosos interesses do agronegócio no Brasil, mas alguns líderes do setor no domingo pediram que ele mostrasse moderação.

 Géraldine Kutas, chefe de assuntos internacionais da Associação Brasileira da Indústria de Cana-de-Açúcar, disse que a importância da Amazônia para o mundo – e para o Brasil – deve ser respeitada. “Estamos perfeitamente bem com as nossas normas ambientais atuais”, disse ela.

“Estamos realmente comprometidos com eles e não apoiaremos nenhuma mudança que possa relaxar as regras”. 

Leis fortes da UE poderiam reduzir a pegada ecológica de commodities como soja, óleo de palma e carne bovina, que impulsionam o desmatamento na Amazônia, segundo o Greenpeace. Sébastien Risso, diretor florestal da UE no grupo, disse: “Ignorar o problema e adiar a ação só nos levará a mudanças climáticas catastróficas e à extinção de uma grande espécie global”. 

Autoridades da UE notaram que Bolsonaro, que toma posse em janeiro, recuou em algumas promessas de campanha e disse que é cedo demais para considerar verificações mais rigorosas para o desmatamento, apesar das declarações e iniciativas do presidente eleito que visam relaxar a regulamentação ambiental na Amazônia

“Nós o tivemos em nosso radar durante os discursos de campanha”, disse uma fonte da UE. “Vamos avaliar as decisões tomadas, uma vez que são tomadas.”


Artigo publicado originalmente em inglês pelo “The Guardian” [1]

França proíbe neonicotinóides a partir de 1º de setembro

1052187126

Os pesticidas neonicotinóides, amplamente vistos como uma das principais causas do declínio das populações de abelhas, devem ser proibidos na França a partir deste sábado, 1º de setembro.

A proibição se estenderá a sete inseticidas neurotóxicos – acetamipride, clotianidina, imidaclopride, tiaclopride, tiametoxam, nitenpiram e dinotefurano – e é projetada para proteger o número de abelhas em declínio e o resultante fracasso das colheitas.

Disponível desde meados da década de 1990, os pesticidas neonicotinóides têm sido usados ​​com frequência para se livrarem de lagartas venenosas de chenille, cochonilhas, pulgões e tatuzinhos, e são amplamente descritos como os pesticidas mais comumente usados ​​no mundo.

No entanto, os neonicotinóides – mesmo em pequenas quantidades – foram responsabilizados pelo declínio do número de abelhas e problemas associados, com  apicultores notando um declínio significativo na atividade das colmeias, e um aumento nas taxas de mortalidade desde a introdução dos pesticidas.

As substâncias já estão sob restrição da UE desde 2013.

Em abril, a UE proibiu o uso de clotianidina, tiametoxam e imidaclopride de uso em fazendas e campos (embora ainda sejam permitidos em estufas), com a proibição entrando em vigor em 19 de dezembro deste ano.

A França irá mais longe, com uma lei de biodiversidade feita em 2016, banindo finalmente todas as substâncias em questão a partir de 1º de setembro.

Exceções podem ser concedidas até 1º de julho de 2020, mas apenas para pesticidas feitos com acetamipride, e apenas em “pequenas quantidades”, disse o ministro francês para a transição ecológica.

No entanto, algumas organizações ambientais pediram ao governo que vá ainda mais longe, banindo totalmente os pesticidas, muitas vezes chamados de “neonicotinóides de nova geração”.

Estes incluem a flupiradifurona (que já não é permitida na França) e o sulfoxaflor, um ingrediente ativo em muitos pesticidas – embora uma campanha para suspender a venda do último ano passado tenha sido bem-sucedida.

François Veillerette, da ONG Générations Futures, disse: “Não devemos parar de proibir apenas esta família [de pesticidas]. Muitos outros também deveriam ser banidos ”.

A proibição não foi bem recebida pelos agricultores e produtores, que dizem estar em um “impasse dramático” e alegam não ter opções definitivas de substituição para as substâncias proibidas.

Apesar disso, a Agência Francesa de Segurança Alimentar l’Agence Nationale de Sécurité Sanitaire de l’Alimentation, de l’Environnement et du Travail (Anses) sustentou que “existem substitutos suficientemente eficientes e operacionais” para a grande maioria dos usos atualmente permitidos. de neonicotinóides.

FONTE: https://www.connexionfrance.com/French-news/Neonicotinoids-pesticides-to-be-banned-in-France-from-September-1-2018

Recursos para CT&I na União Europeia vão sentido inverso ao do Brasil

opposite

Enquanto no Brasil vivemos uma profunda crise de financiamento para a área de ciência e tecnologia, com a ameaça de implosão em 2019, na União Eurpéia o caminho adotado é justamente o inverso.

A figura abaixo aponta que está ocorrendo m aumento significativo de recursos para a área, dentro do programa Horizon 2020.  E lembrem que os valores abaixo se referem a bilhões de euros.

recursos eu

Diante desses valores é que se vê quão danosa para o futuro do Brasil são os atuais cortes na ciência e tecnologia, e que colocam em perigo o ainda incipiente sistema nacional de pós-graduação.

E que ninguém se engane: não sairemos desta crise nos isolando dentro das universidades ou acreditando nas desculpas esfarrapadas do governo Temer. Ou nos mobilizamos ou seremos destruídos. Simples assim!

Agrotóxicos: Brasil libera quantidade até 5 mil vezes maior do que Europa

agrotoxicos-660x330

O debate sobre o uso de agrotóxicos ganhou um novo capítulo, e ele não é bom para o Brasil. Estudo inédito revelou o abismo que existe entre a legislação brasileira e a da União Europeia sobre o limite aceitável de resíduos na água e nos alimentos. A contaminação da água é o que mais chama a atenção, com a lei brasileira permitindo limite 5 mil vezes superior ao máximo que é permitido na água potável da Europa. No caso do feijão e da soja, a lei brasileira permite o uso no cultivo de quantidade 400 e 200 vezes superior ao permitido na Europa.

Esses são os resultados do estudo “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia”, da pesquisadora Larissa Mies Bombardi, do Laboratório de geografia Agrária da Universidade de São Paulo. “Infelizmente, ainda não é possível banir os agrotóxicos. Por isso, é importante questionar por que o governo brasileiro não usa parâmetros observados no exterior”, afirma Bombardi, para quem a permissividade em relação à água “é uma barbárie”. Enquanto a União Europeia limita a quantidade máxima que pode ser encontrada do herbicida glifosato na água potável em 0,1 miligramas por litro, o Brasil permite até 5 mil vezes mais.

O Brasil tem, segundo o estudo, 504 agrotóxicos de uso permitido. Desses, 30% são proibidos na União Europeia – alguns há mais de uma década. Esses mesmos itens vetados estão no ranking dos mais vendidos. O acetato, tipo de inseticida usado para plantações de cítricos, é o terceiro da lista. Uma nota técnica da Anvisa citada no estudo de Bombardi mostra que o acetato causa a chamada “síndrome intermediária”. Entre os danos à saúde estão fraqueza muscular dos pulmões e do pescoço. Em crianças, o risco é mais acentuado. “A nossa legislação é frouxa no que diz respeito aos resíduos e à quantidade permitidos na União Europeia”, diz Bombardi. Para Brian Garvey, da Universidade de Strathclyde, da Escócia, e orientador de Bombardi na pesquisa, as autoridades brasileiras “lavam as mãos da toxidade”.

Como resultado, o mapa aponta ainda que oito brasileiros são contaminados por dia, se levarmos em conta os números oficiais, que são subnotificados. Uma pesquisa da Fiocruz estima que, para cada caso registrado, 50 não o foram. O que significa que, entre 2007 e 2014, mais de um milhão de brasileiros foram intoxicados por agrotóxico – um quinto das vítimas é criança ou adolescente. Para piorar, em 2015, o governo deixou de publicar os casos de intoxicação por agrotóxicos. Desde então, ficou mais difícil estudar os casos de vítimas intoxicadas dentro ou fora do trabalho, como nos casos de pessoas que moram em áreas pulverizadas.

Bombardi se refere aos casos de intoxicação como a “ponta do iceberg”. “A intoxicação representa 2% do total de problemas de saúde que podem acometer a sociedade. As doenças crônicas não são estudadas como deveriam.” Procurado no sábado, a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde respondeu que recebeu a demanda na segunda (dia 27) e que até o final do dia mandaria esclarecimentos.

A Anvisa, por e-mail, informou que “realiza a avaliação toxicológica dos agrotóxicos, antes dos mesmos serem registrados pelo Ministério da Agricultura” e que há uma série de restrições para registros de agrotóxicos no país, como nos casos em que não há antídoto ou tratamento eficaz no Brasil. Em relação à quantidade de resíduos presentes, a Anvisa afirmou que uma análise feita entre 2013 e 2015 mostrou que quase 99% das amostras de alimentos analisadas “estão livres de resíduos de agrotóxicos que representam risco agudo para a saúde”.

 Consumo de agrotóxicos aumentou

Desde 2008 o Brasil é o país campeão mundial em uso de agrotóxicos. Consumimos 20% do que é comercializado mundialmente. Não bastasse o manuseio não parou de crescer. Entre 2000 e 2014, mostrou o estudo, o Brasil saltou de cerca de 170 mil toneladas para 500 mil, aumento de 194% em quinze anos.

Segundo o estudo, nos estados de Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás e Mato Grosso o consumo do herbicida glifosato fica entre 9 kg e 19 kg por hectare. Análises feitas com animais mostraram que a exposição ao produto causou câncer de mama, necrose de células e reduziu o tempo de vida dos bichos. Em setembro deste ano, a França anunciou que banirá o glifosato até 2022. “O primeiro-ministro Edouard Philippe decidiu que este produto será proibido na França – assim como todos os que se pareçam com ele e que ameaçam a saúde dos franceses”, disse o porta-voz Christophe Castaner em entrevista a um canal de televisão.

Mesmo em casos em que o agrotóxico é permitido lá e cá, a quantidade usada é menor, como é hoje o caso do glifosato, o líder brasileiro de vendas. Enquanto na Europa é permitido usar até 2 kg de glifosato por hectare, a média brasileira fica entre 5 kg e 9 kg. Entre 2009 e 2014, o consumo subiu 64%, de 118 mil toneladas para 194 mil. Em 2014, o Mato Grosso liderou as compras, seguido por Paraná e Rio Grande do Sul.

Bombardi aponta ainda que o aumento do uso de agrotóxicos não aumentou a produção de alimentos por hectare no Brasil. O crescimento do consumo do produto aconteceu em paralelo a um outro movimento: o aumento da concentração de terras e da plantação de produtos que usam grandes quantidades de herbicidas. Em 2003 as fazendas declaradas com área superior a 100 mil hectares ocupavam 2% de todo o território destinado a imóveis rurais no país, em 2015, o número saltou para 18%. Em 13 anos, a área cultivada de soja aumentou 79% no Brasil.

O aumento da produção rural também ajuda a entender esse crescimento no consumo de agrotóxicos. Em 2014, os produtos básicos assumiram a liderança das exportações, com 48% do total. Dos dez produtos mais vendidos pelo Brasil no exterior, sete vêm do campo. A pesquisadora aponta ainda a política de incentivos às empresas produtoras de agrotóxicos, que têm 60% de desconto no imposto relativo à circulação de mercadorias no Brasil, dentre outros benefícios.

Lei permissiva, culpa do agricultor

Embora a lei brasileira seja permissiva, as autoridades tendem a jogar no produtor rural a culpa pelos casos de contaminação. Em audiência pública realizada na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados em agosto de 2017, tanto o governo quanto a Anvisa atribuíram a contaminação por agrotóxicos à utilização inadequada.

O mesmo argumento foi usado pela coordenadora do Programa Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes do Ministério, Rosana Vasconcelos, em reportagem da Agência Câmara: “Quando se depara com o problema de uma praga, de uma doença na sua cultura, ele [produtor] não quer saber se é permitido para o mamão, ele quer saber se mata aquela praga para ele não perder a produção”, afirmou. Na mesma reportagem, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informa que “o uso de agrotóxicos no Brasil está dentro dos padrões internacionais, mas reconheceu que há uma utilização equivocada que pode levar à contaminação.” Procurados, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sugeriu enviar os questionamentos à Anvisa.

O estudo confirma a informação de que os trabalhadores rurais são as principais vítimas de contaminação, seguidos por quem vive em regiões próximas às plantações, sendo as áreas pulverizadas as mais suscetíveis. No estado de São Paulo, 75% da área é pulverizada. Por fim, o último elo da cadeia revela as consequências da contaminação por quem consome. “O agrotóxico não tem público alvo”, afirma Lombardi.

 

Fonte: http://www.informaluz.com.br/agrotoxico-alem-do-limite-no-brasil

Meio Ambiente União Europeia aprova proibição total de inseticidas neonicotinóides que matam abelhas

A proibição do neonicotinoides, o inseticida mais usado no mundo, deve entrar em vigor até o final deste ano.

abelhas

Por Mayra Rosa*

Em uma decisão histórica que levou anos, todas as nações membros da União Europeia aprovaram a proibição total dos neonicotinoides, o inseticida mais usado no mundo, e um perigo bem documentado para as abelhas e outros polinizadores. A proibição deve entrar em vigor até o final deste ano, embora o uso do inseticida ainda seja permitido em estufas. O rápido declínio da população de espécies de polinizadores nos últimos anos deve-se em parte ao uso disseminado de pesticidas nocivos. A proibição deve resultar em uma população de polinizadores mais saudável, o que é essencial para a produção global de alimentos.

A votação segue estudos recentes que confirmaram o perigo que os neonicotinoides representam para os polinizadores, diretamente e através da contaminação da água e do solo. “A comissão havia proposto essas medidas meses atrás, com base nos pareceres científicos dos assessores de risco científico da UE”, disse Vytenis Andriukaitis, comissário europeu para Saúde e Segurança Alimentar, em entrevista ao Guardian. “A saúde das abelhas continua a ser de extrema importância para mim, uma vez que diz respeito à biodiversidade, produção de alimentos e meio ambiente.”

Essa mudança na política agradou os ativistas. “Finalmente, nossos governos estão ouvindo seus cidadãos, as evidências científicas e os agricultores que sabem que as abelhas não podem viver com esses produtos químicos e não podemos viver sem as abelhas”, disse Antonia Staats, da Avaaz.

Indústria agro é contra

Enquanto isso, representantes da indústria desaprovaram. “A agricultura europeia sofrerá como resultado desta decisão”, disse Graeme Taylor, da Associação Europeia de Proteção de Cultivos. “Talvez não hoje, talvez não amanhã, mas com o tempo os tomadores de decisão verão o claro impacto de remover uma ferramenta vital para os agricultores.” Pesquisas sugerem que as preocupações de Taylor são infundadas, enquanto o dramático declínio nas populações de polinizadores – que continuará a ocorrer sem ação – prova desastrosa para a produção de alimentos.

 

*Mayra Rosa é arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.