Em meio ao desastre, os espertos agem

Em meio a todo o desastre causado pelas chuvas, os espertos de sempre tentam se aproveitar com o pedido de verbas emergenciais e realização de obras sem licitação. Este processo que mistura a desgraça dos pobres com a esperteza dos que ocupam cargos públicos já recebeu o rótulo de “indústria das enchentes” pelo ambientalista carioca Sérgio Ricardo.

Na versão final de 2013 da indústria das enchentes, vemos um pouco do mesmo: cidades devastadas, pobres perdendo o pouco que conseguiram juntar, e autorizações para obras emergenciais sem licitação.

O que quase ninguém fala é que este ciclo de fenômenos climáticos agudos pode estar apenas começando e que o mais aconselhável seria que nos preparássemos para mudanças radicais na forma de distribuição e ocupação do solo urbano, no estabelecimento de mudanças estruturais na forma e  função das cidades, bem como na universalização de medidas preventivas.

Se nada disso for feito, é bem provável que o que estamos assistindo agora seja apenas mais um capítulo trágico de uma tragédia que será ainda muito maior.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s