Índia remove 4.305 revistas científicas de baixa qualidade da lista de publicações aceitas para avaliar desempenho acadêmico

Lucas Vallecillos/Alamy Stock Photo

A agência de consultoria de ensino superior na Índia está removendo revistas consideradas de baixa qualidade do seu registro de revistas aprovadas, mas acadêmicos dizem que a lista deve ser abolida.

Por Smriti Mallapaty*

A University Grants Commission (UGC), que financia e supervisiona o ensino superior na Índia, removeu 4.305 revistas espúrias de uma lista de cerca de 30.000 publicações usadas para avaliar o desempenho acadêmico no país. O Comitê Permanente de Notificação de Periódicos da UGC avaliou o subconjunto de periódicos originalmente enviados para inclusão pelas universidades ou listados no Indian Citation Index, e os considerou de baixa qualidade ou para conter informações incorretas ou insuficientes.

O Comitê avaliou as revistas em resposta à reclamações sobre credibilidade. Em março, pesquisadores na Índia e no Canadá publicaram um artigo na Current Science, que descobriu que a grande maioria do subconjunto recomendado pela universidade era de baixa qualidade [1]. As instituições acadêmicas devem consultar a lista ao indicar o corpo docente, avaliar o desempenho do pessoal e conceder o doutorado.

O UGC anunciou as mudanças em seu site esta semana e está revisando mais 191 periódicos no Indian Citation Index. “Este é um processo dinâmico”, diz Virander Chauhan, presidente do comitê de UGC. “Não é uma lista congelada.”

Bhushan Patwardhan, primeiro autor do artigo da Current Science e biólogo da Universidade Savitribai Phule Pune, diz que a decisão de remover os periódicos ilusórios “é boa, embora um pouco atrasada”.

 Tolerância zero

A UGC criou a lista de periódicos aprovados em abril de 2017 como uma forma de ajudar os pesquisadores a distinguir entre periódicos legítimos e predatórios. A lista de cerca de 30.000 títulos foi selecionada a partir de vários índices de citação, como o Web of Science e o Scopus, além de recomendações de comitês de especialistas e universidades. Mas muitos acadêmicos criticaram por dar licença às próprias publicações que procuravam proteger. Em particular, eles questionaram a qualidade de um subconjunto de cerca de 5.500 periódicos apresentados por universidades. Patwardhan queria verificar quantitativamente essas alegações.

Para conduzir a análise, ele se juntou ao epidemiologista clínico David Moher, do Ottawa Hospital Research Institute. Moher já havia analisado 1.907 artigos em mais de 200 supostos periódicos predatórios nas ciências biomédicas e descobriu que a maioria dos artigos vinha da Índia (os Estados Unidos eram o segundo maior contribuinte).

Os pesquisadores avaliaram 1.009 dos periódicos submetidos à universidade, dos quais apenas 112 (11,1%) preencheram os critérios básicos para boas práticas de publicação. Um terço dos periódicos foi desclassificado por não fornecer informações essenciais (ou apresentar detalhes incorretos), tais como endereço, site e editor da revista. Os demais periódicos que não ultrapassaram o limite de qualidade fizeram declarações incorretas ou enganosas sobre sua indexação, detalhes de contato e afiliação de editores, ou processo de revisão por pares. “Nós aplicamos tolerância zero para informações falsas”, diz Patwardhan. Uma análise inédita de todo o subconjunto de periódicos recomendados por universidades corresponde a esses resultados, diz ele.

Subhash Lakhotia, coautor e zoólogo da Universidade Hindu de Banaras, diz que o CGU deveria dispensar inteiramente a lista, concentrando-se em “emitir diretrizes gerais sobre como avaliar a qualidade do trabalho de um pesquisador”.

“As universidades não podem escapar de sua responsabilidade”, diz Lakhotia. “Criamos as condições, participamos e promovemos.”

Integridade da pesquisa

Alguns culpam a crescente prevalência de periódicos duvidosos na Índia sobre regulamentações institucionais que determinam a publicação para o sucesso na carreira. Em 2010, a UGC introduziu Indicadores de Desempenho Acadêmico baseados em pontos para o recrutamento e promoção de professores e professores acadêmicos em faculdades e universidades, o que incluiu uma categoria para trabalhos de pesquisadores. Em 2013, também exigiu que os candidatos ao doutorado publicassem dois trabalhos antes de apresentar sua tese. Isso criou um “desespero” para publicar, diz Patwardhan, que é um convidado especial do comitê de CGU.

O UGC planeja eliminar a exigência de publicação obrigatória para professores universitários.

Outros argumentam que o acesso à tecnologia digital e o modelo pay-to-publish adotado por muitas publicações de acesso aberto criaram condições favoráveis para aqueles que querem ganhar dinheiro rapidamente. “Por que isso acontece? Porque tem dinheiro”, diz Chauhan.

Patwardhan planeja estabelecer um Centro Internacional de Ética na Publicação na Universidade Savitribhai Phule Pune, que manterá uma lista independente de periódicos confiáveis, além de conscientizar sobre boas práticas de publicação. “Pesquisadores publicam hoje em revistas duvidosas por desespero”, diz ele. “Precisamos construir integridade acadêmica em nossa comunidade.”

“A trajetória desse problema é acentuada”, diz Moher no Canadá. “Não vai desaparecer a menos que alguma ação seja tomada.”

“A trajetória desse problema é acentuada”, diz Moher no Canadá. “Não vai desaparecer a menos que alguma ação seja tomada.”

*Smriti Mallapaty é Senior Editor da Nature Index da Nature Publishing Group. Artigo originalmente publicado em inglês pela Nature.index [2]


[1] https://www.researchgate.net/publication/323942993_A_Critical_Analysis_of_the_%27UGC-Approved_List_of_Journals%27

[2] https://www.natureindex.com/news-blog/india-culls-four-thousand-three-hundred-dubious-journals-from-approved-list

Um pensamento sobre “Índia remove 4.305 revistas científicas de baixa qualidade da lista de publicações aceitas para avaliar desempenho acadêmico

  1. […] Índia remove 4.305 revistas científicas de baixa qualidade da lista de publicações aceitas para … Smriti Mallapaty, Nature […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s