O Brasil se tornou o novo hotspot do coronavírus, e Jair Bolsonaro falha como gerente de crise

O presidente brasileiro minimizou o coronavírus por um longo tempo. Agora, o número de infecções está aumentando – e o  Brasil ainda está longe do auge da crise.

bolso deutschJair Bolsonaro:  As ações descontroladas do presidente brasileiro exacerbam a crise. (Foto: AFP)

Por Alexander Busch para o

A crise da coroa chegou tarde ao Brasil – mas o vírus agora está se espalhando cada vez mais rápido: a Amazônia ultrapassou Espanha e Itália no número de pessoas infectadas. Atualmente, 15.000 novas infecções estão sendo adicionadas todos os dias. Apenas dois meses atrás, a primeira morte após uma infecção pelo coronavírus foi registrada no Brasil.

Agora, 816 pessoas morreram em 24 horas. O estado de São Paulo superou a China no número de mortes por coronavírus : no estado mais populoso do Brasil, com mais de 46 milhões de habitantes, 4.688 pessoas morreram por causa do coronavírus, enquanto que na China há uma 1,4 bilhões de habitantes, e morreram 4637 pessoas.

Em muitas grandes cidades do Brasil, os hospitais públicos já estão completamente sobrecarregados. Isto é especialmente verdade para a região amazônica, alguns estados do nordeste, e nas grandes cidades dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

No entanto, tudo aponta para o fato de que a crise do coronavírus no Brasil ganhará significativamente mais drama. De acordo com uma previsão do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME) nos Estados Unidos, o Brasil pode registrar cerca de 90.000 mortes no início de agosto. Os cientistas estão atualmente prevendo que 1.000 pessoas morrerão todos os dias a partir de meados de junho.

No entanto, o número crescente de mortes sugere que o cenário dos pesquisadores dos EUA poderia ser alcançado muito mais cedo – provavelmente em alguns dias. O IHME fornece o número máximo de fatalidades possível para o Brasil em 19 semanas, com 194.000 casos. 11.000 pessoas infectadas precisariam de leitos hospitalares para receberem terapia intensiva. O Brasil, no entanto, possui apenas 4.000 deste tipo de unidade hospitalar.

Uma das razões para a rápida disseminação do vírus é o gerenciamento caótico de crises do governo do presidente Jair Bolsonaro. O ex-militar de 65 anos está falhando descaradamente como chefe de Estado e gerente de crise.

Brasil relata mais infecções por vírus do que Itália e Espanha

 

Em meio ao pânico crescente,  Jair Bolsonaro demitiu o Ministro da Saúde pela segunda vez em pouco tempo na última sexta-feira. O primeiro ministro da saúde havia se tornado popular demais com seu gerenciamento da crise do coronavírus. O segundo ministro foi liberado depois de apenas um mês por se recusar a usar a cloroquina como droga, que Bolsonaro quer aplicar sem nenhuma base científica.

Mas a oposição de Bolsonaro às políticas de confinamento é decisiva para o crescente número de infecções. Bolsonaro minimizou a pandemia como uma simples gripe por um longo tempo, e se opôs desde o início a que os brasileiros ficassem em casa. Mesmo agora, ele pede todos os dias que os brasileiros que voltem ao trabalho.

Salões de beleza e academias de esportes também devem abrir novamente, embora o número de pessoas infectadas esteja aumentando rapidamente. “Todo mundo tem que voltar ao trabalho. Se você não quer trabalhar, fique em casa, caramba!”,  Jair Bolsonaro disse logo após o pedido de demissão de Nelson Teich.

O presidente Jair Bolsonaro não esconde o fato de que ele se preocupa principalmente com sua sobrevivência política. Ele teme que, com a previsível recessão severa, seus índices de popularidade caiam. E assim ele tenta transferir a responsabilidade pelas conseqüências econômicas  da pandemia para os governadores e prefeitos. ” A mídia está tentando me culpar pela miséria econômica”, diz ele. “Mas não tenho nada a ver com isso. Eu não sou um coveiro. “

Os pedidos de impeachment estão aumentando

Mas a Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu aos estados e prefeituras semanas atrás o direito de agir autonomamente em suas estratégias contra a pandemia. Desde então, Bolsonaro também atacou os ministros do STF.

Bolsonaro continua a manter seus seguidores felizes nas mídias sociais: eles são os evangélicos, parte do empreendedorismo, brasileiros populistas de direita, e grande parte das forças armadas. Bolsonaro agora só pode contar com esses apoiadores. Seus índices de popularidade estão diminuindo, mais de um quarto a quase um terço dos brasileiros ainda estão apoiando o populista de direita.

Até agora, não parece incomodar seus apoiadores que Bolsonaro, com seus ataques cada vez mais estridentes contra quem discorde dele, esteja prejudicando a gestão da crise causada pelo coronavírus. Em vez de debater as melhores estratégias contra a pandemia, os políticos agora estão pedindo processos de impeachment contra o presidente brasileiro. É por isso que muitos dos apoiadores de Bolsonaro estão exigindo que ele suspenda os direitos fundamentais, feche o Congresso Nacional e o STF, e estabeleça um regime autoritário.

A situação dos brasileiros não parece importar para Bolsonaro. Quando foi confrontado com o fato de o Brasil já ter ultrapassado a China no número de mortes por  coronavírus, ele gritou para os repórteres: “Desculpe, eu sou Messias, mas posso não fazer milagres.

____________________________

Este artigo foi publicado originalmente em alemão pelo jornal especializado na área de negócios Handelsblatt [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s