Brasil consome 18% dos agrotóxicos do mundo, mesma porcentagem dos Estados Unidos

Relatório da ONG Public Eye mostra que a Syngenta despeja no país 32% de seus produtos classificados como “extremamente tóxicos”; multinacional fica na Suíça, país que não autoriza o consumo interno desses pesticidas

agrotóxicos-e1556108646719

Foto: Pixabay

Por Maria Lígia Pagenotto para o site “Desacato”

O Brasil e os Estados Unidos se igualam no consumo de agrotóxicos, apesar da diferença de população e da área agrícola cultivada. Os dois países respondem por 18% do total de pesticidas utilizados no mundo, segundo relatório da organização não governamental suíça Public Eye divulgado ontem (22), com dados de 2017.

A distribuição por países é completada pela União Europeia, com 13% do total, e por China e Argentina, com 11% cada. Menos de um terço dos agrotóxicos (29%) são consumidos por todos os demais países do mundo.

Public Eye organizou dados sobre agrotóxicos por países. (Imagem: Reprodução)

Brasil, China e Argentina representam cerca de 40% do total de agrotóxicos consumidos em 2017, corroborando a tese da Public Eye de que mais da metade do uso de pesticidas no mundo ocorre em países de baixa e média renda. Estados Unidos e União Europeia somam 31%.

Esses números foram estimados pela organização a partir de dados da indústria e das estatísticas oficiais de cada país.

SYNGENTA VENDE NO BRASIL 51 PRODUTOS PROIBIDOS NA SUÍÇA

A Public Eye chama atenção para os produtos fabricados pela multinacional Syngenta, com sede na Suíça, uma das principais indústrias de agrotóxicos qualificados como “extremamente tóxicos”.

Em 2017, a empresa faturou, de acordo com a ONG, US$ 3,9 bilhões. O Brasil tem expressiva participação nesse mercado, como mostra o relatório, intitulado “Lucros de Alto Risco – como a Syngenta fez bilhões vendendo pesticidas tóxicos“.

Protesto na Suíça contra a Syngenta. (Foto: Dominik Plüss/Public Eye)

O levantamento da Public Eye mostra que cerca de um terço dos produtos disponíveis para venda na Syngenta corresponde à classe de substâncias altamente perigosas classificadas pela Pesticides Action Network, a PAN, uma rede internacional de ação contra os pesticidas.

Das substâncias altamente tóxicas produzidas pela empresa (quinze, segundo a ONG), 32% são consumidas no Brasil – o país que mais compra essa classe de venenos. Os Estados Unidos respondem pela fatia de 19% do consumo desses produtos; em seguida estão Argentina, 6%; China, com 4%; e França, com 2%.

Cinquenta e um dos 120 ingredientes ativos de pesticidas produzidos pela Syngenta comercializados em vários lugares, inclusive no Brasil, não estão autorizados para uso na Suíça, por conta do impacto que provocam na saúde e no meio ambiente.

EM 1990, PAÍS CONSUMIA 3% DOS AGROTÓXICOS NO MUNDO

Os números relativos ao Brasil apontam franca ascensão do consumo de agrotóxicos. Em 1990, o país respondia por apenas 3% dos volumes globais, estimado em 1,8 milhão de toneladas. Desse total, 75% estava concentrado em países de alta renda. Em 30 anos, o consumo mundial subiu para 3 milhões de toneladas ao ano. O relatório mostra que o crescimento nesse período se deu justamente em países de baixa renda.

Ativistas do Greenpeace em campanha contra o glifosato na Europa. (Foto: Greenpeace)

No Brasil, o emprego de agrotóxicos hoje é nove vezes maior do que em 1990, colocando o país como o maior usuário do mundo, ao lado dos Estados Unidos, com cerca de 540 mil toneladas de pesticidas aplicados em 2017.

Se depender do governo, o Brasil tende a se manter à frente desse ranking. Somente nos cem primeiros dias na Presidência, Jair Bolsonaro, por meio do Ministério da Agricultura, aprovou 152 novos agrotóxicos. De Olho nos Ruralistas contou em março quais são as empresas beneficiadas por essas liberações, das mais conhecidas, como a própria Syngenta, às mais desconhecidas.

Os dados mostram ainda que cerca de 370 mil toneladas de pesticidas “altamente tóxicos” foram pulverizados na produção agrícola do Brasil  em 2017 – o que corresponde a aproximadamente 20% do uso mundial. Entre esses produtos, três são classificados pela PAN como cancerígenos, dois são acusados de causarem problemas endócrinos e outro de provocar doenças congênitas.

O relatório divulgado serviu como base para uma nova denúncia pública da Public Eye contra a Syngenta. A principal acusação é que a empresa lucra com a venda de substâncias altamente tóxicas para países como o Brasil (o maior comprador), enquanto na Suíça esses pesticidas não podem ser comercializados.

1/4 DOS MUNICÍPIOS TEM ‘COQUETEL’ DE VENENOS NA ÁGUA

Os agrotóxicos no Brasil contaminam também a água: resíduos de pesticidas foram encontrados em 86% das amostras de água potável testadas em 454 municípios com uma população de 33 milhões de habitantes, conforme relata a ONG. Um nível de contaminação muito superior ao encontrado na Suíça ou em outros países da União Europeia.

 

Embalagens de agrotóxicos no Rio Santa Maria da Vitória, no Espírito Santo. (Foto: Reprodução)

Nessas localidades, apenas 0,1% das amostras de água potável ultrapassa o limite de 0,1 microgramas por litro, enquanto no Brasil 12,5% dos resultados dos testes encontraram resíduos de pesticidas acima dessa concentração.

Outro dado alarmante do relatório: um coquetel de 27 substâncias tóxicas foi encontrado, com regularidade, num período de quatro anos, na água potável de 1.396 municípios municípios brasileiros. Sete dessas substâncias são atualmente vendidas pela Syngenta no Brasil.

Dos mil tipos de agrotóxicos identificados em todo o mundo, 310 são classificados como extremamente perigosos pela PAN. A indústria de agrotóxicos, de forma geral, lucra 42% com a venda dos pesticidas mais prejudiciais à saúde – segundo o documento da Public Eye, isso equivalia, em 2017,  a US$ 22 bilhões.

_______________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pelo site “Desacato” [Aqui!]

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s