Campos dos Goytacazes e sua curiosa dualidade: quem atacou agora defende, e quem defendeu agora ataca

Após pouco mais de 70 dias do governo do jovem prefeito Rafael Diniz (PPS) ainda não tenho disposição para criticar ou apoiar, e continuo apenas assistindo de camarote as disputas entre apoiadores e críticos da nova administração.

E nos embates que agora ocorrem é possível ver uma curiosa inversão: com uma raríssima exceção que é o blogueiro Douglas da Matta do “Planície Lamacenta” (Aqui! ) cuja crítica é de mão dupla,  todos os outros analistas parecem ter operado uma curiosa transformação. É que quem antes criticava a administração com ardente paixão, agora cumpre o papel de defender a de Rafael Diniz. Ao mesmo tempo, quem defendia com unhas e dentes a administração de Rosinha Garotinho, agora ataca com vontade a de Rafael Diniz.

Eu que faço parte daquela parcela da população que vive esperando que a Prefeitura de Campos dos Goytacazes trabalhe para todos os cidadãos, e não apenas para os setores mais abastados, continuarei observando a situação de camarote até que me sinta com mais disposição de criticar ou apoiar.

Mas um detalhe triste que presenciei com a rápida chuva torrencial que varreu a nossa cidade no início desta 3a. feira (14/03). Com pouco mais de 5 minutos de chuva, as mesmas vias que inundam setores importantes da cidade voltaram a transbordar, causando todo tipo de transtorno que é rotineiro quando as tempestades se abatem sobre a planície goitacá.

Um ponto crítico que é provavelmente conhecido desde as reformas realizadas a partir do Plano Saturnino Braga de 1902 (Aqui!), a esquina entre Marechal Floriano (antiga Ouvidor) e Tenente Coronel Cardoso (antiga Formosa) funcionou com um teimoso relógio suíço, e ficou completamente alagada por um bom tempo, transformando o trânsito naquela região da cidade num verdadeiro e completo caos. 

Esse exemplo simplório serve apenas para lembrar aos que apoiam ou criticam a atual administração municipal que a maioria da população não é composta por pessoas incapazes de avaliar o que está sendo feito para melhorar a nossa cidade. Assim, o que deveriam fazer é respeitar a nossa inteligência. Depois disso, criticar ou apoiar, é um direito básico de quem vive num regime supostamente democrático.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s