Michel Moore apresenta “Planet of the Humans”

planet_of_the_humans

O sempre polêmico diretor de cinema estadunidense Michael Moore lançou no “Dia da Terra” (22/04) , o  “Planet of the Humans”, um documentário que parte da premissa de que estamos perdendo a batalha para impedir o processo de mudanças climáticas porque seguimos líderes que nos levaram para um caminho errado  – vender o movimento verde para interesses ricos e empresas americanas. 

Em seus créditos no Youtube, há o alerta para a realidade que temos medo de enfrentar: que, no meio de um evento de extinção causado pela sociedade humana, a resposta do movimento ambientalista tem sido pressionar por soluções de base tecnológicas que não passam de band-aids.  

Removida do debate estaria a única coisa que pode nos salvar: controlar nossa presença e o consumo  que estão fora de controle. Por que essas questões não aparecem claramente?  Segundo Moore,  porque isso seria ruim para os lucros, ruim para os negócios.

O documentário insiste em que os ambientalistas caíram em ilusões, ilusões “verdes”, que são tudo menos verdes, porque temos medo de que isso seja o fim – e depositamos todas as nossas esperanças em biomassa, turbinas eólicas e carros elétricos.  Mas nenhuma quantidade de baterias vai nos salvar, adverte o diretor Jeff Gibbs (ambientalista e co-produtor de “Fahrenheit 9/11” e “Bowling for Columbine”). Este filme urgente e imperdível,  é um ataque frontal total às vacas sagradas do movimento ambientalista têm, segundo Moore, a garantia de gerar raiva, debate e, esperançosamente, disposição para ver nossa sobrevivência de uma nova maneira – antes que seja tarde demais.

O filme conta a história de Al Gore, Bill McKibben, Richard Branson, Robert F. Kennedy Jr., Michael Bloomberg, Van Jones, Vinod Khosla, Koch Brothers, Vandana Shiva, General Motors, 350.org, Arnold Schwarzenegger, Sierra Club, União de Cientistas Interessados, Nature Conservancy, e Elon Musk.

O “Planet of the Humans”  tem uma trilha sonoro com canções de Radiohead, King Crimson, Emerson, Lake & Palmer, Blank & Jones, If These Trees Could Talk, Valentina Lisitsa, Culpit 1, Patrick O’Hearn, The Torquays, Nigel Stanford e muito mais.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s