O mito do desenvolvimento econômico, uma obra extraordinária e ainda desconhecida

Resultado de imagem para celso furtado

Em 1974 em pleno exílio que lhe fora pelo imposto pelo regime militar de 1964 o economista publicou o livro “O mito de desenvolvimento econômico”. Ali Furtado estabeleceu as bases para que fosse feita uma ampla crítica do modelo subalterno de crescimento econômico abraçado e aprofundado pelos militares. Entretanto, quase meio século depois, o livro de Celso Furtado não apenas continua basicamente desconhecido, mas como suas elaborações quase proféticas permanecem desconsideradas tanto pela direita quanto pela esquerda.

celso furtado

Mas essencialmente o que fez Celso Furtado nesta obra? Ele fez o que a intelectualidade dos tempos de “Currículo Lattes” e “Fatores de Impacto” não faz por preguiça intelectual. Ele utilizou um método de análise que lhe capacitou não apenas a olhar para dentro das engrenagens do Capitalismo, mas com de lá retirou uma análise aprofundada dos porquês da impossibilidade do modelo de crescimento dos países centrais ser universalizado no que ele chamou de periferia.

Entretanto, Celso Furtado inovou ao analisar os custos ambientais e sociais que a imitação (o que ele chamou de mimetização) dos padrões de acumulação e consumo existentes no centro do Capitalismo traria em termos de degradação ambiental e aprofundamento da concentração da renda e, por consequência, da desigualdade social em países como o Brasil.

Essa junção entre degradação ambiental e concentração da renda é hoje um dos aspectos mais notáveis da expansão das corporações transnacionais na periferia do Capitalismo, bem como os efeitos deletérios da transposição dos padrões de consumo que claramente já estão levando ao esgotamento de elementos fundamentais para a sobrevivência da espécie humana, a começar pela água.

Lamentavelmente não temos hoje qualquer debate sério sobre a produção de um modelo econômico divergente da simples imitação do que é praticado pelos países centrais. A isso se soma a total rendição do governo “de facto” de Michel Temer à lógica rentista que aprofunda a subordinação da economia brasileira aos piores aspectos da divisão internacional do trabalho vigente.  E também no campo daqueles que se dizem de esquerda não há o oferecimento de uma alternativas, já que a maioria dos partidos que estão dentro desse campo ideológico (a começar pelo PT) estão fortemente aferroados ao aspectos mais retrógrados que decorrem do mito do desenvolvimento. 

De toda forma, como o conteúdo desta obra de Celso Furtado continua objetivamente atual, caberá aos que querer escapar das armadilhas do mito que se ponham a refletir sobre as saídas que poderão ser adotadas para que não canhamos ainda mais fundo no precipício.

3 pensamentos sobre “O mito do desenvolvimento econômico, uma obra extraordinária e ainda desconhecida

  1. Marco Antônio disse:

    Em A elite do atraso – Da escravidão à Lava Jato, Jessé Souza quer fazer o que, em sua opinião, nenhum intelectual da esquerda jamais fez: explicar o Brasil desde o ano zero. Isso porque se ideias antigas nos legaram o tema da corrupção como grande problema nacional – conforme defende no livro -, só mesmo novas concepções sobre o país e seu povo poderiam explicar, de uma vez por todas, que as raízes da desigualdade brasileira não estão na herança de um Estado corrupto, mas na escravidão.
    Na história do pensamento social brasileiro nenhum intelectual chegou perto de romper com essas duas ideias, na sua opinião?

    Florestan Fernandes saiu um pouco disso porque estudou dilemas e conflitos de classe; Celso Furtado foi outro genial que percebeu coisas importantes que não têm nada a ver com esses esquemas. Mas esses caras não reconstruíram a história do Brasil como um todo. Foi essa a ambição que eu tive nesse livro porque eu percebi que, para atacar esse negócio e dar nele um nocaute, é preciso fazer o que eles [a elite] fizeram: explicar o Brasil desde o ano zero. O que foi, como foi, por que somos hoje o que somos e o que isso implica para o nosso futuro. Eu tentei fazer o que esses caras não fizeram, apesar de termos tido críticos que discutiram aspectos parciais de modo extremamente importante. Mas se não reconstruirmos o todo, as lacunas do que construímos apenas parcialmente serão invadidas pela teoria dominante, daí Florestan usar o patrimonialismo e essa bobagem toda.

    Esse pessoal diz que nosso berço é Portugal e que de lá vem a nossa corrupção – uma coisa que me dá raiva de tão frágil, já que corrupção é um conceito moderno que implica a noção de soberania popular que é coisa de 200 anos. O nosso berço é a escravidão, que não existia em Portugal a não ser para os muito ricos. Não era fundante, era marginal, nunca foi mais de 5%, enquanto nós fomos montados nela. Essa teoria sobre o Brasil, que se põe como científica, no fundo não vale um centavo furado. É montada a partir de ilusões do senso comum, como se a tradição cultural fosse transmitida pelo sangue. São instituições concretas que nos moldam, é a forma da família, da escola que faz com que sejamos o que somos.

    É a minha dica de leitura.

  2. Marco Antônio disse:

    Boa tarde Professor Marcos, foi apenas uma dica de leitura. Jessé Souza trata da obra de Furtado em seu livro ” A elite do atraso”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s