Reformas ultraneoliberais e o ressurgimento de epidemias do Século XIX

Assistindo a um desses telejornais que pouco informam assisti a uma matéria dando conta do aumento de mortos no estado de São Paulo por causa do vírus da Febre Amarela que está aparecendo forte em cidades localizadas nos limites da região metropolitana da sua capital [1]. Essa notícia ainda veio acompanhada de imagens de filas imensas de cidadãos preocupados que procuram a rede de saúde pública apenas para descobrir que não inexistem vacinas suficientes para toda a população.

Para começo de conversa, a Febre Amarela é apenas uma das muitas doenças que infestavam o Brasil no Século XIX e que estão dando as caras no Século XXI, As razões para isso não são assim tão difíceis de serem encontradas. Parte do problema está no modelo de desenvolvimento urbano desigual que joga os mais pobres para áreas onde determinados vetores tem maior facilidade de proliferaram em meio à completa falta de saneamento básico. É literalmente juntar a fome com a vontade de comer, pois se oferece não apenas a chance para os vetores proliferaram, mas também um contingente populacional com uma série de deficiências orgânicas que, para culminar, não têm a ele garantido o acesso à saúde pública.

Em meio a todo esse processo que tem uma natureza histórica e social, vivemos ainda um período de completa retração dos investimentos públicos, tanto na área da saúde como no da melhoria da infraestrutura urbana. É que em nome de uma lógica ultraneoliberal houve a redução da capacidade do investimento público em áreas nas quais a iniciativa privada não possui o menor interesse ou disposição de investir.  Aliás, esse quase colapso dos serviços básicos de saúde e de saneamento mostram a falácia de que em se privatizando tudo se resolve.

Não esqueçamos ainda que os seguidos cortes em investimentos em pesquisa para a produção de vacinas e medicamentos estão comprometendo a capacidade de instituições de pesquisa estratégicas como a Fundação Oswaldo Cruz de conduzirem suas atividades [2]. É em meio a esse processo de desinvestimento em ciência que temos então algo que pode se transformar numa tempestade perfeita juntando todos as dimensões de uma situação bastante complexa.

Aliás, recomendo a leitura de uma matéria do jornalista Paulo Luiz Carneiro para o jornal “O GLOBO” onde é narrada a trajetória e a luta de Oswaldo Cruz para debelar as epidemias que infestavam a cidade do Rio de Janeiro no começo do Século XX [3]. Ao se ler a matéria fica ainda mais visível o quão pouco as elites econômicas aprenderam com as complexas condições socioambientais existentes no Brasil e o papel do Estado via suas estruturas na mitigação dos problemas a elas associadas.

E nisso tudo fica ainda mais desnuda a ideia de que ao Estado cabe o papel de mero facilitador do avanço das forças de mercado na sociedade brasileira.


[1] https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2018/01/09/morre-a-quarta-vitima-da-febre-amarela-em-sao-paulo.htm

[2] https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/fiocruz-divulga-oficio-sobre-suspensao-das-bolsas-do-cnpq

[3] http://acervo.oglobo.globo.com/em-destaque/cientista-medico-sanitarista-oswaldo-cruz-erradicou-febre-amarela-no-rio-20894450

 

 

 

3 pensamentos sobre “Reformas ultraneoliberais e o ressurgimento de epidemias do Século XIX

  1. Emmanoel Vieira disse:

    Vimos rencentemente um surto de Hepatite A no Vidigal. A Rocinha apresenta os maiores índices de tuberculose do país.

  2. Paulo Roberto Brites da Luz disse:

    Tenho pensado sobre isso e obviamente que a mídia não faz muita questão de fazer matérias ou documentários sobre o assunto eles esquecem que os mosquitos e a doenças que eles transmitem são democráticos.

  3. […] Reformas ultraneoliberais e o ressurgimento de epidemias do Século XIX […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s