Hidrelétricas no Rio Madeira reduzem significativamente estoques de peixes

Novo estudo científico confirma declínio de 40% nos estoques de peixes no Rio Madeira

belo monte

Também há declínios significativos nas populações de peixes na barragem de Belo Monte, no rio Xingu. Foto: Christian Russau

Por Christian Russau para a Kobra

O que os oponentes da construção de barragens no Rio Madeira alertam há anos já ocorreu e foi confirmado cientificamente. A construção de duas barragens no Rio Madeira, Jirau e Santo Antônio, reduziu o estoque de peixes em 40%. Este é o resultado de um novo estudo científico da Universidade Federal do Amazonas, do qual a mídia brasileira relata. Segundo Rogério Fonseca, da Universidade Federal do Amazonas, e coautor do estudo resumido na revista ambiental Revista Ambio, as mudanças no fluxo de água causadas pela construção da barragem e a permeabilidade do peixe, dificultada pela função da barragem, levaram a um declínio maciço nas populações de peixes e, consequentemente, no rendimento dos pescadores. led. Somente no município de Humaitá, as perdas de rendimento totalizaram 342 milhões de reais, atualmente o equivalente a 65 milhões de euros. Em alguns casos, os pescadores relataram que os resultados de suas capturas caíram de 200 para 300 quilos para cerca de 50 quilos. O comunicado de imprensa não fornece uma explicação do prazo para esses tamanhos de captura. Além disso, segundo Rogério Fonseca, alguns dos pescadores

Jirau e Santo Antônio são duas velhas conhecidas da mídia. Jirau e Santo Antônio tornaram-se notórias em 2011 devido aos protestos dos trabalhadores de dezenas de milhares de trabalhadores que se defenderam contra salários insatisfatórios, acomodações e alimentos inadequados. Anos depois, foram principalmente a greve trabalhista e a revolta que causaram disputas legais entre o Brasil e a Grã-Bretanha, porque as seguradoras e as empresas de construção estavam em disputa sobre quem deveria arcar com os custos da revolta dos trabalhadores e qual o local de jurisdição responsável por esclarecer essas questões: os tribunais no Brasil que são realmente responsáveis ​​ou os que estão nos contratos de compras ( Ilegal por causa da violação da Constituição Brasileira), local de jurisdição escrito em Londres do tribunal arbitral privado Arias. Também aqui, apenas de passagem, para lembrar os nomes das duas grandes companhias de seguros da Alemanha, que participaram dos serviços de seguro para as barragens no Rio Madeira e sempre enfatizaram que eram energia “verde” e as avaliações de impacto ambiental estavam sendo cuidadosamente estudadas, não há perigo para o meio ambiente,

Na questão das espécies de peixes ameaçadas pela construção de barragens na Amazônia e o declínio no rendimento da pesca dos inúmeros pequenos pescadores, também houve muitos problemas durante a construção da terceira maior barragem do mundo, Belo Monte (novamente aqui, entre outros: Allianz e Munich Re). Disputa e inconsistências. Após o comissionamento das primeiras turbinas, não só foi descoberto que as turbinas literalmente cortam grandes estoques de peixe. Havia problemas antes: “Nós vivíamos da pesca, agora não resta mais nada”, relataram os residentes do rio em 2011, pois os estoques de peixes no rio já haviam diminuído devido às obras de construção da enseada. No mesmo ano, um tribunal federal interrompeu temporariamente as obras devido à ameaça à pesca ornamental local. O peixe no Xingu não é apenas uma fonte de alimento para os residentes locais dos rios, pois a captura e exportação de peixes ornamentais no exterior cria empregos e renda para centenas de famílias locais e garante sua sobrevivência. Em 2012, 800 pescadores ocuparam o canteiro de obras de Belo Monte por vários dias para indicar o acentuado declínio no estoque de peixes.

A avaliação de impacto ambiental (UVP), encomendada pelo cliente, não previa tudo isso. As espécies de tartarugas ameaçadas de extinção chegaram à EIA, ovos de tartaruga foram implementados na mídia, mas as câmeras de televisão também registraram a colocação inadequada dos ovos, empilhados em banheiras desprotegidas. A AIA viu algumas populações locais de peixes temporariamente afetadas pela construção, mas não ameaçadas de extinção. Em nota divulgada em novembro de 2009, até o órgão ambiental Ibama reclamou que estava sendo exercida pressão política e que não estava claro o que aconteceria à população de peixes nos 100 quilômetros do rio Xingu, 80% dos quais seriam drenados pela construção da barragem . Apenas:

Em 2015, um grupo de cientistas se apresentou para estudar as populações de peixes de 400 espécies do rio Xingu. Os pesquisadores da Universidade Federal do Pará relataram que pelo menos um dos peixes que antes eram considerados endêmicos no Grande Rio Loop do Xingu, pacu-capivara (Ossubtus xinguensis), não estava ameaçado de extinção por Belo Monte. Pacu-capivara, um peixe pequeno, também foi visto a montante em populações não afetadas por Belo Monte. Então não há perigo? Só que a Agência Federal do Meio Ambiente do Ibama já havia explicitamente classificado esse peixe como ameaçado pela construção da barragem em 2010. Quem estava agora? O cientista Philip Fearnside, que vive e pesquisa na Amazônia há décadas, se refere explicitamente à ameaça de pescar. A construção da barragem dificulta enormemente os movimentos de migração dos peixes – e os efeitos locais no Great River Loop, que não corresponderiam mais ao habitat local dos peixes com um fluxo de água de apenas 20%, também contribuem para a extinção das populações. Não basta dizer que, antes da construção da barragem, havia populações de peixes acima e abaixo da barragem, porque sempre é necessário um tamanho mínimo de população para sobreviver, assim como o peixe migratório precisa da permeabilidade do peixe. 

A construção da barragem dificulta enormemente os movimentos migratórios dos peixes – e os efeitos locais no Great River Loop, que não corresponderiam mais ao habitat local dos peixes com um fluxo de água de apenas 20%, também contribuem para a extinção das populações. Não basta dizer que, antes da construção da barragem, havia populações de peixes acima e abaixo da barragem, porque sempre é necessário um tamanho mínimo de população para sobreviver, assim como o peixe migratório precisa da permeabilidade do peixe. A construção da barragem dificulta enormemente os movimentos migratórios dos peixes – e os efeitos locais no Great River Loop, que não corresponderiam mais ao habitat local dos peixes com um fluxo de água de apenas 20%, também contribuem para a extinção das populações. Não basta dizer que, antes da construção da barragem, havia populações de peixes acima e abaixo da barragem, porque sempre é necessário um tamanho mínimo de população para sobreviver, assim como o peixe migratório precisa da permeabilidade do peixe.

Além disso, sempre há ameaças ao mudar de fluxo para água de retorno com conteúdo de oxigênio reduzido em camadas mais profundas da água. Em 2009, uma equipe semelhante de 40 cientistas de universidades chegou a conclusões semelhantes sobre Belo Monte. Os cientistas criticaram duramente os estudos ambientais incompletos, tricotados com um alfinete, apontaram as contradições dos estudos e alertaram que as conseqüências sociais e ambientais do projeto da barragem de Belo Monte seriam graves. Segundo a análise, cerca de 100 espécies de peixes estão ameaçadas por Belo Monte. Até o momento, são conhecidas 26 espécies de peixes que ocorrem apenas no Xingu. Se todas as barragens planejadas na Amazônia fossem construídas,

Até o momento, no entanto, dificilmente existem informações confiáveis ​​sobre a extensão real da perda de espécies, porque a biodiversidade local ainda é muito pouco pesquisada para ser capaz de estimar quais perdas são causadas por projetos de grande escala. A lista oficial de espécies de peixes ameaçadas de extinção no Brasil conta com 133, cientistas independentes falaram de um estudo de 2015 de 819 espécies de peixes ameaçadas de extinção no Brasil. Muitos estudos, assim como muitas opiniões. Quem está agora? Difícil dizer. Isso não pode ser descoberto sem estudos sistemáticos em larga escala.

Os jornalistas do portal de jornalismo investigativo “A Pública” também apontaram outro ponto bastante negligenciado em 2015: os estudos de impacto ambiental sobre questões sociais, flora e fauna na construção de barragens são realizados pelos consultores em nome das construtoras, o que já é motivo suficiente de críticas. . Mais ainda: às vezes, as consultas também participam dos projetos que eles examinaram anteriormente. Por exemplo, a Engevix Engenharia criou o EIA para a barragem de Belo Monte – e a Engevix Construções (do mesmo grupo), juntamente com Toyo Setal, assumiu posteriormente o equivalente a cerca de 300 milhões de euros para Belo Monte: consulte “A insustentável leveza das avaliações de impacto ambiental“. Um brincalhão que é mau …

O exemplo do projeto da barragem de São Luiz do Tapajós, que foi fortemente planejado pelo governo no planejamento até meados de 2016, mas depois foi interrompido em agosto de 2016 devido a inconsistências na compatibilidade ambiental, ilustra a situação problemática das populações de peixes que estão desaparecidas ou até mesmo morrendo devido à construção da barragem e o que isso significa para os pescadores e Fischer significam: Embora os autores da AIA no projeto da barragem de São Luiz do Tapajós e seus críticos concordem que essas barragens têm efeitos e conseqüências, as opiniões diferem quanto à magnitude e gravidade das mesmas. . É indiscutível que a construção da barragem de São Luiz do Tapajós resultaria em perda de biodiversidade local. O próprio EIA incluía 1. 378 espécies de plantas, 600 espécies de aves, 352 espécies de peixes, 109 espécies de anfíbios, 95 espécies de mamíferos e 75 espécies de serpentes. No entanto, onde o EIA fala, por exemplo, de populações de tartarugas, golfinhos e peixes, que podem ser mitigadas por medidas apropriadas, críticos como os autores do estudo do Greenpeace publicado em 2016 acusam o EIA de não ter avaliado adequadamente os dados, já que essas populações são ameaçadas por sua população de represas (geralmente endêmica, que é única apenas lá).

E essas questões têm conseqüências adicionais – também para questões sobre o direito ameaçado à alimentação e a soberania alimentar da população afetada – como mostra claramente o exemplo das populações de peixes.

Para a avaliação do impacto ambiental da barragem de São Luiz do Tapajós, foram realizadas as atividades econômicas dos moradores do rio que vivem na bacia hidrográfica afetada. De acordo com isso, a maioria dos afetados vive na subsistência, como pequenos agricultores que praticam agricultura e pecuária, cuja principal atividade econômica consiste na produção de farinha de mandioca a partir de raízes de mandioca plantadas e pesca. Isso ocorre porque o excedente que produzem na farinha de mandioca e na pesca é vendido a garimpeiros que trabalham localmente, mas não são residentes lá. É por isso que os pequenos agricultores que realmente vivem na subsistência também são contados no setor de serviços em pesquisas,

55% das pessoas que vivem na bacia hidrográfica da barragem de São Luiz do Tapajós no rio praticam pesca, sendo que 31% delas é sua principal atividade econômica, de acordo com o EIA do planejador de barragens (Eletrobras / CNEC / Worley Parsons: RIMA. AHE São Luiz do Tapajós, julho de 2014, p. 67.). O uso do peixe como subsistência predomina, apenas uma pequena parte é tratada nas pequenas cidades Jacareacanga (80 t / ano) e Itaituba (400 t / ano) nos poucos mercados de peixes existentes (Ronaldo Barthem, Efrem Ferreira e Michael Goulding: As migrações do jaraqui e do tambaqui no rio Tapajós e suas relações com as usinas hidrelétricas, em: Ocekadi: Hidrelétricas, Conflitos Socioambientais e Resistência na Bacia do Tapajós / Daniela Fernandes Alarcon, Brent Millikan e Mauricio Torres [Hrs. Brasília, 2016, p.483.). Das 352 espécies de peixes encontradas na avaliação de impacto ambiental dos planejadores de barragens nas proximidades da barragem planejada de São Luiz do Tapajós (estudos mais antigos sobre o Tapajós, no entanto, contaram 494 espécies de peixes, consulte Ricardo Scoles: Caracterização ambiental da bacia do Tapajós, em: Ocekadi: Hidreléos socicambient, Conflit e Resistência na Bacia do Tapajós / Daniela Fernandes Alarcon, Brent Millikan e Mauricio Torres [ed.], Brasília 2016, p.35.) são apenas 42% de peixes migratórios (ver Eletrobras / CNEC / Worley Parsons: RIMA. Relatório de Impacto Ambiental AHE São Luiz do Tapajós, julho de 2014, p. 60.), mas as vendidas nos mercados de Jacareacanga e Itaituba, Segundo pesquisas, os peixes capturados localmente são compostos de 50 a 90% dos peixes migratórios sazonais que visitam outros habitats para desova devido à sua abundância no rio (ver Ronaldo Barthem, Efrem Ferreira e Michael Goulding: As migrações de jaraqui e tambaqui no rio Tapajós e suas relações com as usinas hidrelétricas, em: Ocekadi: Hidrelétricas, Conflitos Socioambientais e Resistência na Bacia do Tapajós / Daniela Fernandes Alarcon, Brent Millikan e Mauricio Torres [ed.], Brasília 2016, p.479.). Cientistas de vários estudos alertam expressamente que a migração desses peixes migratórios será interrompida pela construção da barragem e que isso poderá resultar na extinção das populações nas áreas isoladas umas das outras pela construção da barragem (ver Ronaldo Barthem,

Isso ilustra o que se trata: o direito à soberania alimentar e nutricional.

____________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em alemão pela Kobra Kooperation Brasilien [Aqui! ].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s