Portos, erosão costeira e os riscos previsíveis da negação do óbvio

O jornal  O DIÁRIO traz na sua edição deste domingo uma matéria que mostra de forma rigorosa os diferentes mecanismos que estão causando processos de erosão costeira entre Atafona e Barra do Furado na região Norte Fluminense (Aqui!).

erosão portos

Um ponto que julgo positivo nesta matéria é que os dois entrevistados, os professores Eduardo Bulhões e Aristides Soffiati, separam com clareza as diferentes causas que estão por detrás da parte das faixas de praias num território razoavelmente pequeno. Enquanto o Pontal de Atafona é alterado pela diminuição da capacidade hídrica do Rio Paraíba do Sul, as localidades entre Barra do Açu e Farol de São Thomé sofrem os efeitos da construção dos portos do Açu e de Barra do Furado.

Saber distinguir as causas é importante porque só assim medidas de mitigação eficientes podem ser desenhadas e implantadas. Além disso, no caso dos efeitos diretos dos diques construídos para proteger as duas estruturas portuárias, ao menos no caso do Porto do Açu já estava previsto que haveria um consequente processo erosivo na localidade de Barra do Açu. Por isso mesmo é importante que estruturas de proteção sejam estabelecidas, visto que as interferências que essas estruturas estão causando são de caráter permanente. 

Por essa matéria trazer contribuições essencialmente técnicas é que considero altamente improdutiva a declaração costumeira da Prumo Logística Global  no sentido de negar qualquer interferência dos seus terminais e quebra-mares na destruição da Praia do Açu. E como essa declaração se baseia em apenas um relatório (o do Prof. Paulo César Rosman do COPPETEC/UFRJ) que não fez qualquer tipo de medida e se baseou numa análise qualitativa de imagens de satélite, essa postura da Prumo Logística fica ainda mais desacreditada.

Eu espero que essa postura da Prumo Logística de negar responsabilidade do Porto do Açu na destruição da Praia do Açu não se repita em relação aos gestores do Porto de Barra do Furado. É que como mostrou a reportagem do O DIÁRIO, esse efeito combinado das duas estruturas portuárias já estão causando uma forte sinergia que com características fortemente destrutivas.  Para piorar essa situação, outras estruturas portuárias estão planejadas para o Norte Fluminense e para o Sul Capixaba (ver mapa abaixo), o que poderá ampliar ainda mais um problema que não pode continuar a ser ignorado pelas autoridades públicas e corporações privadas.

barradofurado_complexo

3 pensamentos sobre “Portos, erosão costeira e os riscos previsíveis da negação do óbvio

  1. […] Portos, erosão costeira e os riscos previsíveis da negação do óbvio (domingo, 26/6) Marcos Pedlowski […]

  2. felipe disse:

    Professor, ontem passei pela Av Arthur Bernardes próximo ao trevo do Índio e observei algo inusitado, caminhões e carretas tanques do tipo bi-trem com capacidade de transportar 60mil litros da empresa MARPEM que presta serviços no porto do Açu abastecendo com água potável naquela ETA da empresa àguas do paraíba que fica localizada nos fundos do Wall Mart. Pelo jeito algo errado anda acontecendo no Porto, pois eram mais de dez carretas desse tipo, o que seriam 600mil litros de água. Fiquei intrigado, será que a salinização está tão grave que não conseguem tratar na ETA do porto????

    • Felipe, realmente é interessante. Mas uma das questões capitais do Porto do Açu é justamente o abastecimento de água doce não apenas para consumo humano, mas para fornecimento de lastro para os navios que saem carregados. Tanto que o projeto original previa uma adução do Rio Paraíba do Sul para uso no porto.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s