Estudo demonstra correlação entre desmatamento e atraso no início e duração do período chuvoso na Amazônia

dry+season+amazon

Em meio aos argumentos anti-ciência que cercam os debates em relação ao retorno de taxas explosivas de desmatamento na Amazônia, três pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) acabam de publicar um artigo científico que demonstra a existência de uma correlação direta entre o avanço da franja de desmatamento e o atraso no início da estação chuvosa no “Arco de Desmatamento” na porção ocidental da Amazônia brasileira.

Publicado pelo respeitado “Journal of Geophysical Research”, e de autoria dos pesquisadores do Departamento de Engenharia Agrícola da UFV, Argemiro Teixeira Leite‐Filho, Verônica Yameê de Sousa Pontes e Marcos Heil, o artigo conclui, entre outras coisas, que  “ o desmatamento contribui para o atraso no início da estação chuvosa. Para todas as escalas analisadas, a análise de correlação mostra o início cada vez mais tardio da estação chuvosa ao longo do tempo à medida que o desmatamento progride.

Além disso, o trabalho também conclui que a análise de funções cumulativas de densidade de probabilidade para o início da estação chuvosa indicam que “uma porcentagem maior desflorestamento também está associado a uma maior freqüência de longos períodos de seca durante o início e estação chuvosa tardia em relação a regiões minimamente desmatadas“.

JGR figura 4

Outras conclusões importantes, especialmente para um país que está cada vez mais dependente da sua produção agrícola para a geração de moedas fortes, é que “o  aumento do desmatamento também aumenta os riscos relacionados ao clima para a agricultura no sul da Amazônia.” E que “especificamente, considerando o sistema de cultivo duplo praticado na região, um atraso no início a estação chuvosa pode limitar a viabilidade de cultivar duas culturas sucessivas.

Os autores também constataram que a relação entre avanço do desmatamento e o atraso no início das chuvas também “é importante para o seleção de cultivares a serem plantadas por agricultores em sistemas de sequeiro, uma vez que cultivares período juvenil e cultivares de maturação média e tardia pouco toleram tardiamente devido a atraso início da estação das chuvas ou eventos com períodos de seca mais longos – os eventos que demonstramos são mais prováveis ocorrer em áreas de maior  desmatamento.”

Trocando em miúdos, o que este artigo alerta é que a prática da agricultura, especialmente aquela considerada tecnologicamente mais avançada e ligada aos mercados internacionais, tem tudo a perder com o avanço do desmatamento. Em outras palavras, que as preocupações ambientais não são “coisas de vegano” como afirmou recentemente o presidente Jair Bolsonaro.

Quem desejar acessar o artigo “Effects of Deforestation on the Onset of the Rainy Season and the Duration of Dry Spells in Southern Amazonia“, basta clicar [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s