Observatório dos Agrotóxicos: com mais 6 produtos técnicos, governo Bolsonaro totaliza 753 liberações em 20 meses

proibidosAgrotóxicos proibidos  pela União Europeia são campeões de vendas no Brasil, incluindo o famigerado Acefato que é neurotóxico, citotóxico e genotóxico

Nem o caos sanitário, político e econômico em que o Brasil está afundado neste momento para o ímpeto do governo Bolsonaro de liberar mais agrotóxicos para serem consumidos no Brasil.  Com a promulgação do Ato de No. 46 de 05 de agosto 2020, publicado no Diário Oficial da União no dia 10 de agosto, o Ministério da Agricultura lançou mais 6 agrotóxicos na forma de produtos técnicos, totalizando incríveis 753 liberações desde janeiro de 2019, sendo 250 em 2020.

Dos 6 agrotóxicos aprovados, 5 estão proibidos pela União Europeia, incluindo o famigerado inseticida Acefato que têm sido associado a diversas doenças graves (ver figura abaixo). Completando a lista dos “proibidões” liberados pelo Ato 46 estão o Dibrometo de Diquate (Herbicida), o Ciproconazol (Fungicida) e a Piroxasulfona (Herbicida).

veneno 3

O curioso é que todos esses produtos já tiveram outras versões liberadas pelo governo Bolsonaro, o que reforça o fato de que no Brasil estão sendo despejados agrotóxicos que estão perdendo mercados em outras partes do mundo, o que nos transforma em uma espécie de “zona de sacrifício” de produtos proibidos em outras partes do mundo. 

Esta prática de introduzir cada vez mais produtos que já estão com patentes livres no mercado mundial não tem, contudo, servido para baratear o custo dos agrotóxicos, o que demonstra, mais uma vez, que o discurso do governo Bolsonaro, também nesta área, não condiz com a realidade.  

Assim, enquanto os fabricantes de agrotóxicos proibidos fazem festa, os brasileiros estão cada vez mais sendo expostos a substâncias altamente tóxicas e causadoras de doenças graves.

Quem desejar baixar a lista de agrotóxicos liberados pela Ato No. 46, basta clicar [Aqui!], e as lista total para 2020 [Aqui!].

A chuva de agrotóxicos do governo Bolsonaro explicada por Larissa Bombardi

chuva 1

Considero que a professora Larissa Bombardi, docente e pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), como uma das mais bem preparadas estudiosas de venenos agrícolas no Brasil. Abaixo posto um vídeo em que ela explica de forma extremamente didática algumas das principais características da verdadeira enxurrada de substâncias altamente perigosas que foram liberadas apenas nos primeiros 18 meses do governo Bolsonaro.

Mas para enfatizar algumas das principais observações apontadas pela professora Bombardi, posto abaixo uma síntese das mesmas para que se entenda o tamanho do problema que está posto não apenas para os brasileiros, mas para todos os países que importam a produção envenenada que o latifúndio agro-exportador do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas como o governo Bolsonaro está aproveitando para “passar a boiada” também na área de liberação agrotóxicos. É que desde a publicação deste vídeo pela professora Bombardi, outros 29 agrotóxicos já foram liberados pelo Ministério da Agricultura sob o comando da “musa do veneno”, a ministra Tereza Cristina (DEM/MS).

A União Européia adotou um plano de recuperação ecológica em larga escala

Os líderes da UE introduziram uma meta de alocar 30% do total de gastos da UE no clima. Isso significa que, de diferentes formas e em momentos diferentes, entre 2021 e 2027, serão disponibilizados cerca de 547 bilhões de euros em fundos europeus para a transição ecológica em todo o continente. Esse valor é significativo, pois representa cerca de um quarto dos investimentos necessários para alcançar os objetivos do “acordo verde” europeu e pode gerar investimentos adicionais por parte dos governos e do setor privado.

Esse é particularmente o caso de “investimentos estruturais” , como redes inteligentes de eletricidade ou infraestrutura de carregamento de carros elétricos, necessárias para liberar investimentos do setor privado em energia limpa e mobilidade. O acordo também inclui o compromisso de atualizar a meta de redução de emissões da UE para 2030 até o final de 2020.

Papel reforçado do Banco Europeu de Investimento

Isso é importante, porque o aumento da meta atual indica que a trajetória de descarbonização da UE está caminhando resolutamente para a neutralidade climática até 2050. E é essencial dar uma indicação clara a todos os atores mercado na velocidade da transição ecológica, com base na qual as decisões de investimento podem ser tomadas hoje.

Ursula von der Leyen, Presidente do Executivo Europeu, prometeu aumentar a meta de redução de emissões da UE de 40% para 50-55% em comparação com os níveis de 1990. A chanceler alemã Angela Merkel apoiou recentemente essa iniciativa, comprometendo-se a usar sua presidência rotativa da UE para alcançá-la. O engajamento dos líderes da UE agora reforça esse processo, que também poderia permitir que a UE liderasse o exemplo nas negociações climáticas da ONU a serem realizadas em Glasgow (Escócia) em 2021, onde os países terão que apresentar seus novos compromissos de redução de emissões para 2030 sob o acordo de Paris de dezembro de 2015.

Os líderes da UE também criaram uma oportunidade única de fortalecer o Banco Europeu de Investimento (BEI), considerando uma possível recapitalização até o final de 2020. Tal passo aumentaria o poder de fogo do banco e permitir que ele se torne verdadeiramente o banco climático da UE, financiando a transição ecológica na Europa e nas regiões vizinhas, como o norte da África e os Balcãs.

Necessidade urgente de modernizar a política agrícola comum

Investimentos que ofereceriam à UE uma vantagem tripla. Antes de tudo, ajudarão a cumprir as obrigações de financiamento climático da Europa e desbloqueará os compromissos “condicionais” de redução de emissões assumidos pela maioria dos países em desenvolvimento no âmbito do Acordo de Paris. 

Eles permitiriam à indústria européia, que é muito competitiva em muitas tecnologias de baixo carbono, encontrar novos mercados.

Por fim, contribuiriam para o desenvolvimento econômico dos países parceiros, trazendo à Europa um dividendo inestimável em termos de política externa.

O acordo também aborda a difícil questão de esverdear a política agrícola comum (PAC), que historicamente é o principal item de despesa da UE com fundos de coesão. A idéia é dedicar 40% dos gastos da PAC à luta contra as mudanças climáticas, o que só pode ser feito mediante a imposição de obrigações ambientais aos agricultores.

A modernização da PAC tornou-se cada vez mais urgente porque, embora se prove constituir um importante apoio ao rendimento, em particular para os agricultores mais ricos, é muito menos eficaz em termos de ecologia, igual à preservação do meio ambiente e da biodiversidade – outros pilares essenciais do Acordo Verde da Europa.

Uma Europa mais justa e mais forte após a crise da COVID-19

Este kit de ferramentas ecológico é complementado pela introdução de um imposto europeu sobre plásticos em 2021, bem como a possível introdução de um imposto sobre o carbono nas fronteiras e a extensão do mercado europeu de carbono aos setores da Não é de surpreender que o preço do carbono seja o ponto mais fraco do plano, uma vez que os países tradicionalmente relutam em dar poderes tributários à UE.

Essa é uma das principais fraquezas, porque, à medida que as empresas que iniciam a luta contra o coronavírus repensam as cadeias de valor e os governos impulsionam economias deprimidas, o papel da precificação do carbono no crescimento futuro se torna mais importante. importante que o normal. Outra grande desvantagem do acordo é a redução pela metade do Just Transition Fund, um instrumento voltado para apoiar a equidade social da transição verde, com foco em regiões intensivas em carbono. Esta tarefa terá agora de ser assegurada através de uma melhor utilização de outros recursos da UE, como os fundos de coesão.

Em suma, pode-se dizer com toda a justiça que, apesar de alguns limites políticos inevitáveis, a UE estabeleceu um pacote de estímulo ecológico de longo alcance. Agora cabe aos países europeus fazer bom uso deles, propondo planos nacionais de estímulo ecológico e implementando-os devidamente. Nesse caso, a Europa pode emergir da crise do Covid-19 mais verde, mais justa e mais forte.

*Simone Tagliapietra (Pesquisadora do Centro Europeu de Reflexão Bruegel / Bruxelas)

fecho

Este artigo foi escrito inicialmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

 

Science revela as maçãs podres do agronegócio brasileiro

as maças podres

A prestigiosa revista Science publicou nesta 5a. feira (16/07) um artigo na seção “Forum Policy” que deverá levantar ainda mais rugas nas testas do presidente Jair Bolsonaro e de seus auxiliares mais fiéis. Sob o título de “The rotten apples of Brazil´s agribusiness” (ou em bom português, “As maçãs podres do agronegócio brasileiro”, o artigo que tem como autor principal o professor Raoni Rajão, do Departamento de Engenharia de Produção  da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apresenta um minucioso mapeamento que relaciona a produção de soja, que em parte considerável acaba exportada para a União Europeia, em terras ilegalmente desmatadas nos biomas da Amazônia e do Cerrado (ver mapa abaixo).

maças podres

Como os próprios autores adiantam no texto, os resultados desse estudo certamente criarão embaraços para o agronegócio brasileiro, não apenas com seus parceiros europeus, mas eventualmente com os chineses. É que dada a sensível situação que foi criada com a política do “passa boiada” engendrada pelo presidente Jair Bolsonaro e levada a cabo com inegável maestria pelos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura), agora ficará evidente que parte nada desprezível da soja brasileira está sendo produzida em áreas onde há forte possibilidade de que a remoção da vegetação nativa (floresta tropical ou Cerrado) foi feita de forma ilegal, ao arrepio do que determina a própria legislação brasileira.

Os autores do artigo incluíram ainda um cálculo sobre emissões de gases estufa associados à produção de commodities agrícolas produzidas em áreas desmatadas ilegalmente, o que deverá expor o papel indireto que a União Europa no aquecimento global por “não restringir as importações e consumir produtos agrícolas produtos contaminados com o desmatamento, ilegal ou não”.  O cálculo feito para a emissão de gases estufa apenas a partir da importação de soja  mostra que a União Europeia (UE) poderia ser responsável pela emissão indireta “de 58,3 ± 11,7 milhões de toneladas de CO2 equivalente (MtCO2e) do desmatamento legal e ilegal nos principais biomas brasileiros entre 2009 e 2017“. Os autores apontam ainda que “é provável que a parte da UE aumente como resultado de acordos comerciais Mercosul-UE e EUA-China“.

Uma curiosidade na publicação deste artigo e de outros que devem estar ainda nas prensas é que todo movimento para conter as informações produzidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) são inúteis, e que informações ainda mais danosas para os interesses comerciais podem ser produzidas por equipes de cientistas que não estão sob o controle estrito do governo Bolsonaro. Nesse sentido, a marcha da ciência é, digamos, imparável. 

Quem desejar ler este artigo e os materiais suplementares publicados pela Science, basta clicar [Aqui!] e [Aqui!].

Um quinto das exportações de soja da Amazônia e Cerrado à UE é fruto de desmatamento ilegal

Estudo publicado na revista ‘Science’ por grupo de pesquisadores do Brasil, Alemanha e EUA identificou os produtores brasileiros responsáveis pela “soja contaminada” soja mataVista aérea das plantações de soja no limite da área da Floresta Nacional no baixo Tapajós, Pará. PABLO ALBARENGA

Por Heloísa Mendonça para o El País

Um estudo publicado nesta quinta-feira, 16, pela revista científica Science revela que, atualmente, 20% da soja brasileira produzida na Amazônia e no Cerrado exportada anualmente para a União Europeia (UE) é fruto de áreas de desmatamento ilegal. Para expor as “maçãs podres” do agronegócio, pesquisadores do Brasil, Alemanha e Estados Unidos desenvolveram um software de alta potência ―utilizando dados públicos e mapas― para analisar 815.00 propriedades rurais dos dois biomas e identificar as áreas de desmatamento ilegal recente associadas à produção de soja e carne bovina.

Os números revelados pelo levantamento corroboram com os dados do desmatamento crescente na Amazônia, que atingiu em junho deste ano a maior destruição registrada em cinco anos, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A publicação do estudo coincide com um momento de forte cobrança de investidores estrangeiros por ação mais efetiva do Governo de Jair Bolsonaro contra a destruição da floresta. Alguns países europeus já sugeriram que a União Europeia suspenda a compra de carnes e soja do Brasil e até mesmo não leve adiante o acordo comercial entre o Mercosul e o bloco europeu caso o país não tome providências para proteger a floresta amazônica. No ano passado, diversos líderes europeus criticaram o Governo brasileiro, durante os incêndios florestais de agosto de 2019, e convocaram boicotes aos produtos do país.

“É fundamental que a Europa use seu poder comercial e de compra para reverter esse trágico desmantelamento da proteção ambiental no Brasil e seus impactos no clima do planeta, nas populações locais e nos valiosos serviços ecossistêmicos que o país fornece”, afirma Britaldo Soares-Filho da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coautor do artigo. Ele defende que, com a pesquisa, os legisladores em Bruxelas poderão avaliar melhor a dimensão do problema da produção brasileira de soja e carne.

A intenção dos pesquisadores é transferir a tecnologia do software para que o Brasil desenvolva um sistema melhor para rastrear o desmatamento ilegal em propriedades agrícolas. “Já não se pode dizer que não há uma solução para monitorar essas atividades. E parte dela está no fato do desmatamento ser muito concentrado. Cerca de 2% dos imóveis concentram mais de 60% do desmatamento do Cerrado e da Amazônia. Então você pode concentrar a fiscalização nessas áreas”, afirma ao EL PAÍS Raoni Rajão, professor da UFMG e autor principal do estudo ‘As maçãs podres do agronegócio brasileiro’.

Na avaliação do pesquisador, a operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) com as Forças Armadas na Amazônia― autorizada de maio a novembro ― para evitar queimadas e tentar conter o desmatamento tem um potencial de diminuir a destruição, mas é um instrumento que só funcionará caso o ministério do meio ambiente também se comprometa com o combate às ilegalidades. “Se não tiver um ministro do meio ambiente comprometido e uma mudança na situação do Ibama, que atualmente só perde fiscais, nada vai mudar. Vários analistas ambientais experientes que estavam em posições técnicas de comando estão sendo substituídos por diretores sem experiência. Isso tudo gera caos e consequentemente aumento do desmatamento”, afirma. O Governo também tem afrouxado uma série de medidas de proteção ambiental destinadas a combater o desmatamento ilegal em unidades de conservação e terras indígenas, leais guardiões das florestas nacionais.

Mais de ⅔ das exportações de soja para UE saem da Amazônia e Cerrado

Aproximadamente 41% (13,6 milhões de toneladas) das importações anuais de soja da UE são provenientes do Brasil e 69% desse total, da Amazônia e do Cerrado. Segundo o estudo, cerca de dois milhões de toneladas anuais de soja ilegalmente cultivada podem ter chegado nos mercados do bloco europeu durante os últimos anos. Desse total, 500.000 toneladas vieram da Amazônia.

No que diz respeito à carne bovina, a UE importa cerca de 189.000 toneladas por ano do Brasil. Os autores descobriram que, de um total de 4,1 milhões de cabeças enviadas ao abate, pelo menos 500.000 vêm diretamente de propriedades desmatadas ilegalmente. Isso representa 2% da carne produzida na Amazônia e 13% da produção do Cerrado. Contudo, o maior problema são os produtores indiretos, que fornecem os animais para a etapa da engorda, mas que não são monitorados pelos grandes frigoríficos, nem pelo Governo. Após a análise dos fluxos de animais entre as fazendas, o estudo estima que aproximadamente 60% de todas as cabeças abatidas (44% na Amazônia e 66% no Cerrado) podem estar envolvidas com o desmatamento ilegal em alguma etapa de sua produção.

A onda da soja

O Brasil é o maior produtor mundial de soja, seguido pelos Estados Unidos e Argentina. O estudo revela que a produção de soja, destinada principalmente à alimentação de gado leiteiro e de corte, está em alta em todo o país. A produção mais que quadruplicou nas últimas duas décadas e deve aumentar em mais um terço nos próximos dez anos, com um aumento de 42% nas exportações.

O produtores de carne suína da UE, maior exportador mundial, dependem da soja brasileira, ingrediente essencial também para a criação de aves e outros animais. O aumento da demanda por carne suína na Ásia e em outras regiões tem estimulado a produção animal e, consequentemente, de soja, que serve de ração. Por sua vez, o boom da soja atinge particularmente a região do Cerrado brasileiro, a maior savana tropical do mundo. Conhecido por sua grande biodiversidade, o Cerrado já perdeu a metade de sua vegetação nativa.

fecho

Este artigo foi originalmente publicado pelo jornal El País [Aqui!].

 

Óleo de palma, calor no Ártico e o apoio aos combustíveis fósseis

Como o legado colonial fez um gigante de óleo de palma belga originalmente ótima. Porque a Sibéria sucumbe ao calor. E como a indústria de combustíveis fósseis pode contar com bilhões de euros dos Estados membros  

Police block peaceful action by women affected by SOCFIN oil palm ...

Por Jan Walraven para a Apache

Império colonial do óleo de palma

Esta semana foi o 60º aniversário do Congo se tornando independente. Isso despertou a discussão sobre a era (pós) colonial. O papel da comunidade empresarial também foi discutidoApós a descolonização na década de 1960, muitas ex-colônias africanas tiveram que contar com capital estrangeiro. As empresas que foram estabelecidas durante o período colonial são hoje ativos em ex-colônias, como o Mongabay lembrou . Uma dessas empresas é a empresa belga Socfin, que administra plantações de óleo de palma e borracha espalhadas pela África e sudeste da Ásia.

A empresa, que floresceu durante o período colonial, tem sido fortemente criticada por ONGs por violações de direitos humanos há anos. Socfin continua negando isso. No entanto, a história da empresa com mais de um século não pode ser reescrita.

Frutos do dendê (Foto: tk tan (Pixabay))

Onda de calor siberiano

Verkhoyansk. Esta pequena cidade siberiana pode não tocar imediatamente um sino. No entanto, a cidade tem dois registros notáveis ​​em seu nome. O registro da temperatura mais baixa já registrada (-67,7 ° C) é compartilhado por Verkhoyansk com outra cidade da Sibéria. O recorde que quebrou recentemente não precisa compartilhá-lo por enquanto. A 38 ° C, a cidade registrou a temperatura mais alta já registrada no Círculo Polar Ártico no sábado, 20 de junho. A Sibéria enfrenta uma onda de calor sem precedentes, escreve o The New Yorker. As mudanças climáticas previram que o aquecimento global induzido pelo homem aqueceria o Ártico duas vezes mais rápido. Não havia previsão de quanto tempo isso aconteceria.

A Sibéria é excepcionalmente quente o ano todo. Em abril, a área ainda foi devastada por incêndios florestais. Recentemente, houve a gigantesca poluição do petróleo causada pelo derretimento do permafrost. A crise climática é fortemente atingida na Sibéria.

Bilhões de dólares em apoio ao setor fóssil

A União Européia pode ter despejado suas ambições climáticas em um verdadeiro Acordo Verde, uma pesquisa da  Investico e da Investigate Europe , publicada no De Groene Amsterdammer,  mostra que os Estados membros ainda doam bilhões de euros em ajuda e favoritos fiscais ao setor de petróleo e gás. Além disso, nenhum país prevê a eliminação gradual das várias medidas de apoio. Não é fácil ser o primeiro país a dar esse passo. Os países competem entre si por medidas fiscais e outras favoráveis ​​para manter ou atrair empresas de combustíveis fósseis e seus investimentos.

A Comissão Europeia está à sua espera, porque a tributação continua a ser o território exclusivo dos Estados-Membros.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em holandês e publicado pela Apache [Aqui!].

É preciso parar o Acordo Mercosul – União Europeia

Há um ano, Bolsonaro, Macri, Macron e Merkel anunciaram a “maior área econômica do mundo”. Mas nada virá do acordo.

FILE PHOTO: An aerial view shows a deforested plot of the Amazon near Porto VelhoFloresta destruída em Porto Velho, Rondônia, Brasil. Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

A campeã mundial de exportação da Alemanha sempre foi a defensora mais veemente dos chamados acordos de livre comércio . Durante a Presidência do Conselho da União Europeia (UE), o governo alemão quis promover dois acordos comerciais transatlânticos – um TTIP light e o “Acordo de Associação” com a união aduaneira da América do Sul Mercosul, que foi proclamada bombasticamente há um ano.

Mas com o coronavírus, as prioridades mudaram : dada a crise sistêmica, a máxima de Angela Merkel e Emmanuel Macron é agora salvar a UE neoliberal. Sob o lema “Europa global”, a Comissão da UE tenta, desde 2006, tornar suas empresas mais competitivas e amarrar os países do sul como fornecedores de matérias-primas e compradores de excedentes agrícolas da UE, por exemplo, através de acordos de “livre comércio”. Como a pioneira da Attac, Susan George, preferimos falar de contratos de vampiros – se vierem à luz, as coisas são ruins para eles, raramente resistem a um debate democrático.

O Acordo Mercosul – UE é um exemplo didático. O projeto foi lançado no Rio em 1999, quando o neoliberalismo na América do Sul já havia passado do zênite. Mas então veio a onda rosa com Lula da Silva no Brasil, Néstor Kirchner na Argentina e Hugo Chávez na Venezuela. Em 2005, na presença de George W. Bush, os três políticos de esquerda em Mar del Plata, Argentina, enterraram outro projeto neo-imperial: a zona de livre comércio da ALCA do Alasca à Terra do Fogo.

A nova autoconfiança no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai também impôs um acordo assimétrico com a União Européia, e as negociações foram lentas. Por outro lado, por boas razões, a UE nunca abriu suas portas para a carne bovina e a soja geneticamente modificada do Mercosul sem limites. Uma “parceria estratégica” entre Alemanha e Brasil não mudou esse fato desde 2008.

Design conhecido apenas no esboço

A maré virou com o golpe frio contra a sucessora de Lula, Dilma Rousseff, em 2016, a escandalosa condenação e prisão de Lula e a subsequente vitória de Jair Bolsonaro: com o extremista de direita assumindo o cargo no início de 2019 – na Argentina, o empreendedor neoliberal Mauricio Macri – as negociações estavam em andamento de repente em pleno andamento. Depois de apenas seis meses, havia um rascunho na sala que ainda é conhecido apenas em detalhes. No entanto, Bolsonaro, Macri, Macron e Merkel celebraram o acordo político na cúpula do G-20 em Osaka no final de junho de 2019 – também como um sinal contra o protecionismo de direita à Trump.

Esse acordo avançaria ainda mais a recolonização da América do Sul. Mas isso não é do interesse do povo de ambos os lados do Atlântico, nem da natureza, como mostram os estudos de Misereor, Greenpeace ou European Greens. Se fosse assinado e implementado, seria um triunfo das corporações transnacionais e sua lógica de lucro.

Desde 1492, a Europa está particularmente interessada em recursos como ouro, madeira preciosa e agora lítio na América Latina. Após as tentativas de emancipação nos anos 90, os países do Mercosul também devem ser “reprimidos”. Na melhor das hipóteses, os negócios agrícolas e o setor de importação se beneficiariam de uma redução gradual das barreiras tarifárias. Trabalhadores, pequenos agricultores e povos indígenas, por outro lado, pagariam pelo estabelecimento do capitalismo dos proprietários de escravos, destruindo ainda mais seus direitos e meios de subsistência.

A liberalização planejada do comércio exacerbaria a pressão salarial e os cortes de empregos.De acordo com a Comissão da UE, os grupos devem economizar 4 bilhões de euros em impostos anualmente. Eles também esperam encontrar novas oportunidades de negócios nos setores de telecomunicações e TI. Além de uma expansão ecologicamente sem sentido do comércio mundial, os negociadores da UE insistem em aumentar a proteção de patentes, o que prejudicaria o fornecimento de sul-americanos, por exemplo, com genéricos acessíveis. As multinacionais da UE devem poder desempenhar um papel igual nas compras do governo no Mercosul, que costumam ser usadas para fortalecer as empresas locais. No entanto, ainda não existem sanções por compartilhar a responsabilidade por crimes ambientais ou violações de direitos humanos.

Jogo fácil com governos neoliberais

Com os governos neoliberais do Brasil, Paraguai e Uruguai, a UE tem um trabalho fácil. Mesmo sendo cortejados pela Câmara de Comércio Alemão-Brasileira: é escandaloso que o desumano destruidor de florestas tropicais Bolsonaro e seus militares sejam parceiros de uma Europa democrática. A Argentina é diferente: o presidente Alberto Fernández, um social-democrata equilibrado, governa o país desde dezembro de 2019. Como seu velho amigo Lula, ele quer relacionamentos ao nível dos olhos e, portanto, é ignorado pela mídia predominantemente conservadora – ou difamado como coveiro pelo Mercosul.

A destruição não apenas da região amazônica, mas também dos ecossistemas ricos em espécies Cerrado e Chaco, já é dramática, eles precisam dar lugar a monoculturas com risco de vida. Mas a Bayer-Monsanto quer vender ainda mais sementes transgênicas e venenos agrícolas, a Tönnies & Co. importa soja transgênica. BMW, Daimler e VW, cuja administração brasileira já trabalhou com os torturadores da ditadura militar há quase 40 anos, não usariam mais peças de automóveis argentinas, mas chinesas, a longo prazo.

O acordo UE-Mercosul é um projeto neocolonial, anti-humano e ambiental, na verdade um único anacronismo – e, portanto, fracassará.

fecho

Este artigo foi publicado originalmente em alemão e foi publicado pelo Die Tageszeitung [Aqui!].

Dados científicos sugerem que a Europa está perdendo florestas em ritmo alarmante por causa da extração de madeira

O aumento da extração de madeira pode afetar a capacidade das florestas da Europa de combater a crise climática devido à redução da capacidade de absorção de carbono

florestas europeiasUma floresta sueca ao pôr do sol. A perda de biomassa florestal é mais acentuada na Suécia, responsável por 29% do aumento na colheita.  Foto: Alamy

Por Fiona Harvey para o “The Guardian”

Dados científicos de um artigo recém publicado sugerem que a Europa perdeu uma área significativa de florestas devido ao aumento da extração de madeira nos últimos anos, reduzindo a capacidade de absorção de carbono do continente, e possivelmente indicando problemas mais amplos com as tentativas da União Europeia (UE) de combater a crise climática.

Muitas das florestas da UE – que representam cerca de 38% da sua superfície terrestre – são manejadas para a produção de madeira e, portanto, são colhidas regularmente. Mas a perda de biomassa aumentou 69% no período de 2016 a 2018, em comparação com o período de 2011 a 2015, segundo dados de satélite. A área de floresta colhida aumentou 49% na mesma comparação, publicada na revista Nature Research .

Isso indica que muito mais colheitas ocorreram em um curto período, mesmo considerando os ciclos naturais e o impacto de eventos como incêndios florestais e nevascas fortes. Pode-se esperar que a área colhida varie menos de cerca de 10% devido a ciclos de cultivo e plantio e efeitos similares, segundo Guido Ceccherini, do Centro Comum de Pesquisa da UE, autor principal do estudo.

Portanto, é provável que outros fatores estejam em jogo, e isso pode incluir aumento da demanda por madeira como combustível e mercados maiores para madeira e outros produtos de madeira. Os dados de satélite podem, portanto, ser um indicador precoce de demandas insustentáveis ​​colocadas nas florestas da UE.

A perda de biomassa florestal é mais pronunciada na Suécia, responsável por 29% do aumento da colheita, e na Finlândia, por cerca de 22%. Polônia, Espanha, Letônia, Portugal e Estônia foram muito menos afetados, pois juntos representaram cerca de 30% do aumento nos 26 países estudados.

Ceccherini disse ao The Guardian que é improvável que o aumento observado na colheita e a perda de biomassa resultem em um declínio na área da UE que é florestada em geral, pois a maioria das florestas colhidas seria regenerada . Mas isso prejudicaria a capacidade de absorção de carbono das florestas da UE no curto prazo, disse ele.

“As florestas continuam a ser um sumidouro de carbono , mas menos do que antes”, disse Ceccherini. “Mesmo que parte do carbono da biomassa colhida seja usada em produtos de madeira de longa duração, possivelmente substituindo materiais com maior consumo de energia, como aço ou cimento, a maioria retornará à atmosfera como CO2 em um curto período de tempo [desde] meses a alguns anos. Até que o estoque de carbono nas áreas colhidas retorne aos níveis anteriores, o que leva várias décadas, dependendo do tipo de floresta, um aumento na colheita é, portanto, equivalente a um aumento nas emissões de dióxido de carbono para a atmosfera. ”

As florestas compensam cerca de 10% das emissões de gases de efeito estufa da UE. Como é provável que as áreas colhidas sejam replantadas, o novo crescimento continuará absorvendo dióxido de carbono da atmosfera, de modo que o balanço de carbono da Europa poderá não ser muito afetado a longo prazo.

No entanto, os pesquisadores disseram que era importante descobrir por que a colheita aumentou tão repentinamente, caso isso indique problemas subjacentes mais amplos na maneira como as florestas da Europa estão sendo gerenciadas. Este estudo não pode estabelecer definitivamente as causas dos aumentos na colheita, por isso são necessárias mais pesquisas.

O aumento da demanda por madeira e produtos de madeira, como celulose e papel, e mais queima de biomassa por combustível podem estar por trás do rápido aumento da colheita observado nos países nórdicos. Nesse caso, de acordo com os pesquisadores, é importante saber para que quaisquer impactos adversos possam ser contidos rapidamente.

O professor Thomas Crowther, fundador do Crowther Lab, que não participou da pesquisa, disse: “É preocupante ver que a crescente demanda por produtos florestais pode estar reduzindo o carbono armazenado na biomassa viva das florestas européias. É possivelmente mais preocupante que a remoção de florestas também possa ameaçar o armazenamento de carbono abaixo do solo. Essas florestas de alta latitude suportam alguns dos maiores estoques de carbono do solo do mundo. Se o desmatamento ameaçar a integridade dos estoques de carbono no solo de alta latitude, os impactos climáticos poderão ser mais fortes do que o esperado anteriormente. ”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo The Guardian [Aqui!].

Descumprimento das regras de comércio e meio ambiente pode afetar negociações internacionais do Brasil

Retomada econômica consciente depende do cumprimento de tais regras, sob pena de inviabilização do acordo com a União Europeia e a participação do Brasil como membro da OCDE

comercio meio ambiente

O Brasil ainda precisa trabalhar no cumprimento das regras ambientais contidas nos acordos internacionais dos quais o Brasil é parte. Esse cenário pode afetar negativamente a análise feita pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para acessão do Brasil à qualidade de membro. Quem faz o alerta é Rubens Barbosa, ex-embaixador em Washington e Londres e presidente do conselho superior de Comércio Exterior da FIESP, durante webinar do Veirano Advogados.

O evento, realizado em 25 de junho, teve como tema “Brasil e OCDE: Ganhos Ambientais e Econômicos”, com o objetivo de debater os ganhos nacionais decorrentes da harmonização de normas ambientais brasileiras com os instrumentos da OCDE. Contou com a participação de Leopoldo Butkiewicz, diretor de Meio Ambiente e América Latina na Secretaria de Relações Internacionais do Ministério do Meio Ambiente; Rubens Barbosa, embaixador do Brasil na Inglaterra e nos Estados Unidos (1994-2004) e presidente do conselho superior de Comércio Exterior da FIESP e moderação de Ana Luci Grizzi, sócia da área Ambiental do Veirano Advogados.

Segundo Ana Luci Grizzi, esta é uma pauta estratégica, em pleno andamento no Governo Federal e Governos Estaduais. “Apesar da pandemia e do cenário instável em que nos encontramos, a agenda não foi e nem será paralisada, já que representa um grande benefício econômico ao Brasil. Temos potencial para lançar o país à liderança de assuntos que podem nos trazer vantagens competitivas. Neste sentido, a OCDE apresenta enorme oportunidade, trazendo inovação e desenvolvimento ambiental como diretriz de planejamento estratégico. A base de trabalho é Federal e Estadual, com vários Estados se mobilizando em relação aos instrumentos que podem solucionar problemas nacionais diversos”.

O Brasil já é parceiro-chave da OCDE desde 2009, tendo aderido a diversas normas, inclusive ambientais, durante os anos. O pedido de acessão à OCDE na qualidade de país-membro ocorreu 2017. A OCDE propõe a colaboração e a discussão de políticas públicas e econômicas que devem servir como modelo para os países-membros. Atualmente, representa aproximadamente 80% da economia mundial.

No entanto, segundo Rubens Barbosa, o país ainda não segue a rigor os parâmetros propostos pela Organização. “A entrada no Brasil na OCDE o tornará um país normal. Nós não cumprimos as regras internacionais na área de comércio e meio ambiente, então, o grupo irá trazer a necessidade de seguirmos as práticas regulatórias, não por obrigatoriedade, mas por representar interesses. Precisamos ter em vista que o processo será bastante longo, dificultado ainda mais por conta das transformações ocorrendo na Europa, de reformulação de novas políticas industriais de meio ambiente, para adequação ao novo normal pós-pandemia. A evolução trará influência, possivelmente negativa, para o exame que a OCDE fará do Brasil”, analisa.

Barbosa aponta que apesar de alguns setores nacionais não aderirem plenamente a uma reapresentação da política de meio ambiente e da retórica do governo, a questão da mudança de clima e meio ambiente não sairá da agenda global. “Após a pandemia, os temas ficarão ainda mais intensos, com questões ligadas à questão alimentar e saúde, por exemplo, em pauta. Somos exportadores de produtos primários. Sabemos que medidas de cautela e restrição serão tomadas por países exportadores. E o que estamos fazendo para nos adequar? Temos interesses a preservar, afinal, o consumidor tem papel importante e a política ambiental está diretamente relacionada às negociações comerciais. Não temos como evitar o assunto. Por realismo, tanto setor privado quanto governo terão de se ajustar às novas realidades”.

Leopoldo Butkiewicz, por sua vez, informou que o Brasil se relaciona intensamente com OCDE desde 1990. “Certamente, somos o país mais engajado com a organização, mesmo não sendo membro efetivo. Trabalhamos para aderir às práticas e às políticas públicas, independentemente da aceitação no grupo. Já aderimos a 84 dos 254 instrumentos legais. 60 estão em processo de adesão. A aderência também é viável para outros 59. Apenas 20% permanecem em análise do governo e consultas públicas. Não há país no mundo que trate com mais seriedade a questão ambiental que o Brasil. Podemos sofrer uma série de restrições e ataques, mas a situação de hoje é que somos uma potência ambiental e temos a condição de demonstrar para outros países como se protege o meio ambiente efetivamente. 60% do nosso solo é de vegetação nativa. Também temos reservas indígenas, com vasto patrimônio. Podemos prover serviços ambientais para o mundo todo”.

Butkiewicz reforça que o governo tem trabalhado para aprimorar o geoprocessamento dos dados, entender os gargalos nacionais e estabelecer medidas que os solucionem. “A OCDE trará a inteligência, transparência e capacidade de gestão que precisamos. Queremos internalizar todos estes ensinamentos e oferecer maior segurança jurídica aos investidores internacionais. Temos de valorizar o bem ambiental, com nomes bem estruturados, afinal, intervir erroneamente é aumentar a destruição. Temos muito o que ganhar com a adesão ao grupo. O trabalho está sendo feito e ainda seremos vistos com respeito”.

Os debatedores também falaram sobre o andamento do acordo entre Mercosul e União Europeia, que estabelece diálogo político, cooperação e livre comércio. Para Rubens Barbosa, podemos enfrentar uma nova etapa, tão difícil quanto a primeira: o processo de ratificação no próximo ano. “Depois de um longo processo, com mais de 20 anos de estudos, o acordo foi finalizado, mas ainda não assinado. Pode começar a haver uma oposição dos parlamentos europeus, graças à política ambiental brasileira. Precisamos sair da defensiva e desenvolver uma nova política agrícola. Não se trata de gostar ou não. Devemos nos ajustar por pragmatismo, caso contrário, teremos dificuldade na aprovação do acordo e até mesmo nas finanças. Precisamos de resultados concretos de redução de desmatamento, controle de queimadas e garimpo ilegal. Só o discurso não é válido para a comunidade internacional. Temos que recuperar nossa credibilidade por meio dos resultados”.

Leopoldo Butkiewicz conta que o Ministério do Meio Ambiente e seus secretários estão trabalhando com foco em criar instrumento de mercado para inserir na cadeia ambiental o valor que é dado pelos países europeus. “Vemos eles usando instrumentos de acordos e normas internacionais como barreiras não tarifárias para nossos produtos, é a maneira de se protegerem. Temos oportunidade de mudar o jogo e atacar os problemas que temos em diversos biomas. Procuramos países parceiros para desenvolver políticas públicas de governo, que também sirvam como políticas de estado”.

O evento é parte da programação de debates on-line, criada pela equipe do Veirano Advogados durante o isolamento social, que aborda diversos temas relevantes para os negócios, com panoramas durante e pós-pandemia de COVID-19.

União Europeia quer boicote a produtos de áreas desmatadas na Amazônia

Órgão executivo do bloco quer acelerar medidas para evitar que itens derivados de áreas destruídas da Amazônia cheguem às prateleiras de países europeus

caminhaoCaminhão transporta madeira na Amazônia brasileira

A Comissão Europeia, órgão executivo da União Europeia (UE), quer uma estratégia mais incisiva para evitar que produtos oriundos de áreas de desmatamento na Amazônia cheguem a prateleiras dos supermercados de países do bloco.

A intenção foi tornada pública nesta sexta-feira (19/06), pelo comissário europeu para Meio Ambiente, Virginijus Sinkevicius, em discurso no Parlamento Europeu em Bruxelas.

No momento, explicou Sinkevicius, está sendo avaliada a viabilidade de projetos legislativos e outras sugestões apresentadas à comissão. O objetivo inicial, segundo ele, é poder contar com acordos voluntários com a indústria, para a aplicação de rotulagem obrigatória e esquemas de certificação.

No debate desta sexta, deputados europeus acusaram o governo Jair Bolsonaro de explorar a pandemia para fazer avançar o desmatamento na Amazônia e privar os povos indígenas de seu habitat. A eurodeputada Anna Cavazzini, do Partido Verde, pediu que fossem asseguradas “cadeias de abastecimento sem desmatamento” para a Europa.

Delara Burkhardt, da bancada social-democrata, disse, por sua vez, que o desmatamento na Amazônia não é apenas um assunto brasileiro.

Mairead McGuinness, da bancada conservadora, lembrou que o acordo de livre-comércio com o Mercosul –ainda não ratificado – abriria o mercado europeu para os produtos de soja e carne do Brasil, que têm potencial para vir de terras desmatadas.

Já o comissário europeu Sinkevicius classificou o acordo como um instrumento importante para exercer influência sobre o governo brasileiro. As partes contratantes – incluindo o Brasil – poderiam, assim, garantir o cumprimento das normas ambientais e do Acordo Climático de Paris de 2015.

Com o acordo, a União Europeia e o bloco sul-americano querem criar a maior área de livre-comércio do mundo. Espera-se que isso gere uma economia às empresas da UE de 4 bilhões de euros por ano em direitos alfandegários e impulsione as exportações. O Mercosul inclui Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

O desmatamento atingiu no Brasil seu nível mais alto desde 2008. Na semana passada, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revisou para cima sua estimativa anterior, divulgada em novembro último, para a devastação ocorrida entre agosto de 2018 e julho de 2019. Usando dados de satélite, os cientistas calcularam que o desmatamento anual da Amazônia brasileira aumentou 34% em relação ao período anterior, atingindo uma área superior a 10 mil quilômetros quadrados ‒ tão grande quanto a da Jamaica.

A Floresta Amazônica ‒ 60% da qual se encontra no Brasil ‒ é um dos maiores sumidouros de CO2 do mundo. A preservação de suas árvores é crucial para atingir as metas internacionais que limitam o aumento da temperatura global a dois graus Celsius (2°C) acima dos níveis pré-industriais.

RPR/dpa

fecho

Este texto foi publicado originalmente pela Deutsche Welle [Aqui].