Lei aprovada pela Alerj em 2013 deu sinal verde para aval para Cavalo de Troia no RioPrevidência

cavalo

Em minha postagem anterior (Aqui!) coloquei a questão de necessidade da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) ter aprovado a captação externa de recursos para o RioPrevidência, e não precisei esperar muito para que um leitor deste blog mostrasse que sim! 

A Lei 2.666/2013 (ver duas imagens em sequência) foi aprovada pela Alerj no dia 18/12/2013 para possibilitar ao RioPrevidência captar cerca de R$ 4.8 bilhões no “mercado doméstico ou internacional” com antecipação dos royalties do petróleo!

 O interessante aqui me parece ser a conexão entre o reforço de caixa do RioPrevidência e a antecipação dos roaylties do petróleo, já que uma coisa não tem necessariamente a ver com a outra, ou não deveria.  Além disso, a autorização da Alerj foi para um valor máximo de R$ 4.8 bilhões (algo em torno de US$ 2.06 bilhões no dia da aprovação da Lei 2.666/2013) e o fundo criado nos EUA para captar recursos para o RioPrevidência vendeu US$ 3.1 bilhões segundo dados divulgados pela imprensa corporativa. Isso dá, em conta grosseira, um venda excedente de títulos de mais de 1 bilhão de dólares!

Ainda que eu saiba que dificilmente teremos uma ação transparente por parte da maioria dos deputados da Alerj, há que existir uma pressão dos sindicatos dos servidores, e da sociedade em geral, para que se apure como é que se deu esse processo de bancarrota do RioPrevidência e quem foram os que ganharam com esse tipo de manobra que já foi chamada de “exótica”. 

Ah, sim, não é preciso apurar quem perdeu com esse imbróglio, pois já se sabe que foram os servidores públicos estaduais e a população que depende dos seus serviços.

9 pensamentos sobre “Lei aprovada pela Alerj em 2013 deu sinal verde para aval para Cavalo de Troia no RioPrevidência

  1. Franklin de Abreu disse:

    Como absolutamente ignorante em finanças gostaria de saber o que devo estudar (desde o princípio) para entender esta e outras matérias relacionadas ao assunto.

    • Franklin, eu também me considero razoavelmente ignorante em finanças. Acho que você deveria, como eu fiz, procurar fontes alternativas aos jornalões brasileiros que nada nos informam sobre esses assuntos. Há muita informação correndo por fora dos canais formais e é preciso ler de forma crítica esse material para formarmos uma opinião. É o que tenho tentado fazer.

  2. FERNANDO SILVA disse:

    SÓ COMPARTILHANDO A TUDO E PARA TODOS, VAMOS AJUDAR A DAR UM FIM NESTA “VERGONHA” !!!!! F.

  3. margarida meglemos disse:

    POR FAVOR NOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS NAO PODEMOS SER SACRIFICADOS.SOU APOSENTADA DO IPERJ

  4. […] Venho abordando seguidamente neste blog, a situação basicamente falimentar do RioPrevidência e da ligação desse processo com a criação de um fundo privado no paraíso fiscal de Delaware  que logrou arrecadar a bagatela de 3.1 bilhões de dólares e que ofereceu como lastros os roaylties do petróleo e os recursos financeiro oriundos das contribuições dos servidores (Aqui!, Aqui!, Aqui!, Aqui! e Aqui!). […]

  5. Paulo Tavares disse:

    Vejam a disparidade entre inativos/pensionistas versus a contribuição de funcionários ativos da Alerj.
    Imaginem a sangria que está havendo e haverá mais ainda no futuro.

    Dados extraídos da planilha :GASTOS DO PODER LEGISLATIVO no 1º trimestre 2016
    Descontado de func.ativos para RIOPREVIDENCIA R$ 7.034.731,88
    Pago a inativos e pensionistas…………………………….R$65.139.167,97

    Fonte: http://www2.alerj.rj.gov.br/leideacesso/spic/arquivo/Gastos_do_Poder_Legislativo_-_2016.pdf

  6. […] Já mencionei por diversas vezes neste blog a estranha operação financeira realizada pelo (des) governo do Rio de Janeiro, com autorização da Assembleia Legislativa, que captou US$ 3.1 bilhões por meio da criação de um trust no paraíso fiscal de Delaware na costa leste dos  EUA (Aqui!, Aqui! e Aqui!). […]

  7. […] Um detalhe curioso nisso todo é o silêncio e omissão da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) que foi parceira do executivo estadual na operação realizada em Delaware, na medida em que aprovou a Lei 2.666/2013, com um valor abaixo do que acabou sendo realizado pelo RioPrevidência (Aqui!). […]

  8. NEWTON FARO disse:

    Em toda essa roubalheira, o mais prejudicado é o idoso aposentado que continua vergonhosamente sendo confiscado (roubado) em 11%, e futuramente com a promessa do governo de aumentar a alíquota para 14%. Quem sabe da vida dessa turma, é o ministro do Ministério da Justiça, T O R Q U A T O LORENA JARDIM, e-mail: gabinete@mj.gov.br / transparencia@mj.gov.br / chefiadegabinete@mj.gov.br / agendase@mj.gov.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s