O mistério do glifosato (cancerígena ou não?) mais próximo de ser resolvido

glyphosate-2-hr

A Environmental Protection Agency dos EUA (EPA) considera o agrotóxico glifosato como “pouco provável de ser carcinogênico para seres humanos”.  Enquanto isso, a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC), uma entidade intergovernamental que faz parte da Organização Mundial da Saúde das Nações da Unidas, classificou o glifosato como “provavelmente carcinogênico para humanos (Grupo 2A)”.  Por um lado, a EPA afirma que não há evidência de que “o glifosato induz mutações in vivo por via oral”, enquanto por outro, a IARC concluiu que há “forte evidência” de que a exposição ao glifosato é genotóxica através de pelo menos dois mecanismos conhecidos por carcinógenos humanos (danos no DNA, estresse oxidativo).  

Intrigado com esta discrepância, ex-professor do Centro de Sustentação da Agricultura e Recursos Naturais da Washington State University, Charles M. Benbrook, decidiu averiguar porque e como a EPA e a IARC chegaram a conclusões tão diferentes sobre um mesmo principio ativo.

Um primeiro aspecto notado por Benbrook no artigo que acaba de ser publicado pela revista “Environmental Sciences Europe” foi que de um total de 52 ensaios de genotoxicidade realizados por registrantes (ou seja os fabricantes de agrotóxicos associados ao glifosato) foram citados pela EPA em sua avaliação de 2016 do glifosato técnico, e outros 52 ensaios apareceram na literatura científica. Destes, um ensaio regulador (2%) e 35 ensaios publicados (67%) relataram evidência positiva de uma resposta genotóxica. No caso de herbicidas formulados à base de glifosato (GBHs), 43 ensaios reguladores foram citados pela EPA, além de 65 ensaios publicados em revistas científicas que utilizam o “peer review” (revisão por pares). Destes, nenhum dos ensaios reguladores e 49 publicados (75%) relataram evidência de uma resposta genotóxica após a exposição a um GBH. Por outro lado, Benbrook apurou que a IARC considerou um total de 118 ensaios de genotoxicidade em seis tabelas principais sobre técnicas de glifosato, GBHs e ácido aminometilfosfônico (AMPA), o principal metabólito do glifosato.  

Assim, enquanto a análise da EPA englobou 51 destes 118 ensaios (43%). o IARC analisou outros 81 ensaios explorando outros possíveis mecanismos genotóxicos (principalmente relacionados a hormônios sexuais e estresse oxidativo), dos quais 62 (77%) relataram resultados positivos. Desta forma, a IARC colocou um peso considerável em três estudos positivos de GBH em populações humanas expostas, enquanto a EPA colocou pouco ou nenhum peso nelas.

Benbrook concluiu que a EPA e a IARC chegaram a conclusões diametralmente opostas sobre a genotoxicidade do glifosato por três razões principais: (1) nas tabelas principais compiladas pela EPA e IARC para produzir suas conclusões, a EPA baseou-se principalmente em estudos regulatórios não publicados e com registro, 99% dos quais foram negativos enquanto o IARC se baseou principalmente em estudos revisados  por outros pesquisadores no chamado sistema de “peer review”, dos quais 70% eram positivos (83 de 118).

Além disso, a avaliação da EPA baseou-se amplamente em dados de estudos sobre o glifosato técnico, enquanto a revisão da IARC atribuiu grande peso aos resultados dos ensaios formulados de GBH e AMPA. Finalmente, a avaliação da EPA foi focada em exposições dietéticas típicas da população em geral, assumindo usos legais em alimentos, e não levaram em conta, nem abordaram riscos e exposições ocupacionais geralmente mais altas. Por sua vez, a avaliação da IARC englobou dados de cenários típicos de exposição dietética, ocupacional e elevada.

Em conclusão, Benbrook apontou para a necessidade da realização de mais pesquisas sobre exposições do mundo real aos produtos químicos dentro dos GBHs formulados e o destino biológico e consequências de tais exposições.

Quem desejar ler o artigo de Charles Benbrook na íntegra, basta clicar [Aqui!]

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s