O paradoxo brasileiro: esquerda é quem quer eleições diretas

diretas

Sob todos os ângulos que se possa olhar a atual crise política e econômica que coloca o Brasil à beira do caos, uma solução seria substituir um presidente “de facto” sobre o qual pesam grossas acusações de corrupção.  Mas paradoxalmente, a esquerda é quem assumiu a bandeira de eleições diretas para presidente. Enquanto isso, as forças de centro (seja isso lá o que for) e de direita tratam de buscar formas de manter Michel Temer ou algum outro presidente biônico para continuaro  processo de contra-reformas anti-populares que estão aplicando à revelia da vontade da maioria do povo brasileiro.

Esse aparente paradoxo serve para revelar o atraso democrático que caracteriza não apenas o Estado brasileiro, mas principalmente as elite econômicas que o controlam com mão de ferro. Um anônimo usuário da internet notou corretamente que os mesmos empresários que querem tirar direitos sociais, impedir que os trabalhadores possam sequer almoçar dignamente e, muito menos, se aposentar são os mesmos que jogam bilhões de reais nas mãos de políticos e partidos com o objetivo de corrompê-los e obter regalias.

Agora, há que se ressaltar o papel trágico que está sendo cumprido pela mídia corporativa cujo afã de proteger o presidente “de facto” Michel Temer só não é maior que sua disposição de esconder as demandas populares em prol de eleições presidenciais.  Isso ficou claro ontem quando uma grande multidão se reuniu na cidade do Rio de Janeiro para demandar eleições presidenciais. É que a grosso modo, essa manifestação só não ficou invisível porque as transmissões online trataram de mostrar seu tamanho e energia produzida. É como se ao esconder o fato, a mídia corporativa conseguirá deter o avanço da plataforma que a mesma expressa. Isso já aconteceu durante a campanha para as diretas na década de 1980, e é lamentável notar que três décadas depois, os barões da mídia não aprenderam a lição.

Por isso, essa paradoxal situação de termos, novamente, a esquerda propondo que se cumpra uma condição básica de qualquer democracia que se pretenda moderna, qual seja, a presença de um presidente eleito pelo voto da maioria dos eleitores de uma dada Nação.  

Finalmente, curioso notar que numa manifestação que supostamente reuniu mais de 100 mil pessoas, Copacabana não foi palco de nenhum ato de vandalismo ou violência. Bastou o Batalhão de Choque da PMERJ não estar lá para que tudo transcorresse de forma pacífica do início ao fim.  Por que será?

2 pensamentos sobre “O paradoxo brasileiro: esquerda é quem quer eleições diretas

  1. Diva Silva disse:

    ótima reflexão!

  2. Marco Antônio disse:

    Professor Marcos, em minha opinião, a esquerda estaria correndo atrás de eleições diretas agora por dois motivos:
    1- blindar Lula com o cargo de presidente se o mesmo ganhasse a eleição de 2018 (é o palpite onde “colocaria todas as minhas fichas”);
    2- único meio na visão da esquerda de barrar as reformas do Temer (sou a favor das diretas já, tendo consciência que estaríamos atropelando a Constituição, por causa disso).
    Acredito que a direita/elites/mídia não querem eleições neste ano ainda pelo mesmo motivo da 2ª hipótese acima (acredito que eles -direita/elites/mídia – sabem que nenhum candidato levantaria ou abraçasse esta bandeira das reformas em uma campanha sob o risco de rejeição). Discordo do senhor quando diz que “Agora, há que se ressaltar o papel trágico que está sendo cumprido pela mídia corporativa cujo afã de proteger o presidente “de facto” Michel Temer…”, o que vejo é um total massacre por parte da mídia do Temer (a única exceção foi a Folha de São Paulo naquela história do perito paulista). A mídia, em minha opinião, age assim por medo de Temer não conseguir aprovar as reformas por causa da crise. Não concordo também com seu penúltimo parágrafo pois quem votou em Dilma votou em Temer, ambos foram eleitos democraticamente. O senhor poderia dizer que não concorda com a queda de Dilma, que foi golpe e etc., mas, em minha opinião de graduado em Direito, Dilma cometeu sim crime de responsabilidade (se preferir fraude fiscal) ao praticar as “pedaladas fiscais”. Embarco na tese do golpe pela razão de Temer ter “pedalado” duas vezes e não ter sofrido o mesmo destino de Dilma, como também pelo fato de Dilma não ter sentido todo o rigor da lei ao não ter seus direitos políticos cassados e não ficar inelegível como manda a lei. O golpe é mais complexo do que os petistas falam. Por fim, perfeito o último parágrafo do post. Também me pergunto por que será?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s