A universidade do “Trash Science” como emblema de uma sociedade desigual no Brasil

meritocracia

Um dos meus interesses desde que comecei este blog em 2009 é a situação da universidade brasileira, mormente os aspectos degenerativos impostos pelo produtivismo acadêmico imposto pelas nossas principais agências de fomento, principalmente nas duas últimas décadas.  Num afã de colocar o nosso sistema científico (que depende quase 100% da produção vinda de universidades e institutos de pesquisa públicos), assistimos à erupção sem xeques do que eu alcunhei de “trash science“. 

Mas a produção de “trash science” (em português claro a produção de lixo científico como se ciência fosse) trouxe impactos que vão muito além da colocação de trabalhos em revistas científicas que ignoram a regra da “revisão por pares” e aceitam em publicar qualquer coisa que seja em troca de um punhado de dólares. É que ao se aceitar tacitamente que o “trash science” seja internalizado como legitimo, as agências de fomento como o CNPq e a Capes contribuem para um verdadeiro vale tudo atinja todos os aspectos da produção de ciência no Brasil, bem como os sistemas de premiação com bolsas e financiamentos de projeto de pesquisa e, por último, o sistema de contratação de docentes e pesquisadores via concursos públicos.

Em função dos amplos efeitos degenerativos que a cultura do “trash science” gera, eu não me surpreendo com a notícia trazida hoje pelo jornalista Maurício Tuffani em seu blog “Direto da Ciência” sobre um imbróglio envolvendo docentes da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que participaram de bancas que aprovaram um sócio num concurso público para docente na Escola Polítécnica da USP, e na sua banca de doutoramento (Aqui!). A notícia pode ser surpreendente para a maioria dos leitores do  “Direto da Ciência“, visto que estamos falando de profissionais que atuam nas duas principais universidades brasileiras, mas não a mim.

É que eu já tomei ciência de coisas bem piores na minha própria instituição, envolvendo situações assemelhadas e que não apenas foram aprovadas pelos colegiados internos, mas também solenemente ignoradas pelo Ministério Público quando denunciadas. E novamente notemos que a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) é também muito bem avaliada, inclusive no tocante à suposta qualidade de seu corpo docente.

Mas então diante de qual fenômeno estamos confrontados? Em minha opinião, de uma combinação perversa entre o patrimonialismo que reverbera historicamente na sociedade brasileira com um recobrimento cínico de meritocracia acadêmica que é fornecida pela difusão e legitimação do “trash science” como mecanismo artificial e fraudulento de melhorar o desempenho internacional da ciência brasileira.  Não é preciso dizer que considero essa combinação nefasta, visto que não apenas internalizamos o padrão conservador que prevalece historicamente na sociedade brasileira, mas como damos legitimidade a personagens que se especializam na produção de lixo científico que apenas serve para seus fins particulares, inclusive a de facilitar esquemas desvelados pelo “Direto da Ciência“. E o produto mais acabado disso é a formação de uma geração inteira de mestres e doutores sem qualquer condição para alavancar de forma sólida a evolução da ciência brasileira, visto que lhes falta a necessária preparação intelectual para tanto.

E tome “trash science” !

3 comentários sobre “A universidade do “Trash Science” como emblema de uma sociedade desigual no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s