A prisão de Anthony Garotinho e a mulher de César

A decretação da prisão domiciliar com pitadas de silêncio obsequioso a que o ex-governador Anthony Garotinho foi submetido pelo juiz Ralph Manhães está ganhando projeção nacional, e por motivo bastante correlato ao caso conhecido como “Operação Chequinho”.

A coisa que está mais causando o transbordamento do caso do plano local para o nacional se refere à nomeação de parentes do delegado da Polícia Federal que vem comandando as investigações da “Operação Chequinho” para ocuparem cargos de confiança na gestão do prefeito Rafael Diniz (PPS).

O primeiro a abordar essas nomeações foi o jornalista Lauro Jardim no seu blog no “insuspeito” jornal O GLOBO [1].  Neste sábado (22/9) quem toca no caso é o jornalista Fernando Brito do respeitado blog de circulação nacional “Tijolaço” [2]

Em sua postagem, Fernando Brito foi bastante ácido em relação à situação vigente em relação à “Operação Chequinho” ao afirmar que “Campos, no Norte Fluminense, por tantos anos controlado por suas oligarquias, agora tem  “coronéis de toga e de distintintivo”.

De minha parte afirmo que em determinados casos, como é o da “Operação Chequinho”, vale a máxima originada da frase do Imperador romano Júlio César num caso envolvendo sua esposa Pompéia e um jovem que teria entrado disfarçado de mulher numa das festas promovidas pela imperatriz. Apesar de não ter encontrado provas que sua mulher teria cometido adultério, César se divorciou dela, dizendo que ““minha esposa não deve estar nem sob suspeita”. Assim,  ter parentes nomeados pelo prefeito cuja candidatura teria apoiado nas eleições de 2016, e ainda por cima ter chefiado as investigações que resultaram na prisão de Anthony Garotinho, não contribui para evitar que suspeitas, mesmo que infundadas, sejam levantadas. Pois como diz o provérbio que resultou do imbróglio entre César e Pompéia, “À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”.

Já no que se refere ao jovem prefeito Rafael Diniz, ele deve estar consciente das inevitáveis repercussões que a publicização das nomeações citadas por jornalistas de projeção nacional terão sobre seu governo. Do contrário, não as teria feito. Resta apenas saber se os riscos envolvidos foram bem calculados.

Mas não nos esqueçamos que em breve o “habeas corpus” (HC) impetrado por Anthony Garotinho será julgado pela Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Se o HC for concedido é muito provável que essas nomeações ainda vão ser citadas num certo programa radiofônico que é veiculado pela Rádio Tupi do Rio de Janeiro. A ver!


[1] http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/emprego-para-os-irmaos.html

[2] http://www.tijolaco.com.br/blog/prefeito-nomeia-2-irmaos-do-delegado-que-prendeu-adversario-garotinho/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s