A crise climática está reduzindo a capacidade da Terra de sustentar a Humanidade, diz relatório do IPCC

Relatório da ONU encontra ecossistemas sob ameaça inédita e aponta que a restauração deles é urgente

guardian 0Desmatamento no estado do Pará no Brasil.  O desmatamento de grandes áreas, para usos como fazendas de gado e plantações de café, pode afetar o clima que afeta a saúde da Terra. Foto: Andre Penner / AP

Por Damian Carrington, editor ambiental do “The Guardian”

Desmatamento no estado do Pará no Brasil.  Desmatamento em larga escala para usos como fazendas de gado e plantações de café, pode afetar o clima que afeta a saúde da Terra. Foto: Andre Penner / AP

A crise climática está prejudicando a capacidade da Terra de sustentar a humanidade, com os riscos em cascata se tornando cada vez mais severos com o aumento das temperaturas globais, de acordo com um relatório da ONU compilado por alguns dos principais cientistas do mundo.

O aquecimento global está aumentando as secas, a erosão do solo e os incêndios florestais, ao mesmo tempo em que diminui o rendimento das plantações nos trópicos e derrete o permafrost próximo aos pólos, diz o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O aquecimento adicional levará a condições climáticas sem precedentes em latitudes mais baixas, com potencial de crescimento na fome, migração e conflito e aumento de danos às grandes florestas do norte.

O relatório, aprovado pelos governos do mundo, deixa claro que a humanidade enfrenta uma escolha difícil entre um círculo vicioso ou virtuoso. A destruição contínua de florestas e as enormes emissões de gado e outras práticas agrícolas intensivas intensificarão a crise climática, fazendo com que os impactos sobre a terra sejam ainda piores.

guardian 1Fazenda de gado na Califórnia, EUA. A agricultura intensiva é um usuário pesado de água e uma grande causa de emissões de gases de efeito estufa. Foto: Lucy Nicholson / Reuters

No entanto, a ação agora para permitir que solos e florestas regenerem e armazenem carbono e reduzam o consumo de carne pelas pessoas e o desperdício de alimentos, pode ter um papel importante no combate à crise climática, diz o relatório.

Essas medidas também melhorariam a saúde humana, reduziriam a pobreza e combateriam as enormes perdas de vida selvagem em todo o mundo, diz o IPCC.

A queima de combustíveis fósseis deveria também terminar para evitar a “perda irreversível nos serviços ecossistêmicos terrestres exigidos para alimentos, saúde e assentamentos habitáveis”, diz o relatório.

“Esta é uma tempestade perfeita”, disse Dave Reay, professor da Universidade de Edimburgo, que foi um revisor especialista no relatório do IPCC. “Terra limitada, uma população humana em expansão e tudo embrulhado em uma manta sufocante de emergência climática. A Terra nunca se sentiu menor, seus ecossistemas naturais nunca estão sob ameaça direta. ”

Piers Forster, professor da Universidade de Leeds, disse: “Este importante relatório mostra que precisamos mudar substancialmente a forma como usamos nossas terras para limitar a mudança de temperatura abaixo de 1,5ºC. Em suma, precisamos de menos pastagens [para o gado] e mais árvores ”. O conselho de uso da terra foi contido em um relatório do IPCC em outubro.

O professor Jim Skea, do IPPC, disse que a Terra já estava em dificuldades e que a mudança climática estava aumentando seus fardos. Quase três quartos das terras livres de gelo foram agora diretamente afetadas pela atividade humana, diz o relatório.

O uso deficiente das terras também está por trás de quase um quarto das emissões de gases de efeito estufa do planeta – a destruição de florestas, enormes rebanhos de gado e o uso excessivo de fertilizantes químicos são fatores-chave.

guardian 2

As emissões relativas a fertilizantes aumentaram nove vezes desde o início dos anos 60. O aumento das temperaturas está causando desertos a se espalhar, particularmente na Ásia e na África, e as Américas e o Mediterrâneo estão em risco, diz o relatório.

Uma das conclusões mais contundentes do relatório do IPCC é que o solo, do qual a humanidade é inteiramente dependente, está sendo perdido mais de 100 vezes mais rápido do que está sendo formado em áreas aradas; e perdeu 10 a 20 vezes mais rápido, mesmo em campos que não são cultivados.

O relatório recomenda uma ação forte de governos e empresas, incluindo acabar com o desmatamento e permitir que novas florestas cresçam, reformando subsídios agrícolas, apoiando pequenos agricultores e criando culturas mais resistentes. Muitas dessas soluções, no entanto, levariam décadas para ter um impacto, diz o IPCC.

guardian 3

Mudas sendo plantadas na Mongólia Interior este ano para controlar a desertificação à medida que as temperaturas sobem. Foto: Xinhua / Barcroft imagens

Os consumidores das nações ricas poderiam agir imediatamente reduzindo seu consumo de carne e laticínios produzidos intensivamente – produtos que têm um enorme impacto ambiental.

“Há muito mais que podemos fazer nesse espaço que não estamos fazendo, em parte porque é difícil”, disse Pete Smith, professor da Universidade de Aberdeen e autor sênior do IPCC. “Você não gostaria de dizer às pessoas o que comer, que iria cair mal. Mas você poderia incentivar.

O relatório do IPCC sugere “fatorar custos ambientais em alimentos”. Estudos anteriores sugeriram impostos sobre carnes ou frutas e legumes subsidiados. A produção de carne amarra a maioria das terras agrícolas e o consumo de cortes poderia liberar milhões de quilômetros quadrados para plantações florestais ou de bioenergia, segundo o relatório, assim como poderia reduzir o desperdício de alimentos.

Caterina Brandmayr, do think tank da Green Alliance, disse: “A mensagem chave do IPCC é urgência: precisamos agir agora para plantar novas florestas, restaurar nossos ecossistemas e, sim, comer menos carne”.

David Viner, professor da Universidade de East Anglia e autor sênior do IPCC, disse: “A terra é um recurso vital e nós temos que cuidar disso se quisermos ter um futuro sustentável”.

________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s