Regina Duarte: de namoradinha do Brasil a aduladora da tortura

marcos_correa_ag_brasil

Eu sou daqueles que viu a atriz Regina Duarte apareceu nas telas de TV lá pelos idos de 1970 ficou conhecida como a “namoradinha do Brasil”.  Com o passar dos tempos, entretanto, Regina Duarte foi lentamente se afastando de seus personagens fictícios para abraçar causas que foram cada vezes mais tornando-a uma figura querida nos círculos da extrema-direita brasileira. É pouco sabido, mas Regina Duarte é uma das porta-vozes do movimento que defende negar aos povos indígenas brasileiros o direito a ocupar os seus territórios ancestrais.

Por isso, quando Regina Duarte foi escalada para ocupar a Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro, vi ali apenas a consumação de uma trajetória de uma artista que decidiu abandonar a imagem fabricada a partir dos personagens de telenovelas para abraçar os elementos mais concretos e extremados em relação à negação de direitos básicos da maioria pobre da população brasileira.

É neste contexto que não vi com um mínimo de surpresa as declarações de Regina Duarte em sua fracassada entrevista à CNN Brasil (ver abaixo os “piores momentos” da participação que ela optou por encurtar).

Eu, por exemplo, não me surpreendi com a negação em relação à natureza hedionda das ações de tortura e assassinatos promovidos pelo regime militar de 1964. Essa postura está perfeitamente em acordo com que Regina Duarte vem defendendo desde as eleições de 2002 quando ela mostrou “medo” de uma eventual vitória do hoje ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Mais interessante ainda foi vê-la se indignar com as cobranças feita pela atriz Maitê Proença (que está longe de ser uma pessoa de esquerda) para que ela passe a ouvir mais a sua própria classe que hoje se encontra sob fortes restrições econômicas devido à ausência de políticas que promovem a cultura no Brasil. 

A verdade é que Regina Duarte acaba se submetendo a um imenso constrangimento de ter que ouvir uma réplica da âncora da CNN Brasil que retrucou a afirmação dela que não queria desenterrar mortos (provavelmente ela falava de Aldir Blanc e Flávio Migliaccio, entre outros). Ainda no ar, Regina Duarte foi lembrada que o Brasil não está desenterrando, mas sim enterrando milhares de mortos.

O pior para Regina Duarte é que nessa “performance” deverá mantê-la no cargo por muito tempo.  E de Regina Duarte ficará a imagem não de “noivinha do Brasil”, mas de uma aduladora de torturadores. 

2 pensamentos sobre “Regina Duarte: de namoradinha do Brasil a aduladora da tortura

  1. Emmanoel Vieira Da Silva Filho disse:

    Caro Pedlowisk, Naquele momento (idos de 1970) ela era conhecida como “namoradinha do Brasil” mesmo porque se ela viesse a noivar não podia casar pois perderia a pensão que ganha do pai acho que ex-militar. Recentemente ela se dizia noivando com este facista mais casada com o facismo acho que ela sempre foi. abs Emmanoel

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s