Transgênicos e agrotóxicos: dois “temperos” ocultos na comida do brasileiro

agrotoxicos

Em 2012 publiquei com três colegas um artigo na revista científica “Crop Protection” onde mostramos alguns dos descalabros que cercam o uso cotidiano de agrotóxicos no Brasil (Aqui!). Um dos aspectos que realçamos naquele trabalho foi o uso de agrotóxicos banidos em outras partes do mundo por agricultores brasileiros, fato que é apenas um dos exemplos do descalabro que cerca a comercialização dessas substâncias químicas no Brasil.

Desde então outros pesquisadores levantaram outros aspectos dessa situação desastrosa em que estamos metidos no Brasil, e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) acaba de publixar uma obra que deverá (ou deveria) se tornar leitura obrigatória não apenas para a comunidade científica, mas também para todo brasileiro interessado na qualidade da comida que chega à sua mesa. A obra intitulada “Dossiê Abrasco – um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde” (Aqui!é parte de um esforço de documentar e difundir a relação entre o uso abusivo de agrotóxicos e a proliferação de várias doenças que permanecem até o momento sem ser relacionadas. 

Mas como para cada avanço que se consegue, os latifundiários e seus representantes no parlamento conseguem dez retrocessos, a Câmara de Deputados aprovou o fim da rotulagem dos produtos que contenham componentes transgênicos. Há que se dizer que essa decisão foi obviamente alavancada pela bancada dos latifundiários sob a batuta do deputado Luiz Carlos Heinze (PP/RS), e representa um retrocesso ululante no direito do brasileiro de saber o que está sendo colocado na sua comida. E nunca é demais lembrar que nos Estados Unidos da América, pátria mãe dos transgênicos, está se travando um duro embate em defesa justamente da rotulagem dos transgênicos!

O fato é que transgênicos e agrotóxicos se tornaram os principais “temperos” da chamada agricultura da Revolução Verde e os brasileiros estão cada vez mais sendo submetidos a uma dieta afetada por eles. A reação ao uso intenso e descontrolado dos agrotóxicos e à difusão dos transgênicos terá de se tornar um ponto da agenda política dos partidos de esquerda, órgãos de defesa dos consumidores e da comunidade científica. É que não há nada mais central do que a defesa ao direito de comer alimentos que em vez de matar a nossa fome, sejam de fato vias de entrada de contaminantes em nossos corpos.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s