SBT/Rio mostra como miséria e mordomias convivem no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Resultado de imagem para mordomias judiciário

Aproveitando a onda de indignação que circula no Brasil neste momento em relação aos polpudos penduricalhos que a alta burocracia do sistema judiciário brasileiro tem acesso, enquanto milhões de brasileiros não possuem sequer um teto sobre suas cabeças, o SBT do Rio produziu a matéria abaixo mostrando as várias vantagens gozadas por juízes e desembargadores no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ/RJ)

A matéria é recheada de informações sobre as múltiplas mordomias a que juízes e desembargadores do TJ/RJ gozam do lado de dentro do edíficio cuja construção está envolta em acusações de superfaturamento, enquanto do lado de fora sem teto não possuem sequer o chamado “auxílio papelão”.

Uma coisa é certa: mesmo que a matéria não tenha a capacidade de mudar essa realidade, a sua veiculação certamente aumentará a pressão para que algumas das inexplicáveis vantagens gozadas pela alta burocracia do judiciário fluminense sejam questionadas e, quiçá, removidas.

3 pensamentos sobre “SBT/Rio mostra como miséria e mordomias convivem no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

  1. Arnaldo disse:

    Pelo título pensei que você ia denunciar a diferença entre quem está no “baixo clero” da justiça, recebe mal, trabalha em prédios em condições deprimentes e trabalham diariamente por horas e horas e horas… em contraste com a vida dos concursados da alta, como juízes etc. Não é preciso contrastar “dentro e fora” do prédio, basta ir ver como é a vida de certos cargos e setores versus outros. uma vergonha.

    • Arnaldo, não desconheço a discrepância salarial existente dentro do TJ/RJ. Mas convenhamos que nenhuma é maior do que a mostrada na reportagem do SBT.

      • Arnaldo disse:

        É verdade, mas quem é do Rio de Janeiro convive com isso em todos os espaços da Zona Sul ao Centro. As favelas sempre coladas às áreas dedicadas aos mega-poderosos. Os mendigos sempre nos pés dos edifícios de alta classe, sejam comerciais ou residenciais. Enfim. É um contraste terrível, que não se restringe ao que ocorre no judiciário. Mas que, quando se fala das máquinas públicas, se perpetua para dentro das instituições.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s